quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Ser tuga é ...

Alguns leitores manifestam recorrentemente o seu desagrado, quando eu escrevo alguma coisa sobre os TUGAS . Consideram a palavra ofensiva. Não é. Tem até uma raiz etimológica muito fofinha. O que não quer dizer que o tuga seja fofinho, entenda-se…
Um exemplar típico do tuga é o Visconde dos WC, também conhecido por Bruno de Carvalho, ou por ser presidente do Sporting. 
Ar emproado, fanfarrão, reclama contra os árbitros que roubam o Sporting, esbraceja, faz ameaças, entra em campo para manifestar a sua indignação e incentivar os adeptos  para a desordem. Mas só quando está em Portugal porque, lá fora, as coisas piam mais fino. Depois de ver o Sporting ser escandalosamente roubado na Alemanha, no final do jogo entrou em campo manso como um cordeiro, aconselhando calma ao treinador que ( ordeiramente) foi reclamar junto dos árbitros.
Normalmente, quando põe aquele ar de pessoa  tão honesta que não precisou de nascer duas vezes,  é para  reclamar transparência, honestidade e rigor no futebol, mas depois votou num dos maiores trafulhas que já passou pelo futebol português, para presidente da Liga.
Não quero com isto dizer que Bruno Carvalho seja um escroque. Longe disso. Apenas que é um exemplar típico do tuga. 
 Os políticos são outros bons exemplos. Passam a vida a dizer que o seu objectivo é defender o país e o interesse dos portugueses mas, à primeira oportunidade, piram-se lá para fora e querem lá saber do país. Exemplo recente foi o de Vítor Gaspar. Recuando no tempo encontramos Durão Barroso e, num futuro próximo Passos Coelho e Marilu receberão as suas prebendas europeias, por terem sido bons alunos e cumprido as ordens da Merkel sem pestanejar.
A maioria dos tugas não tem protagonismo mediático, mas encontramo-lo diariamente em diversas situações. 
Como esta, por exemplo:
O tuga chateia-se com as greves do Metro, porque lhe causam transtornos. No entanto, é indiferente ao facto de centenas de trabalhadores do Metro terem sido incentivados a reformar-se antecipadamente  e, de um dia para o outro, terem visto um grupo de bandidos abocanhar o pote e roubar-lhes o dinheiro que lhes tinha sido prometido como compensação, por terem aceite reformarem-se antecipadamente.
O tuga não se impressiona quando o governo rouba o vizinho. Considera isso uma consequência da crise. O tuga irrita-se é quando o governo toca nos seus interesses pessoais, aumenta as portagens, ou carrega nos impostos dos combustíveis, porque isso é um atentado ao seu direito a andar de cú tremido.

5 comentários:

  1. O tuga é aquele que olha muito para o seu umbigo e quando pude, escarafuncha o do vizinho...

    ResponderEliminar
  2. Esqueceu aquele queriducho , o Moedinhas
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. O tuga não é só isso que dizes, mas também é isso.

    ResponderEliminar
  4. O Bruno de carvalho é um exemplar único.
    Aquela de pedir pontos ou contos à UEFA foi de ir às lágrimas :)))

    ResponderEliminar