segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Conversa da Treta

Deixem-se de tretas! 
Quando um ministro quer abandonar o cargo sai mesmo e borrifa-se na autorização do primeiro ministro. Foi o que fez Miguel Macedo.
Paula Teixeira da Cruz só não abandonou o cargo, porque  a casa de Irene o ministério da Justiça lhe dá protagonismo e é uma aposta no seu futuro.
Nuno Crato continua a destruir o ministério da educação porque é vaidoso e, acima de tudo incompetente.
Pedro Passos Coelho não os substitui, porque não tem ninguém minimamente válido para os substituir e porque não quer dar trunfos ao CDS que, na próxima campanha eleitoral pode sempre invocar o argumento de que apenas ministros do PSD foram substituídos, enquanto todos os seus foram intocáveis.
O resto é conversa da treta...

7 comentários:

  1. É evidente, Carlos, que qualquer ministro só não cessa funções se não quiser. De modo que os pedidos de demissão, pretensamente não aceites, são só para português ver. São por exemplo os casos de Portas e de Crato.

    ResponderEliminar
  2. Aqui concordo consigo. Quem quer sair pura e simplesmente demite-se e não «põe o lugar à disposição» como é (mau) costume em Portugal.

    ResponderEliminar
  3. Coelho optou pelo pior caminho. Estes remendos da treta vão sair-lhe caros.
    Outubro de 2015 é já ali.

    ResponderEliminar
  4. Este é um "governo" da treta... Ah! e até o presidente é um presidente da treta! (Seremos nós também um povo da treta?!)

    ResponderEliminar
  5. Essa é a conversa aqui em Macau também, Carlos.
    Não se demitem porque não se podem demitir?
    Uma treta!
    Quem é me pode obrigar a desempenhar um cargo que não quero desempenhar??

    ResponderEliminar