terça-feira, 11 de novembro de 2014

À atenção de Pires de Lima

Durante a rábula juliomatosiana de sexta feira, Pires de Lima garantia que o governo resistiu à aplicação de taxas e taxinhas.
Uma leitura do OE 2015 desmente o ministro das cervejas. Além de não resistir a novas taxas e taxinhas, o governo agravou algymas das já existentes. Talvez não seja uma lista exaustiva, mas para amostra não é má, pois não?

Aumento da taxa sobre os resgates dos PPR;
Criação da Fiscalidade Verde, um novo imposto com muitas potencialidades para assaltar os nossos bolsos;
Agravamento de 3% do imposto sobre o álcool e bebidas alcoólicas;
Alargamento dos produtos sobre que incide o Imposto sobre tabaco;
Criação do novo imposto sobre a generalidade das transações financeiras que tenham lugar em mercado secundário;
Aumento do imposto de Contribuição Extraordinária sobre o sector Bancário;
Criação do imposto de carbono sobre o consumo de combustíveis;
Criação da Taxa sobre os sacos de plástico;
Agravamento das taxas do Imposto Sobre os Veículos;
Aumento do IMI;
Aumento do IUC.

Convém ainda lembrar que todas estas taxas e taxinhas vão ao bolso dos portugueses, enquanto as que foram introduzidas em Lisboa, por António Costa, afectam essencialmente os turistas. Mas, sobre isso, escreverei mais tarde.

6 comentários:

  1. "À atenção de Pires de Lima". Convém que seja numa altura em que o homem esteja sóbrio.
    A criação da taxa sobre os sacos de plástico incomoda-me bastante. Lá terei que gastar mais uns 'cobres' quando comprar os saquinhos que me apetece enfiar na cabeça de cada governante, para depois dar um nó e asfixiá-los. Aos governantes, entenda-se.

    ResponderEliminar
  2. ~ ~ O bobo das cortes!!
    ~ ~ Ainda por cima, trapaceiro.
    ~ ~ Não se referiu a recibos e recibinhos!!

    ResponderEliminar
  3. «Convém ainda lembrar que todas estas taxas e taxinhas vão ao bolso dos portugueses, enquanto as que foram introduzidas em Lisboa, por António Costa, afectam essencialmente os turistas».

    Já escrevi que sou contra, mas volto a escrever para dizer o seguinte: Tenho familiares que vivem fora de Lisboa e que já viveram em Lisboa e assim quando visitam Lisboa, tem que levar com esta taxa injusta como se fossem turistas da Conchichina. É um autêntico golo na própria baliza. Dá vontade de perguntar: Mas afinal querem turistas ou não querem,?

    ResponderEliminar
  4. O "trotil" também afecta a memória, Carlos :)))

    ResponderEliminar