terça-feira, 11 de novembro de 2014

A direita já começou com a conversa de ir ao cú?






A direita que esmifrou os portugueses até ao tutano está muito preocupada com as taxas de dormidas e resolveu usá-las como arma de arremesso contra António Costa.
Como cidadão que paga os seus impostos em Lisboa, quero agradecer a António Costa permitir-me  continuar a pagar a taxa de IMI mais baixa da região de Lisboa ( uma das mais baixas do país) e uma taxa de IRS reduzida.
É certo que a taxa sobre o tratamento do lixo é puxadota, mas os lisboetas têm de perceber que, se querem a cidade limpa,  ou assumem outro tipo de comportamento, ou têm de pagar para manter um serviço que é caro em qualquer parte do mundo.
Quero dizer-lhe que não me impressiona absolutamente nada a taxa sobre as dormidas, aplicada aos turistas, porque estou habituado a pagá-la quando viajo. 
Considero da mais elementar justiça ( em Lisboa ou em qualquer parte do mundo) que sejam os turistas a pagar o preço da preservação do património da cidade e a sustentabilidade. Essa é a tendência europeia, consagrada na Carta Europeia das Cidades Sustentáveis que também prevê a proibição da circulação de automóveis particulares no centro das grandes metrópoles. Um passo que terá de ser dado, mais dia menos dia, também em Lisboa.
Aos indignados, como Paulo Portas e comandita governamental e blogosférica, que se insurgem contra a aplicação destas taxas aos turistas, mas não têm qualquer pudor em esmifrar os portugueses com impostos, taxas e sobretaxas, apenas digo uma coisa: Peçam desculpa aos portugueses por os andarem a roubar há três anos e acabem com essa conversa de ir ao cú!

14 comentários:

  1. Será ao da galinha? Como Portas hoje falou em galinhas de ovos de ouro...

    ResponderEliminar
  2. Muito bem!! Subscrevo cada palavra! Mas as "conversas de ir ao cu" ainda agora estão a começar. Espere até começar a campanha eleitoral ... São uns verdadeiros FdP!!

    ResponderEliminar
  3. Ó Carlos, estou completamente de acordo com o que escreveu. Galinha dos ovos de ouro é alternadíssima p. que o p. Então algum turista se importa de pagar 1 (um) simples euro a mais para se vir embebedar nos bares de Lisboa onde a cerveja é 5 vezes mais barata do que nos bares da terra deles? É verdadeiramente "conversa de ir ao cú". Mas há ainda algumas coisas que discordo ou que não entendo como vai ser possível a equidade. Só se falaram em taxas aeroportuárias, isto é para passeiros de avião ou cruzeiro (ouvi esta manhã a entrevista do vice-presidente da CML à TSF). E quem entra de comboio ou de carro não vai usufruir também de Lisboa. E quando eu venho do estrangeiro por avião para a minha casa que é na margem sul, não vou usufruir de Lisboa (já pago IUC e portagens, ou transportes públicos para lhe poder aceder) também tenho de pagar mais esse euro? E quando um turista que entretanto pagou 1 euro pra entrar em Lisboa vem para um hotel em Almada ou passar férias na Costa da Caparica, a CML entrega esse euro de não usufruto à CMA? Acho que há muita coisa ainda mal explicada que depois dá aso a todas essa corja de demagogos para intervenções tipo a do PP. É melhor rapidamente esclarecer tudo isto e mais algumas coisas. Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Te aplaudo de pé, Carlos!

    Prepara-te, porém, que estes ataques despudorados ainda agora começaram,,,,porque a partir daqui será sempre esta campanha de ataque virulento.

    Espero é que os portugueses não esqueçam os roubos e as calúnias a que esta quadrilha de Passoso , Portas e Cavaco os têm sujeito!!

    Dorme bem, amigo

    ResponderEliminar
  5. Quem é que não estava à espera de algo semelhante, Carlos?
    É a vida...

    ResponderEliminar
  6. Apoiado , apoiado , só se deixa enganar quem quer , mas essa gente tudo lhe serve para "botar" prosa.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  7. «Quero dizer-lhe que não me impressiona absolutamente nada a taxa sobre as dormidas, aplicada aos turistas, porque estou habituado a pagá-la quando viajo».

    Lembrei-me do seguinte episódio passado comigo em Roma em Maio deste ano. Dormi 3 noites em Roma e no final da conta de hotel, vinha uma importância não especificada de 10€, perguntei na recepção qual a razão da mesma. O recepcionista com ar perfeitamente embaraçado, envergonhado até, disse que a importância era relativa à nova taxa turística exigida pelo município de Roma, porque provavelmente já teve reacções bem desagradáveis de outros turistas. De qualquer modo fiquei perfeitamente irritado com a dita taxa, mas engoli em seco, porque vendo bem a culpa também não era dele.

    «Considero da mais elementar justiça ( em Lisboa ou em qualquer parte do mundo) que sejam os turistas a pagar o preço da preservação do património da cidade e a sustentabilidade».

    Desculpe lá Carlos, mas aqui não concordo nada consigo. Parece-me que acima de tudo cabe, a nós que vivemos em Lisboa cuidar da preservação do património e da sustentabilidade da cidade. Mas é só a minha opinião.

    ResponderEliminar
  8. Concordo plenamente com o que diz. A principal habilidade do PP e camarilha é a calúnia. Por quem Deus nos manda falar! Mas atenção, há que ser cuidadoso, explicar-se tudo rigorosamente para não ferir mentes tão "sensíveis e maquiavélicas" UM

    ResponderEliminar
  9. Ibidem e grande chuto no dito dos sem assunto


    ResponderEliminar
  10. Aplaudo de pé e com palmas ! Belo artigo! Ainda me pergunto como é que o P.P. tem a lata de usar ditados"popularuchos" para ficarem no ouvido, ele q foge a sete pés daqueles q quer arregimentar. Estes "ecos" qual caixa de ressonância são facilmente repetidas nas conversas de café. Claro q procura audiência, se possível, onde não haja sentido crítico . Quanto a taxa de 1 euro, é ridícula a contestação. Só que não viaja, desconhece. Também, qualquer turista quer encontrar um pais ordenado, limpo, acolhedor e evoluído. Isso custa dinheiro e a contrapartida é valiosa para a sua manutenção.

    ResponderEliminar
  11. «Quanto a taxa de 1 euro, é ridícula a contestação»

    Não, não é. É como eu convidar alguém para minha casa e depois dizer: «agora pagas um euro pelo desgaste do tapete da sala, dos sofás e de tudo o resto».


    «Só quem não viaja, desconhece».

    Infelizmente fiquei a conhece-la há bem pouco tempo e até viajo bastante.

    «Também, qualquer turista quer encontrar um pais ordenado, limpo, acolhedor e evoluído. Isso custa dinheiro e a contrapartida é valiosa para a sua manutenção».

    Pois é, mas parece-me que a responsabilidade disso tudo é primeiramente, ou melhor, unicamente de quem vive no país.

    ResponderEliminar
  12. Subscrevo inteiramente o comentário de Graça Sampaio.

    ResponderEliminar