terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pela eliminação da violência




Assinala-se hoje o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres. 
Ontem, o presidente da Turquia, antecipava as comemorações  discursando numa assembleia de mulheres  (Women and Justice) afirmou que prefere a equivalência à igualdade de géneros. Na opinião de Erdogan “Não se pode colocar homens e mulheres em pé de igualdade. É contranatura. Eles foram criados de forma diferente. A sua natureza é diferente”. 
Não se indignem já, por favor. Por cá,  também temos exemplos dignos de registo. Como o deputado Mendes Bota que em 2010 dizia que quando um homem bate numa mulher a culpa é da crise. Ou o daquele juiz que  considerou que bater numa mulher na medida certa não é crime  e ainda aquele outro, envolvendo uma turista de férias no Algarve,  que se queixava de assédio e tentativa de violação e ouviu o juiz insinuar que, pela maneira como ia vestida, “estava a pedi-las”.
Momentos dignificantes, que me pareceu oportuno recordar neste dia.  Como igualmente importar lembrar que desde 2004 ( data em que começou a haver registos) já morreram em Portugal 398 mulheres vítimas de violência doméstica. 
Se não há campanhas de sensibilização, nem leis, que combatam este flagelo, talvez valha a pena experimentar esta velha receita promovida pela publicidade de antanho. 

3 comentários:

  1. Nestes dias não falta gente a sensibilizar-se com situações que põem em causa a dignidade das mulheres, nos outros... Já passou o dia!

    ResponderEliminar
  2. Enquanto isso dezenas de mulheres caiem, todos os anos, em Portugal na mão de animais que pensam mais ou menos o mesmo...

    ResponderEliminar
  3. E por aqui ainda se discute a tipificação do crime como crime público.
    Idiotas!

    ResponderEliminar