quarta-feira, 5 de novembro de 2014

À procura de um Messias no meio do deserto





Não sei se  o asco ao PSD, perceptível na blogosfera e nas redes sociais, tem repercussão idêntica no país real. Na minha modesta opinião, não tem. 
É verdade que a maioria dos simpatizantes laranjas não gosta de Passos Coelho e anseia  o dia em que seja substituído, mas o seu fervor  clubístico pelo clube “das setinhas que apontam para o céu” continua latente. A única coisa que desejam é  a substituição do treinador, não a mudança do partido que deve dirigir os destinos do país até 2019.
Este sentimento é acompanhado por muitos militantes do PS para quem governar com o PSD, desde que o líder não seja Passos Coelho, é um mal menor.
Não me vou debruçar sobre esta análise superficial da vida política. Atenho-me, outrossim, às alternativas que os portugueses adeptos da laranja, da rosa, ou mesmo daquela coisa  azul e amarela que me faz lembrar um doente com hepatite C depois de ter sido vítima do assédio de um pedófilo, desejam para o país.
Muitos invocam Manuela Ferreira Leite para apontar o dedo acusador a Passos Coelho. Inebriados pelas declarações da ex-líder da S. Caetano  contra o grupo de aprendizes que assaltou o poder,  muitos vêem na ex-ministra das finanças de Durão Barroso, uma alternativa a Passos Coelho. Entrementes, esquecem-se  do caso Citibank, o ataque aos funcionários públicos, ou que MFL, depois de debitar algumas críticas ao governo na TVI 24, vai pressurosa assistir e participar nas cenas do roadshow do PSD que anda pelo país a apregoar as virtudes do OE 2015. Em calhando, não se esquece de dar uns beijinhos ao líder, para que as câmaras possam testemunhar.
Last, but not the least, Manuela Ferreira Leite tem sido fervorosa apoiante de Cavaco e de Durão Barroso, a quem deu um enternecido abraço, na passada segunda –feira, durante a cerimónia de imposição da  Grande Coleira Pluto.
Outros há que olham para Rui Rio como o parceiro ideal de António Costa, no caso de o PS ganhar as eleições de 2015 sem maioria absoluta.
Devo dizer que me comove esta candura dos portugueses. Basta um tipo do PSD criticar o actual governo, para se embeiçarem e olharem para ele como o Messias Redentor que vai ajudar a salvar o país.
Quem vive no Porto, ou acompanhou de perto os mandatos de Rui Rio à frente da câmara, sabe que Rio é um embuste. Dizer que o Porto, por sua influência, melhorou muito durante as suas presidências, é desconhecer por completo a realidade. Não vou invocar os casos do Rivoli, do mercado do Bolhão, da Red Bull Air Race, ou a luta feroz contra o FC do Porto, símbolo de uma cidade e de uma região, em boa parte responsável pela projecção do Norte além fronteiras.
Basta-me convocar à discussão a sua falta de decência e desrespeito pelo património histórico e cultural do Porto. Se houvesse um Mapa Mundo da Cultura, Rui Rio seria representado por um deserto, tal a sua vacuidade.
Ah, mas ao menos é um homem honesto!- retorquirão alguns entusiastas de Rio.
Quem sou eu para os contradizer? 
No entanto, ciente de que é urgente refrear os entusiasmos daqueles que consideram Rui Rio um poço de transparência,  remeto para o relatório da auditoria ao Bairro do Aleixo.
Para além das muitas irregularidades detectadas, está lá o ADN do(s) dirigente(s) do PSD:
Gestão de Rui Rio premiou privados em detrimento do interesse público, prejudicando a Câmara do Porto.
Desiluda-se quem pensa que neste PSD é possível encontrar uma alternativa credível a Passos Coelho.  Pautam-se todos pela mesma cartilha, que é a entrega a interesses privados dos bens públicos. No PSD o único  Messias  conhecido é o vinho verde. Na minha modesta opinião, de fraca qualidade, diga-se.
Não creio que António Costa queira pactuar com gente desta. Mas, se estiver disposto a fazê-lo, por favor avise os portugueses antes das eleições.

6 comentários:

  1. É tudo farinha do mesmo saco...como diria a minha mãe se ainda fosse viva!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo o comentário da RV. Está nos genes dessa gente ser assim e não há nada a fazer. Podem alguns ser honestos , não digo que não , mas...há qualquer coisa que os identifica.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. ~ ~ Concordo, Carlos.

    ~ ~ Tenho a certeza, no entanto, que AC nunca irá compactuar com PSD.

    ~ ~ Ele faz parte da boa cepa socialista que nunca fez nada parecido.

    ~ ~ Dar-se-ia ao trabalho de se opor a AJS, para tal desfecho vergonhoso?!!

    ~ ~ Não, certamente.
    ~

    ResponderEliminar
  4. ...ou mesmo daquela coisa azul e amarela que me faz lembrar um doente com hepatite C depois de ter sido vítima do assédio de um pedófilo...

    Adorei isto!

    ResponderEliminar
  5. Carlos, Ainda ontem comentava isto com um amigo - Costa e Rio têm toda a probabilidade de se defrontarem politicamente num futuro muito próximo.
    Mas, quer um quer outro, ainda não disseram ao que vêm, o que é que pensam, o que é que querem para o País, como se propõem conseguir o que querem.
    Silêncio ensurdecedor dos dois lados.

    ResponderEliminar