quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

A hora de António Costa

António Costa ultrapassou, com sucesso, as dificuldades o Congresso do PS. Rejeitou sem tibiezas uma aliança à direita, manifestou interesse em entendimentos à esquerda e apostou forte na maioria absoluta.
A ambição demonstrada não se compagina com evasivas ou silêncios. Chegou a hora de apresentar propostas que mostrem aos eleitores como é possível cativar a esquerda.
Não se trata de pedir a Costa que apresente um programa de governo, porque ainda é demasiado cedo. Apenas algumas linhas gerais, contendo medidas que marquem a mudança de postura do PS e o seu claro afastamento do rumo seguido por este governo, de modo a compensar, à esquerda, a inevitável  perda de eleitores ao centro.

9 comentários:

  1. Ontem tive uma amostra
    que talvez se altere, agora,
    com o Costa

    Mas... ajude-me lá, uma rapariga nova, bem educada, licenciada que passa 8 horas atada ao atendimento de um call center e assina recibos verdes sem descontar para nada, é mesmo classe média? É que, se é...

    ResponderEliminar
  2. «Rejeitou sem tibiezas uma aliança à direita, manifestou interesse em entendimentos à esquerda e apostou forte na maioria absoluta».

    Vou fazer uma previsão e não passa disso.
    Rejeitar alianças à direita é completamente irrealista, se O PS ganhar é com ela que se terá que entender, historicamente sempre foi assim. Igualmente irrealista parecem-me ser entendimentos com os comunistas e o com BE, que são partidos de protesto e quase de certeza que não terão «tomates» para ir para um governo com o PS.
    Apostar forte numa maioria absoluta. Com o devido respeito, parece-me ser uma aposta completamente desfasada de realidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oiça o parecer deste douto professor e ficará a saber o que ele entende sobre a forma como podem ser feitas alianças, se não houver maioria absoluta, e no caso de Costa ganhar. Começa a falar no minuto 5, mas sobre este assunto só começa no minuto

      Oiça o parecer deste douto professor e ficará a saber o que ele entende sobre a forma como podem ser feitas alianças, se não houver maioria absoluta, e no caso de Costa ganhar. Começa a falar no minuto 5, mas sobre este assunto só começa do minuto ,mas vale a pena ouvir um sehor que pensa com classe.

      http://www.tvi24.iol.pt/programa/53c6b3923004dc006243d13d/politica

      Eliminar
  3. ~ ~ Está provado que estamos a aturar a direita porque a esquerda portuguesa é radical, incapaz de construir pontes e consensos. Criou o vício da oposição: é mais fácil contestar do que governar, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  4. Na verdade acho que já estava na hora de António Costa ir "levantando o véu". Se bem que de política percebo pouco ou nada!

    Beijinho despolitizado

    ResponderEliminar
  5. Nunca meditou nos frutos da união do PS à Direita? Nunca leu História Universal? Não percebeu o que leu? Agarre-se lá ao Coelho,ao Relvas e ao Portas,com eles construirá um socialismo mais ágil,uma sociedade mais justa,como fizeram nos últimos 3 anos,apoiando-se na abstenção violenta do Seguríssimo...

    ResponderEliminar
  6. Com Sócrates, o ausente mais presente, a ensombrar a campanha, António Costa vai ter que apelar a todos os seus dotes de grande político para conseguir a maioria absoluta que o PS anseia.

    ResponderEliminar