sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Diz-me como pensas, dir-te -ei quem és

Ontem ouvi Lobo Xavier, na Quadratura do Círculo dizer, em relação aos vistos gold, que não interessava de onde vinha o dinheiro e quem tiver dessas preocupações é porque é ingénuo.
Hoje, o secretário de estado dos transportes afinou pelo mesmo diapasão em relação à venda da PT. " O que interessa é o projeto, não a origem do dinheiro"- disse
Este desprendimento dos nossos governantes e respectivos apêndices em relação à origem do dinheiro esclarece muita coisa sobre a actividade deste governo e as pessoas que integram.
No meu tempo,  dizia-se que pessoas assim eram desonestas. Hoje, qualquer governante o pode dizer e ninguém se indigna.
O problema provavelmente é meu. Estou desactualizado e sou ingénuo.

7 comentários:

  1. estamos a saldos...
    como se o meu emprego não fosse já suficientemente instável os CEO's maravilha deram cabo da empresa que me contrata a uma empresa de trabalho temporário em regime de outsourcing, também a preço de saldo...enfim! é o que temos ...

    ResponderEliminar
  2. Nem está desactualizado , nem é ingénuo.
    Sou do tempo , " diz-me com quem andas dir-te-ei que és " etc. Esta gente , com a ganância perdeu a noção do equilíbrio..É muito triste ...para eles.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. Também fui espectadora atenta da Quadratura do Círculo e ouvi essa "pérola"!
    É tudo farinha do mesmo saco...ou mais concretamente farelo!

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  4. O mesmo já teria dito Salazar, o honesto, sobre o ouro nazi (ou antes, dos judeus gaseados) para pagamento do volfrâmio....Há um despudor que nos gela.

    ResponderEliminar
  5. Quando estive no Porto também vi ou, mais precisamente, fui obrigada a ver a Quadratura do Círculo, mas já nem me lembro qual deles era o Lobo Xavier.

    O que é que disse o seu amigo A. Costa sobre o assunto?

    Também ele é ingénuo e está desactualizado?

    ResponderEliminar
  6. É a transparência à moda da pandilha do pote.

    ResponderEliminar
  7. É assim que os governos mostram o que (não) valem.

    ResponderEliminar