terça-feira, 4 de novembro de 2014

A Paróquia de S. Caetano à Lapa




Sermão do prior da S. Caetano aos peixinhos (de aquário)


Na cerimónia de atribuição da coleira, Durão Barroso confundiu uma  condecoração partidária, atribuída por  um militante do PSD a exercer funções de PR, com uma distinção concedida pelos portugueses. 
Nem o facto de a oposição se ter recusado a participar na palhaçada abriu os olhos ao anafado Zé Manel. 
Vai daí, fez uma extrapolação que lhe permitiu  concluir, à boa maneira maoísta,  que a oferenda era a prova de que tinha agido bem quando em 2004 abandonou o país de tanga, para exercer um cargo altamente remunerado em Bruxelas e assegurar uma reforma principesca uma década depois. 
A ausência da oposição na cerimónia de entronização não passou em claro a Passos Coelho. Em vez de se remeter ao silêncio, o pm decidiu acusar toda a oposição ( mais de 2/3 da população portuguesa , de acordo com os resultados das eleições europeias)  de paroquialismo.
Não seria senão mais uma diatribe tonta de um tipo apatetado, não se desse o caso de PPC ter acrescentado esta pérola de arrogância:
"É extraordinário que, tendo o Presidente da República decidido assinalar essa circunstância - numa cerimónia que, no fundo, pretende distinguir alguém que obteve essa distinção lá fora, reconhecida por todos - não tivesse havido um único partido da oposição que se tivesse feito representar nessa cerimónia" - disse num comício da agremiação laranja
"Reconhecida por todos?" Desde quando é que 27,7% de portugueses que votaram na coligação governamental para as europeias, representam TODOS os portugueses? 
No tempo do Estado Novo, a corja salazarenta é que tinha tiradas desse jaez e garantia que a União Nacional era o partido de todos os portugueses. Agora vivemos em democracia ( ainda que vigiada e limitada), pelo que um pm que representa pouco mais de 1 em cada 4 portugueses, não pode assumir-se como representante de todos os portugueses. Muito menos, quando governa contra a maioria, defendendo apenas o interesse de alguns.
Passos Coelho é prior da paróquia de S. Caetano à Lapa ( por acaso muito mal fequentada) , não é o vigário da congregação. 
A cerimónia de imposição da coleira ao Zé Manel não deixou apenas transparecer a índole totalitária deste PSD. Deixou a nú que todo o aparelho de Estado está ao serviço de uma clientela partidária e despreza a maioria dos portugueses, cuja opinião não conta para nada.

7 comentários:

  1. Essa corja defende-se como sabe - com baixeza, sem dignidade nem vergonha! E todos se condecoram uns aos outros, numa protecção corporativa e bafienta...

    ResponderEliminar
  2. Estes estupores não se enxergam, amigo!!

    Bom fim de dia e sem a chuva daqui..

    ResponderEliminar
  3. Merecem-se entre si e não se enxergam!

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  4. Essa condecoração foi a anedota do mês... Devem vir outras a caminho!

    ResponderEliminar
  5. Entre condecorações indecorosas , frases bafientas , elogios da corja entre si , vão fazendo campanha eleitoral desenfreada e ainda falta um ano para as eleições. Safa.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  6. E o Carlos ainda é simpático ao ponto de achar que quem votou nos partidos que formam a coligação reconhece mérito a Durão Barroso.
    Olhe que não, olhe que não.....

    ResponderEliminar
  7. Estes gajos pelam-se por coleiras e penduricalhos.

    ResponderEliminar