domingo, 30 de novembro de 2014

Fotos inéditas do discurso de Cavaco no Dubai

Enquanto Cavaco vendia Portugal no Dubai, Maria acompanhava o discurso exibindo fotografias...


O tipo da esquerda  é o homem que formava o pessoal dos aviões . Não havia gente para os pilotar, mas havia verbas do FSE, por isso formou costureiras. Também dão muito jeito  para coser as fardas dos comissários de bordo. Foram uns tempos bonitos em Portugal. Era um sacar vilanagem. Nesta fotografia estão todos a olhar para o ar, mas não estão a ver aviões, estão a ver se cai algum dinheiro do céu, para aliviar o orçamento.



Esta é uma das mulheres bonitas de que o Aníbal está a falar.  Ele gosta de  lhes comer as mãos porque, com aquela idade, tem de se contentar com o aperitivo, coitado! 
É a rainha de Espanha? Claro que é, mas ela é portuguesa . Nunca disse nada  aos espanhóis para não por em perigo a monarquia. Sou muito amiga dela. Às vezes vai passar o fim de semana a Portugal e antes de ir para a discoteca com um amigo ( eu não sei como é que o Felipe aceita aquilo, mas entre marido e mulher não metas a colher, como dizemos lá em Portugal eheheheh!)  vai tomar um chá comigo lá ao Palácio que o Aníbal alugou por 10 anos em leasing. Mas aquilo agora está a ficar velho e vamos viver para um convento. O que está a dar é o turismo religioso e nós estamos sempre em cima do acontecimento. Somos muito modernos, sabem?


O Aníbal  ainda  gosta de dar umas marteladas…na cabeça! Bem, mas isso agora não interessa nada, porque ele está a falar do nosso belo sol.


E nos belos dias de sol casais elegantes e charmosos  costumam passear à beira mar...

Portas pode estar descansado

A Capoeira foi considerada pela UNESCO Património Imaterial da Humanidade. Está garantida a preservação da galinha dos ovos de ouro.

Le premier bonheur du jour

Numa das estações de comboio mais bonitas do mundo, um espectáculo fantástico!
Tenham um bom domingo

sábado, 29 de novembro de 2014

Bibó Porto (27)

 Parece um museu, mas não é...


 É uma pastelaria escondida


 Onde a arte se associa à doçaria
Fica na Rua do Loureiro 52, bem no centro da cidade. Vale bem a pena uma visita à Pastelaria Serrana

Se um Cavaquinho incomoda muita gente...




Abriu ontem ao publico, no Mosteiro dos Jerónimos, a exposição "70 Cavaquinhos, 70 artistas" .
Iniciativa da Associação Cultural e Museu Cavaquinho, presidida por Júlio Pereira, esta exposição insere-se na promoção do Cavaquinho e será exibida ao público em vários municípios conotados com a personagem o instrumento.
Espero que os cavaquinhos não cresçam nem se multipliquem e que niguém tenha a ideia de propor o Cavaquinho a Património Imaterial da Humanidade.
O Cavaquinho de Belém já é suficientemente incómodo num país tão pequeno, dispensamos as reproduções, por muito embelezadas que sejam.
Agora a sério...
A exposição conta com a presença de alguns artistas consagrados, como Julião Sarmento e Júlio Pomar, entre os 70 artistas plásticos que aderiram a esta iniciativa de recriar a imagem do Cavaquinho.
Até 25 de Janeiro estará em exibição no Mosteiro dos Jerónimos e é uma boa proposta de fim de semana.



Oh, não!

Já é madrugada de sábado e ainda não tive notícia de nenhuma detenção. Será que a justiça deixou de funcionar depois de duas semanas de grande animação, ou o Estado já foi todo dentro e ninguém nos avisou?

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Les beaux esprits

Kadhaffi subsidiou, com generoso dote, a campanha de Sarkozy. Apoiu um candidato de direita e acabou  com uma bala na mona e a turba a cuspir no seu cadáver.
Em 2015, um banco russo vai financiar a campanha de Marine Le Pen. Não sei como isto vai acabar, mas tenho algumas suspeitas.
Les beaux esprits...

Paciência de chinês

Quando os protestos começaram, pensei que a paciência  não durasse tanto. A conjuntura internacional, porém,ajudou e as manifestações foram-se prolongando. Agora, que o assunto praticamente deixou de ser notícia, os líderes dos protestos foram presos pela polícia. 

Thanks, God! It's (black) Friday



A Black Friday assinala, nos EUA, o início da época de saldos de Natal. Todos os anos, milhares de pessoas formam longas filas à porta dos estabelecimentos das grandes marcas, com o objectivo de comprar presentes de Natal a preços reduzidos. Já tive oportunidade de assistir “in loco” à loucura da Black Friday- assinalada no dia imediato ao Thanksgiving- e fazer uma reportagem onde descrevia o estado de insanidade que se apodera dos americanos, horas depois de celebrarem o dia da “Acção de Graças”. 
Há meia dúzia de anos  um funcionário da Wal-Mart, foi espezinhado e morto por uma multidão sedenta de entrar naquele estabelecimento, à procura de pechinchas com que pudesse brindar os seus rebentos, familiares e amigos, na noite de Natal.
Embora muitos se tenham apercebido da brutalidade, continuaram a fazer as suas compras sem constrangimentos, regressando a casa a abarrotar de embrulhos com brinquedos tão lúdicos como o Robot Man, tanques disparando balas de plástico, soldados robots aniquilando iraquianos ou uma simples Barbie trajada de “pop-star”.
No dia de Natal, este energúmenos observarão, com enlevo, a alegria dos seus rebentos a desembrulhar os presentes que pediram ao Pai Natal. Nem por um momento lhes passará pela cabeça que, no mesmo momento, uma família enlutada estará a chorar a morte de um ente querido, espezinhado por uma turba de loucos.
Dir-me-ão que o sucedido nos arrabaldes de Nova Iorque poderia ter acontecido noutra cidade qualquer, de um outro qualquer país. Concedo. Lembro, no entanto, que os americanos passam por ser, aos olhos do mundo, um modelo de sociedade evoluída, pelo que exemplos destes podem ser interpretados como uma situação normal em sociedades menos desenvolvidas. Como a nossa, por exemplo, onde há já muitos estabelecimentos comerciais a assinalar a Black Friday com promoções especiais. 
É obviamente um despropósito, fomentado pela sociedade de consumo que procura reabilitar-se da crise que a deixou à beira do estertor. Muitos considerarão que é um sinal positivo da reanimação do consumo e da economia. 
Pessoalmente, penso que é este o espírito de Natal da sociedade da hiperescolha. Mesmo em tempos de crise, é preciso criar nas pessoas a ideia de que podem atingir a felicidade  consumindo desenfreadamente. A realidade, porém,  é radicalmente diferente. À medida que nos afogamos no prazer de consumir, vamo-nos sentindo mais infelizes.
Em tempo: este ano, Cavaco Silva foi o embaixador de Portugal na promoção da  Black Friday lusa. Foi até ao Dubai vender sol, cavalos, aviões e gajas boas, a preço de saldo.

Anda comigo ver os aviões

E depois vamos ver  gajas  boas e  cavalos
E então as vaquinhas dos Açores, sr. Presidente?

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Vamos contar mentiras

A RTP produziu e João Adelino Faria encenou o remake da peça  de Alfonso Paso "Vamos Contar Mentiras".
Não sei se terá sido boa ideia contratar Pedro Passos Coelho para desempenhar o papel de Florbela Queiroz ( creio que o Paulo Portas estaria mais à vontade), mas há que reconhecer a capacidade do pm em conferir realismo às constantes aldrabices, num brilhante paralelismo com as mentiras de Florbela na versão original.Especialmente engenhoso esteve quando explicou o aumento do número de desempregados em Outubro.
Não sei se no final Faria e Passos cantaram o Perompompero  da versão de Alfonso Paso mas acredito que, ao regressar a casa, Passos tivesse ficado surpreendido porque a Laura estava  a ouvir o "Que Parva que eu Fui". E terá sido nessa altura que, num improviso genial, telefonou ao pai e adaptou a rábula de Florbela no final de cada telefonema para a mãezinha: 
"Ai paizinho, sou tão infeliz!"

Em tempo: a confiança revelada hoje por PPC, durante a entrevista, não se deve apenas ao facto de o encenador ser uma m.... Tivesse esta entrevista sido feita na semana passada e a postura de PPC seria muito mais tensa.

Vinho a martelo

Uma proposta de lei subscrita por todos os partidos, à excepção do BE, vai obrigar TODOS os postos de abastecimento, a venderem  combustíveis low cost.
Pensava eu, na minha ingenuidade, que este governo era liberal e promovia a livre concorrência, mas o embuste da  Fiscalidade Verde tem razões que o senso comum desconhece. 
Como me enganei, admito que muito em breve o Pires do Lima faça aprovar uma lei que obrigue todos os restaurantes a vender vinho a martelo e os bares e estabelecimentos de diversão nocturna, a recuperarem o whisky de Sacavém.
Medidas que visam defender as classes desfavorecidas, claro.

Ponto final

Começo a ficar um bocado cansado das notícias e do chorrilho de comentadores que desaguam em todas as televisões a opinar sobre a detenção de Sócrates. Nada acrescentam àquilo que me parece essencial. 
Há um princípio que eu pensava ser sagrado na Justiça - in dubio pro reo - que tudo indica não ter sido respeitado ( a esse propósito recomendo a leitura desta entrevista do presidente da Transparência e Integridade).
No caso de Sócrates avoluma-se a ideia de que a justiça agiu em sentido inverso e, na dúvida, decretou a sua prisão. Como terá acontecido, aliás, com os detidos do caso dos vistos gold.
É esta inversão que me preocupa. 
Nestes dois últimos casos que a justiça achou por bem mediatizar, muito provavelmente para se sentir mais confortável com as decisões que decidiu tomar,  fica a sensação que a privação da liberdade dos detidos não foi a solução mais sensata, mas sim aquela que permitiria à justiça recuperar alguma da credibilidade perdida nos últimos anos. Acusar uma pessoa de corrupção, prendê-la preventivamente e só depois ir à procura dos corruptores, é mais próprio de uma ditadura afro- latino americana, do que de um país europeu.
Se Sócrates e os outros detidos no caso vistos gold forem culpados, devem ser condenados mas, privar  cidadãos da liberdade com base em suspeitas, parece-me extremamente grave num regime democrático. Principalmente quando os detidos são, ou foram, altas figuras de Estado, isso coloca em causa o próprio Estado e o regime.
Passar de um arremedo de democracia, para um regime justicialista, seria o pior que nos poderia acontecer.
 É isso que está em causa e, parafraseando o senhor Aníbal,ponto final!

Mais vale tarde que nunca?

Três anos e nove orçamentos depois, os deputados do PSD  Madeira  descobriram que foram eleitos para representar os interesses dos madeirenses. 

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Para memória futura

Presumo que todos aqueles que criticam Soares, por ter ido visitar Sócrates à prisão, nunca farão o mesmo  se um amigo estiver na mesma situação.
Não me espanto. Apenas registo.

Timings

Acabei  de escrever um post sobre a visita de Mário Soares a Sócrates  mas, quando ia publicá-lo, olhei para o relógio e perguntei-me se seria boa ideia  publicar um post à hora em que o Benfica está a jogar em S. Petersburgo e muitos leitores do CR vão a  caminho do Palácio da Independência para assistir ao lançamento  do livro do Henrique Antunes Ferreira.
Ponderados os prós e contras, decidi adiar a sua publicação para depois das 19 horas.
É óbvio que a minha decisão não tem nada a ver com os argumentos que invoquei, mas serve para esclarecer quem ainda não percebeu, que os timings de alguma comunicação social estão muitas vezes ao lado dos timings da justiça. 
Abrir inquéritos sobre fugas de informação para a comunicação social, depois de elas terem provocado danos irreparáveis em alguém, é o mesmo que um  tipo querer fazer um seguro contra incêndio, depois de ter estado a ver a casa arder, sem ter chamado os bombeiros.
Já sou crescidinho e não acredito em Histórias da Carochinha. Mesmo quando  os protagonistas vestem a pele de agentes da justiça e jornalistas, para ameaçar os leitores com o homem do saco. 

À atenção do senhor ministro da Instrução

Três trabalhadores da câmara municipal da Póvoa de Varzim encontraram num contentor um envelope com 4 400€, enquanto procediam à recolha do lixo.
Pegaram no envelope e entregaram-no à sua superior hierárquica, que procedeu às diligências necessárias para devolver o dinheiro ao seu proprietário. Dias depois  a câmara homenageou os trabalhadores pela sua atitude. Esteve presente um canal de televisão para registar o momento.
Um funcionário do Banco de Portugal  encontrou a sua conta recheada com uns inesperados milhares de euros. Repartiu-os com a filha e tornou-se Presidente da República com a ajuda dos portugueses e do Espírito Santo. Toda a comunicação social deu grande relevo ao facto
Os trabalhadores da limpeza têm a quarta classe. O funcionário do Banco de Portugal é licenciado em Economia e tem cursos a dar com um pau em prestigiadas universidades inglesas.
Moral da História:  não é a instrução que faz um homem honrado,ou lhe molda o carácter.Assim sendo, o ministro Crato pode continuar a desmantelar a escola pública, porque não serve para nada.

Sempre a inovar

A UEFA costuma ter mão pesada com os clubes cujos adeptos têm comportamentos racistas durante os jogos. Desde derrotas na secretaria, a jogos à porta fechada, já se viu de tudo. Terá sido essa a razão que levou Platini a inovar no castigo  aplicado ao Bate Barisov, obrigando a encerrar apenas parte das bancadas no jogo da Liga dos Campeões de ontem? Ou será  porque o clube bielorusso recebeu uma equipa portuguesa  e Platini considera que insultos a jogadores de equipas portuguesas não são  merecedores de respeito idêntico ao dos dirigidos às equipas do norte da Europa?
A propósito: 
O FC do Porto venceu o Bate Borisov (3-0) e assegurou o primeiro lugar do grupo.
O Sportng, depois da vitória sobe o Maribor (3-1) subiu ao segundo lugar e tem grandes possibilidades de também seguir em frente.
Se hoje o Benfica vencer o Zenit, também fica com boas hipóteses de passar aos 1/8 de final. 
Era bonito ( e creio que inédito) termos 3 equipas portuguesas nos 1/8 de final!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pela eliminação da violência




Assinala-se hoje o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres. 
Ontem, o presidente da Turquia, antecipava as comemorações  discursando numa assembleia de mulheres  (Women and Justice) afirmou que prefere a equivalência à igualdade de géneros. Na opinião de Erdogan “Não se pode colocar homens e mulheres em pé de igualdade. É contranatura. Eles foram criados de forma diferente. A sua natureza é diferente”. 
Não se indignem já, por favor. Por cá,  também temos exemplos dignos de registo. Como o deputado Mendes Bota que em 2010 dizia que quando um homem bate numa mulher a culpa é da crise. Ou o daquele juiz que  considerou que bater numa mulher na medida certa não é crime  e ainda aquele outro, envolvendo uma turista de férias no Algarve,  que se queixava de assédio e tentativa de violação e ouviu o juiz insinuar que, pela maneira como ia vestida, “estava a pedi-las”.
Momentos dignificantes, que me pareceu oportuno recordar neste dia.  Como igualmente importar lembrar que desde 2004 ( data em que começou a haver registos) já morreram em Portugal 398 mulheres vítimas de violência doméstica. 
Se não há campanhas de sensibilização, nem leis, que combatam este flagelo, talvez valha a pena experimentar esta velha receita promovida pela publicidade de antanho. 

Muro de Berlim à portuguesa

Para quem ainda não olhou para o calendário, lembro que hoje é 25 de Novembro. Para uns é uma data que assinala o fim do 25 de Abril, para outros o dia que marca o início da democracia.
Não vou aqui relembrar a minha opinião sobre  esse dia.  Lembro, apenas, que o 25 de Novembro continua a dividir profundamente os portugueses. 
Este ano, dois acontecimentos acentuaram essa clivagem: a prisão de Sócrates e a aprovação do OE 2015.
Em relação ao primeiro há os que rejubilam com a decisão do juiz que determinou a prisão preventiva e os que  consideram a decisão infame. Pelo que constaei através das redes sociais, não é a ideologia que divide as opiniões dos portugueses. É a  consciência cidadã. Ninguém gostaria de ver um familiar  ou amigo preso, sem conhecer as razões que o fundamentam. Só que alguns lembram-se disso neste momento e outros, cegos de vingança, esquecem-no. Um padrão comum os une, porém: desconhecendo os fundamentos que sustentam a prisão de José Sócrates, ninguém pode fazer juízos de valor sobre a decisão do juiz, A falta de informação foi, por isso, determinante para extremar posições. Como aconteceu no dia 25 de Novembro de 1975.
Quanto ao OE hoje aprovado na AR, as divergências entre os portugueses são essencialmente de carácter ideológico. Essencialmente, há divergências sobre a receita a adoptar para recuperar a economia, combater o desemprego e diminuir as desigualdades. 
São divergências que nunca se diluirão na sociedade portuguesa e nos separam de forma inequívoca desde 25 de Novembro de 1975. Trinta e nove anos depois, a maioria que nos governa fez questão de o lembrar, com a aprovação deste OE. Inadvertidamente, a Justiça  também deu o seu contributo.
Não tenho dúvidas que se tratou de mera coincidência mas, como sou um bocadinho supersticioso, tenho estado o dia inteiro a pensar que o 25 de Novembro é a data simbólica que assinala a conflitualidade entre portugueses. 

Em tempo: Hoje assinala-se o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres mas, sobre isso, escreverei mais tarde.

O azar de Sócrates

Não tenho a veleidade, nem a presunção, de me pronunciar sobre a decisão do juiz Carlos Alexandre. Lamento, porém, que não tenham sido divulgados os fundamentos para aplicação da pena de coação mais grave prevista no Código Penal. Algo muito grave terão feito Sócrates e o seu motorista para ficarem sujeitos a pena de prisão preventiva. O que eu desejava era não conhecer esses fundamentos através da comunicação social - que não me merece qualquer crédito - mas sim através da Justiça que tinha o dever de os divulgar.
Devo dizer que, apesar de tudo, não me surpreendeu minimamente a decisão do juiz. Desde o momento em que foi permitida a filmagem da detenção de Sócrates e a Justiça favoreceu a mediatização do caso, pelo silêncio face às notícias veiculadas pela comunicação social, esta era a decisão mais provável.
Todos nos lembramos da forma como foram tratados os casos Casa Pia e Maddie. Não há duas sem três. Sócrates já está condenado pela opinião pública e, como aconteceu no processo Casa Pia, será difícil encontrar um juiz capaz de o ilibar. 
O azar de Sócrates é não ser banqueiro. Nesse caso, estaria agora em liberdade, porque os banqueiros têm sempre direito à presunção de inocência, mesmo quando condenados pela vox populi.



Muito mal vai a democracia...

... quando a Justiça aplica a três cidadãos medidas de prevenção preventiva e não divulga os fundamentos dessa decisão.
Era bom que aqueles que estão a abrir garrafas de champagne, celebrando a prisão de Sócrates, meditassem um bocadinho sobre o assunto.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Cavaco, o Puro





Ontem, num discurso aos pastorinhos em Vila Real, Pedro Passos Coelho fez questão de salientar que os políticos não são todos iguais. O líder do PSD, circunstancialmente pm, está cheio de razão. Os políticos dividem-se em castas,  formando uma pirâmide em cuja base se encontram os empreendedores.
Pertencem a este tipo os políticos que criam empresas com amigos para desempenhar uma qualquer actividade, que nunca chegam a exercer. Quando alguma suspeita recai sobre essas empresas, os políticos empreendedores abrem a boca de espanto, porque não sabiam que as empresas que tinham criado ainda estavam a funcionar. O político empreendedor raras vezes vai além de ministro, ou presidente de partido.
Seguem-se os políticos “pica no chão”. São pés rapados que se especializaram no aproveitamento de verbas comunitárias.  Inventam cursos para profissionais que não existem, como pessoal ligado à aeronáutica, para receberem verbas do Fundo Social Europeu. Com sorte e o apoio de especialistas na área da jardinagem, podem chegar a primeiros-ministros.
Temos, na parte superior da pirâmide, os políticos topo de gama. Têm a mania das grandezas e acabam acusados de lavagem de dinheiro. Só no momento em que se equiparam a Al Capone  ou Alves dos Reis se sentem realizados.Também chegam a pm, passando entre os pingos de chuva. Tal como Al Capone, são muito populares na comunicação social que propagandeia todo o tipo de acusações existentes no cardápio, para os incriminar. Um dia, acabam por ser descobertos, por não terem pago os impostos da lavandaria.
No topo da pirâmide temos os políticos puros. Em Portugal, infelizmente, só temos um: Aníbal Cavaco Silva.
O PR não é apenas uma pessoa de uma honestidade à prova de bala. Ele pratica o bem e esforça-se por desviar dos maus caminhos alguns vigaristas, convidando-os para o seu governo no intuito de os regenerar. Oliveira e Costa e Dias Loureiro são apenas dois exemplos de um vasto conjunto de pessoas que Cavaco tentou regenerar sem sucesso. Alguns, como Oliveira e Costa, ficaram-lhe eternamente gratos pela tentativa e, como reconhecimento, ofereceram-lhe umas acções do seu prestigiado banco que, pasme-se!, acabou por ir à falência, mas não sem que antes, Cavaco Silva tenha sido generosamente compensado.
Ergamos pois a este Deus da Pureza um santuário e veneremo-lo em profundo  recolhimento, agradecendo-lhe os altos serviços prestados ao país na tentativa de regenerar vigaristas. Mesmo sem sucesso nessa tarefa, Cavaco fez milagres. Um dia,certamente, todos ficaremos a saber quais foram. Se formos crentes e acreditarmos nos cheques do Espírito Santo.

Não digam que não avisei (3)

Quem quiser dar um abraço ao Henrique, está convidado!

Qual é a pressa?

Como alguns leitores fizeram questão de escrever na caixa de comentários de um post anterior, o mais importante é saber se Sócrates sairá desta inquirição acusado, ou ilibado. É à justiça que compete decidir.
Há no entanto, neste momento, uma questão que me parece igualmente importante e não se cinge a este processo. É urgente termos a garantia de que as absolvições, ou condenações, se façam na justiça e não nos media. 
O que se tem passado, nestes dois casos mediáticos é uma mediatização indesejável de situações que envolvem e colocam em causa a dignidade e idoneidade do Estado. Só por isso, deveria ter havido, em ambas as situações, mais tino e mais prudência em todo o processo. Mas vamos aos factos:
Na semana passada, durante a inquirição dos vistos gold, os arguidos estiveram detidos durante quatro dias antes de saberem as medidas de coacção que lhe seriam aplicadas. Para todo os efeitos, estiveram 96 horas em prisão preventiva. Eu sei que é legal, mas não me parece razoável.
Mas se na semana passada, ainda pode ser invocado o facto de terem sido ouvidos 11 arguidos, esta semana só havia quatro detidos dois dos quais, segundo afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, já foram ouvidos na quinta-feira, é mais difícil de compreender que os arguidos continuem detidos ao fim de 48/72 horas.
Haverá, certamente, razões muito fortes para que isso aconteça, mas estas detenções demasiado prolongadas não prestigiam a justiça portuguesa. Algo tem de mudar urgentemente, para evitar que casos destes se repitam e os interrogatórios sejam mais céleres.
No caso de Ricardo Salgado, por exemplo, apesar de a  forma como foi efectuada a detenção ter tido contornos vergonhosos, a decisão foi célere.
No caso dos vistos gold e neste caso envolvendo José Sócrates, estão em causa altas figuras do Estado e um ex-pm. É natural que a opinião pública fique mais expectante e mais dividida, dando azo a que se exacerbem e extremem posições.
Também por isso, seria expectável e desejável que a justiça fosse mais célere. E , por agora, mais não digo, embora haja ainda muito para dizer.

Já que não há pão, dêem-lhes circo!

Gosto de circo, sei que estamos perto do Natal e é normal as companhias de circo aproveitarem a época para levar a sua arte aos mais distantes pontos do país. Ver, na última semana, a justiça transformado num circo permanente é, porém, algo que não me agrada.
Quando era miúdo, tinha medo dos palhaços. Agora, tenho medo de dos que parecem apostados em transformar a justiça numa arena onde se desencadeiam lutas na lama.
Alguém tem de pôr cobro a isto mas é difícil, quando esse parece ser o desporto favorito da ministra da Justiça, a comunicação social está apostada em servir-lhe o espectáculo à borla e os agentes da justiça se mostram cooperativos.

domingo, 23 de novembro de 2014

Momento Zen

A Convenção do Bloco terminou sem se saber quem vai ser o futuro líder. João Semedo garante que o partido (literalmente dividido ao meio) saiu mais unido.
Não sei qual vai ser a argamassa que irá usar para colar  os cacos, mas se ele acredita que a divisão é um sinal de união, tudo bem... na próxima semana, durante a Mesa Nacional,  estaremos cá para ver.  

Ligações perigosas




Soube da detenção de José Sócrates quando cheguei a casa ao início madrugada de sábado. Liguei o televisor para ver o "Governo Sombra" e  fui surpreendido  com a notícia.
A minha primeira reacção, enquanto via as imagens do aeroporto, foi escrever no Facebook este comentário: 
Não há coincidências? Há há... No momento em que Sócrates foi detido, estavam na Portela duas estações de televisão. E logo na porta por onde Sócrates saiu!
Ontem, não pude ver notícias durante todo o dia mas, quando cheguei a casa,  vi o Eixo do Mal e fiquei ainda com mais dúvidas sobre estas ligações espúrias e perigosas entre a comunicação social e a justiça.
Aparentemente, há os que inventam notícias sobre o caso, os que vão a reboque das notícias dos outros e os que manifestamente dão notícias com base em informações recolhidas junto de fontes que violam , com toda a impunidade, o segredo de justiça, providenciando fugas para os órgãos de comunicação que generosamente lhes pagam a informação, sem cuidarem de saber se são verdadeiras ou falsas.
Hoje, um dos pasquins que fabrica noticias entre lençóis, fez uma edição especial, Na capa, a letras garrafais, escrevia:
"TODA A VERDADE"
Sinceramente, não consigo perceber como é que um jornal consegue fazer uma edição especial e garantir aos leitores  "Toda a Verdade", sobre um assunto que, alegadamente, está em segredo de justiça.  
Faço rewind, regresso à madrugada de sexta-feira e percebo um bocadinho melhor. A detenção de um ex-pm , na manga de um avião, quando regressava de Paris, a ser televisionada em diferido é segredo de justiça.
Só não seria se a detenção fosse filmada em directo e as imagens emitidas em tempo real.
Esta relação conspícua entre justiça e comunicação social é mais uma pedra sobre o túmulo da democracia portuguesa. O importante, agora, era saber quem são os coveiros

Le premier bonheur du jour

Esta semana deixo-vos na companhia de 13 admiráveis patifezinhos.
Tenham um excelente domingo!

sábado, 22 de novembro de 2014

Sinta-se seguro

Esta sugestão chegou-me dos EUA, mas pode ser aplicada em qualquer pais ocidental. 
Sinta-se seguro em sua casa, como eu. 
Como o consegui:
1º - Retirei o sistema de alarme que tinha na minha moradia e cancelei a minha adesão na Milícia de Vigilância entre Vizinhos;
2º - Coloquei as seguintes três bandeiras no jardim, à frente da casa, em postes de 5 metros de altura: no canto direito, a bandeira da Síria; no canto esquerdo, a bandeira do Paquistão; e bem ao centro, a bandeira preta do Estado Islâmico.
Resultado: A PSP, a GNR, o SIS, os Bombeiros, a EUROPOL, a INTERPOL, a NATO, e várias agências de espionagem anti-terroristas internacionais, têm a minha casa sob vigilância 24 horas por dia, 7 dias por semana!
Nunca me senti tão seguro na vida! Até o MNE, o Rui Machete, foi visto a espreitar da esquina, a fingir que estava a falar com o Xanana...

Bibó Porto (26)



O mercado do Bolhão não é só fachada...

Não digam que não avisei (2)






Já se percebeu que este governo não é especialista em xadrez. Confundem rainhas com bispos, reis com peões, torres com cavalos e não sabem que o jogo acaba quando um dos jogadores dá xeque mate ao adversário. Pensam que o objectivo  do jogo é andar a passear as peças pelo tabuleiro e ver se encaixam umas nas outras.
Não espanta, por isso, que depois de nomear um jornalista para dirigente de uma sociedade financeira, tenha nomeado uma especialista em recursos humanos para dirigir a LUSA.
Um dia destes ainda escolhem Katia Guerreiro, a fadista do cavaquismo, para dirigir a  coudelaria de Alter.

Se eu fosse o Portas

Já se percebeu que os vistos gold são uma chulice, para sacar dinheiro a cidadãos estrangeiros.
Os chineses , ao que parece, só perceberam agora. Palpita-me que não vão gostar.  Se eu fosse o Portas, não estava tranquilo...

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Oh, happy days!




O Happy Planet Index  pegou no mapa mundo e pintou os países de acordo com o índice de felicidade que proporcionam aos seus cidadãos. O resultado é o que está na imagem.
Sem surpresas, ficamos a saber que Portugal não proporciona grande felicidade  a quem cá vive e que a América Latina é a região do globo onde  se encontra  a maioria dos países cujos habitantes vivem felizes.
Percebem agora, porque sempre estive certo quando defendia que, apesar da crise, a Argentina é o meu país de eleição para viver?
A Argentina não é só Buenos Aires e há muita vida para além do tango!
Para mais informações sobre a interpretação do mapa, leia aqui

Exercício para o fim de semana: resolver equações à esquerda

A convenção do BE irá marcar a agenda políticia deste fim de semana. Uma vitória da tendência UDP, liderada por Luís Fazenda e Pedro Filipe Soares, será a última brecha no BE que conduzirá à sua  definitiva implosão.
Quando foi criado, em 1999, o BE  constituiu um sinal de esperança no eleitorado de esquerda. O crescimento dos anos seguintes cimentou a ideia de que o BE era o partido que a esquerda desejava para evitar alianças do PS com a direita. Em 2009, o BE atingia uma votação histórica e parecia embalado para se transformar no quarto partido português, quiçá com aspirações a ser um partido de charneira que contribuísse para obrigar o PS  a governar à esquerda. 
Só que, a partir daí, começaram a ser mais visíveis as divisões dentro do Bloco, que passou a ser uma amálgama de pequenos grupos onde as diferenças ideológicas se manifestaram.  O apoio do BE a Manuel  Alegre foi considerado um erro pelos  mais radicais que, meses depois, obrigaram o BE a corrigir esse pretenso erro com outro ainda pior: apresentar uma moção de censura ao governo PS e aliar-se à direita para o derrubar. 
Muitos eleitores do PS situados mais à esquerda e que terão mesmo votado no BE em 2009, contribuindo assim para o seu crescimento eleitoral, não perdoaram essa “traição”. Internamente, o BE perdeu ( por razões diversas)  os seus elementos mais carismáticos ( Louça, Miguel Portas e Daniel Oliveira) em grande parte responsáveis pela unidade do Bloco.
A liderança bicéfala (João Semedo/Catarina Martins) também nunca foi bem vista por  algumas tendências, gerando fricções internas difíceis de sanar. O BE começou a perder expressão eleitoral e apoio nas ruas. O movimento Que se Lixe a Troika  conseguiu promover algumas das maiores manifestações das últimas décadas, mas o BE não conseguiu capitalizar o descontentamento popular, parecendo aceitar esse falhanço com o mesmo  conformismo com que a sociedade portuguesa acabou por acatar a austeridade.
A saída de Rui Tavares e Ana Drago foram a mais recente machadada no BE, tendo a tendência UDP encontrado aí a força para afrontar a actual liderança do BE e tomar as rédeas do partido.
O equilíbrio de forças  não permite vaticinar vencedores mas, se  a tendência UDP sair vencedora, começar-se-á a assistir à ultima fase na vida do BE já amanhã. Poderá ser uma boa notícia para o LIVRE de Rui Tavares( agora reforçado com a Renovação Comunista e o Forum Manifesto, onde despontam como figuras de maior destaque Ana Drago e Daniel Oliveira) que irá certamente buscar os votos de alguns descontentes do Bloco. Também poderá ser uma boa notícia para António Costa e todos aqueles que dentro do PS querem um entendimento com a esquerda. 
Não sei é se será uma boa notícia para a esquerda e para o país. É que em 2015, dificilmente o LIVRE conseguirá ter uma expressão eleitoral que lhe dê força para colocar exigências ao PS. Desaparecido o BE e engolido o LIVRE ( ou diluído numa tendência de esquerda dentro do  PS), a esquerda deixará de estar representada por um partido com expressão eleitoral que lhe permita obrigar o PS a fazer as mudanças, claramente de esquerda, de que o país necessita. 
Adenda: Este fds servirá também para aquilatar se os militantes do PS continuam empolgados com a vitória de António Costa, ou começam a esmorecer. A afluência às urnas será um bom indicador.

Querida, mudei de distribuidor!






A recusa da GALP e da REN em pagarem uma taxa de 0,85% sobre o valor dos seus activos regulados não é apenas uma ofensa aos contribuintes trabalhadores, obrigados pelo governo a pagar uma sobretaxa de 3,5% sobre os seus cada vez mais reduzidos salários. É também-  direi mesmo acima de tudo- uma hipocrisia.
Ambas as empresas publicam anualmente realtórios de responsabilidade social, onde afirmam o seu compromisso com a sociedade. Mas qual compromisso? Recusarem-se a pagar impostos que os seus trabalhadores ( ah, desculpem, colaboradores!) são obrigados a pagar?
Face a esta hipocrisia tomei uma decisão:
- A partir de hoje não absteço mais o automóvel na  GALP e, no início do mês, mudarei de distribuidor de gás. GALP, jamé! ( como não consumo gás de bilha (botija), não ficarei privado de receber a visita da simpática jovem da foto.
Quanto à REN, nada posso fazer. Apenas manifestar a minha revolta escrevendo cartas e emails em que lhes chamo aldrabões, por propagandearem uma responsabilidade social que não cumprem,  e apelar aos leitores que façam o mesmo. 

Late night wander (107)

Quando o administrador de um hospital pergunta a um médico o que é mais barato ( amputar uma perna ou colocar uma prótese), nos concursos do SNS se pergunta a uma médica se pretende engravidar e  faltam medicamentos para tratar  várias doenças, entre as quais o cancro da bexiga, estamos conversados.
Mas hoje, também ficamos a saber que há muitas mortes evitáveis em Portugal. Lisboa, Porto e o sul do país lideram 

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Como manipular a informação em 10 palavras ( ou a evocação de Miguel Relvas)




Quando Miguel Relvas chegou ao governo, uma das primeiras decisões que tomou em relação à RTP, foi proibi-la de concorrer à transmissão dos jogos da liga dos Campeões, cujos direitos então detinha.
A TVI concorreu sozinha, garantindo sem opositor os direitos de transmissão durante três anos, pelos quais pagou 4 milhões de euros.
Nessa altura ninguém acusou o governo de distorcer as regras do mercado, mas eu continuo até hoje sem perceber quais as razões que impedem um canal público de televisão de concorrer em iguais circunstâncias com os concorrentes privados. ( Se é pelo argumento de que são os contribuintes a pagar, esqueçam: essa é a maior mentira da direita, que desmontarei num próximo post).
Três anos depois a RTP, liberta da canga de Relvas, concorreu novamente e, de acordo com as notícias veiculadas pela comunicação social, terá ganho o concurso, batendo a oferta da TVI.
Helena Forjaz, directora de comunicação da Media Capital, foi a porta voz da indignação da estação de Queluz.   “ Números são absurdos, sendo 40% superiores aos oferecidos pela TVI”. ( 10 palavrinhas apenas)
A imprensa económica  ( nomeadamente o Jornal de Negócios) saiu em defesa da TVI, adiantando que a RTP terá ganho o concurso, com uma oferta de 18 milhões de euros.
Este valor tem sido repetido à exaustão pela comunicação social que, em concubinato com alguma blogosfera situacionista e comentadores encartados, realça o facto de serem os contribuintes a pagar este “desvario” da RTP. 
Basta fazer contas, para se perceber que o número avançado pelo Jornal de Negócios (JN) não corresponde à realidade. Se o valor oferecido pela RTP foi 40% superior à oferta da TVI( 4 milhões), quer dizer que a televisão pública  ofereceu pouco mais de 5,5 milhões.
Tendo como correcta a informação prestada por Helena Forjaz ao “Público”, o JN está a mentir quando fala de uma oferta de 18 milhões da RTP. O seu objectivo é intoxicar a opinião pública e obter apoios na campanha contra a RTP.
Acresce, ainda, que de acordo com a informação até agora conhecida, a RTP irá transmitir 16 jogos em canal aberto, enquanto a TVI tem transmitido apenas 13. A transmissão de mais três jogos por época justifica, por si só, um aumento do custo dos direitos de transmissão a pagar pelo canal que vencer o concurso.
A notícia, porém, não acaba aqui. Merecerá um outro post ( a propósito do argumento de que são os contribuintes a pagar as transmissões, se for a RTP a vencer o concurso)quando a UEFA anunciar qual foi o canal que garantiu a transmissão dos jogos  da Liga dos Campeões em canal aberto.
Por agora, deixo apenas um registo: como se percebeu, é muito fácil desinformar as pessoas, manipulando números. Se isto acontece no desporto, imaginem só como somos manipulados quando se trata de notícias sobre política, economia, ou finanças.

A mensagem da minoria silenciosa ( à atenção de António Costa)

Eu já vi isto em qualquer lado e sei ao que nos conduziu: desemprego, aumento de impostos, falências, caos económico, emigração forçada.
Ao aliar-se  mais uma vez à direita, o PCP  condena a escandalosa taxa de 1€ a pagar pelos turistas que visitam Lisboa e parece preferir que sejam os lisboetas a pagar mais IMI e IRS, para garantir a sustentabilidade da cidade.
António Costa já sabe o que o espera se for PM em 2015, mas os portugueses mereciam um PCP mais consciente e responsável, que  se preocupasse com os problemas de quem cá vive e não em fazer política demagógica rasteirinha. É uma pena que tenham perdido a memória sobre a liberdade de circulação das pessoas, nos países do Leste Europeu.
Esteja onde estiver, Álvaro Cunhal não aprovaria uma política tão mesquinha. 
Se é verdade que a direita está assustada com António Costa, o PCP não está menos e nós já sabemos o que isso significa, se o PS não vencer as eleições com maioria absoluta em 2015. 

Só uma pedra ficou indiferente

Vasco Palmeirim teve  a ideia e a Rádio Comercial concretizou-a. No dia em que Carlos do Carmo recebeu o Grammy,  convidou 35 personalidades do mundo da música e cada uma cantou um verso de "Lisboa Menina e Moça" em vários pontos da cidade.
Até as pedras da rua se emocionaram quando o Carlos recebeu o Grammy. Excepto uma, em Belém. Não conseguiu ouvir, porque estava tapada por uma poia coberta de moscas.

Azar de chinês

O empresário chinês  Chan Ba Li Ang  candidata-se a receber o prémio do mais azarado, nesta cena dos vistos gold.
Pagou 500 mil euros para ter um visto gold e agora, além de estar proibido de sair de Portugal, vai ter de pagar mais 500 mil euros de caução como garantia de que não sai mesmo!
Digam lá se isto não é o cúmulo do azar!

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

O PS é gastador e incompetente

Mais uma notícia que demonstra bem como os socialistas, quando chegam ao poder. fazem a política de direita ( o resto do discurso  esqueci-me mas vou ali ler o Avante!) ou, como garante a direita,  são despesistas e incompetentes que delapidam as contas públicas.
"Programa Escolhas, criado pelo governo Guterres, distinguido com prémio internacional, como exemplo de eficiência de políticas públicas"

Um ataque despudorado à igualdade de género?

Com o alto patrocínio da ONU assinala-se hoje, pela primeira vez,o Dia Global do Empreendedorismo Feminino.
Eu pensava que um dia assim, exclusivamente feminino, seria um retrocesso e não um sucesso, mas elas lá sabem...

O que é que a Teresinha tem?



( Este post deve ser lido ao som de "O que é que a baiana tem")

Começou por fazer uma reforma na justiça que parou os tribunais durante 44 dias e prejudicou milhares de portugueses;
Para salvar a pele difamou dois funcionários, acusando-os de terem feito sabotagem e despediu-os. A PGR concluiu que a acusação era infundada, arquivou o processo e PTC manteve-se à frente do ministério;
Quando António Figueiredo foi detido, disse que não tinha sido ela a escolhê-lo. João Bilhim, presidente da CRESAP veio provar que a ministra estava a mentir e ainda levantou a suspeita de ela ter tido acesso a informação sigilosa durante o processo. A ministra fez mais um comunicado e pediu a um assessor que a amarrasse à cadeira, para não ser desalojada ;
Na sequência do escândalo dos vistos gold, a secretária geral do ministério fica em prisão domiciliária e o director geral do IRN em prisão preventiva, mas PTC continua firme no seu lugar e Pedro Passos, como coelho assustado, não tuge nem muge.
Eu não sei quais serão os predicados de PTC, ou os segredos que ela esconde, para se manter à frente do MJ, mas uma coisa sei que a teresinha (não) tem: 
 Não tem pudor, nem vergonha na cara, mas tem lata como ninguém!

E se a galinha do Portas não tiver penas?

Será Paula Teixeira da Cruz  a galinha dos ovos de ouro que está a guardar diligentemente os ovos podres da capoeira?
É que tanto denodo em manter uma ministra à frente de um ministério rodeado de escândalos, cheira-me a cabidela...

terça-feira, 18 de novembro de 2014

A telenoverla das 9

Estreou ontem, na AR, a telenovela " Espírito Santo". Vai durar pelo menos seis meses e manter muitos portugueses "agarrados", a partit das 9 da manhã.
Nunca fui fã de telenovelas e as poucas que acompanhei, com alguma irregularidade, nos idos de 80, ensinaram-me uma coisa:no último episódio, chegamos sempre à conclusão que estivemos a perder tempo que podia ter sido aproveitado de melhor maneira.
Com as comissões de inquérito acontece a mesma coisa. Os deputados  (actores) empenham-se, mas  é o realizador (governo) quem decide  o final. Para ver mixórdias, não vale a pena perder tempo.

Padrões de qualidade



Se- como acontece em relação aos produtos- os governos fossem sujeitos a testes de qualidade, o governo Passos/Portas já há muito teria sido atirado para o caixote do lixo, por não cumprir os padrões mínimos nos diversos critérios de avaliação. 
De nada valem os argumentos da dignidade de Miguel Macedo para tentar elevar o nível de confiança dos consumidores num produto putrefacto. Ao demitir-se, o MAI cumpriu os mínimos, coisa a que infelizmente já não estamos habituados. 
A irrevogabilidade revogável de Portas, o apego ao poder de uma ministra cobarde e mentirosa, ou a leviandade de  Nuno Crato quando se recusou a assumir as responsabilidades pelo desastre do ministério da educação, não devem ser considerados comportamentos medianos nem, tampouco, minimamente aceitáveis. 
Num governo com um mínimo de qualidade, os dois ministros ter-se-iam demitido no dia seguinte e o irrevogável nunca venderia a sua (escassa) dignidade por um gabinete com vista para o Jardim Zoológico.
Diga-se, em abono da verdade, que não são eles os principais responsáveis pela péssima qualidade deste governo.  É o product leader  ( PPC) que estabelece o padrão de qualidade de um governo. Estando a bitola do líder  muito abaixo da mediana, é natural que os membros do governo a sigam como exemplo.
Se PPC  pautasse a sua conduta por padrões  éticos e morais apenas medianos, teria despedido Teixeira da Cruz e Nuno Crato, sem sequer esperar que lhe apresentassem o pedido de demissão. É o mínimo que se exige a um pm. Mas que autoridade tem um homem que está mergulhado em suspeitas em relação à aplicação de verbas do FSE, à sua relação com a Tecnoforma e ao seu comportamento enquanto deputado, para demitir ministros? Nenhuma! Por isso deixou-os ficar e ainda lhes teceu rasgados elogios. 
Seria pois de esperar que, não tendo PPC qualidades  mínimas para desempenhar o cargo de líder num governo, nem exigir um comportamento  ético aos seus colaboradores, o PR actuasse em conformidade, demitindo-o. 
Seria essa a atitude normal e expectável em democracia. Mas como pode um PR que se rodeou de gente como Oliveira e Costa, Duarte Lima ou Dias Loureiro, exigir a um PM que se comporte com dignidade, respeitando o país e os portugueses? Não pode, obviamente. Resta-lhe pedir à Maria que, nas suas conversas com o Além. peça a Nossa Senhora de Fátima, que interceda por ele, para que possa acabar o mandato com tranquilidade e  retirar-se para um convento, onde expiará os seus pecados ( se tiver consciência do mal que fez ao país- o que duvido).
A última esperança de um dia virmos a ter um governo e uma democracia de qualidade, seria pois o povo. Só que o povo, incarnado que está no Zé faz um fervoroso manguito e senta-se no sofá da sala a ver a telenovela ou o futebol e marimba-se ( quando não invectiva) para os poucos que ainda lutam pelos seus cada vez mais parcos direitos.
E assim voltamos ao princípio, nesta história onde não há inocentes. Um país em que o povo se agacha e acobarda, não pode  aspirar a ter um governo de qualidade. Era pois, inevitável, chegarmos um dia ao estado de putrefação em que nos encontramos.  Não tarda nada, a Europa varre-nos para o caixote do lixo. E é bem feito!

Do Circo para o Convento

O Observador  ( jornal on line com ligações privilegiadas a Belém, graças ao concubinato conspirativo entre o  Zé Manel  e o Fernando Lima) noticia que   Cavaco Silva já terá escolhido o seu local de trabalho quando deixar de ser PR, em Março de 2016.
Cansado das actividades circences de Belém, Cavaco vai recolher a um convento. dominicano em Alcântara. Levará consigo uma secretária e um assessor. ( Muito provavelmente Fernando Lima- o seu alter ego, a sua sombra e o seu fiel escudeiro)
As obras de adaptação para o gabinete do PR  começam em 2015 e vão custar 475 mil euros.
Para evitar especulações, o gabinete de Cavaco foi lesto a informar o Observador que  Jorge Sampaio gastou 700 mil euros na montagem do seu gabinete.
Tudo bem. Eu só pergunto é porque razão os portugueses têm de continuar a pagar o sustento  até à morte a um reformado de luxo que nada fez pelo país, a não ser   empurrá-lo para a bancarrota e desprestigiá-lo sempre que  andou lá por fora.

Se bem percebi...

Ao elogiar a dignidade de Miguel Macedo, por se ter demitido, o PSD está a criticar Nuno Crato e Paula Teixeira da Cruz por continuarem agarrados aos lugares como lapas...

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Esqueceram-se de falar disto?

A comunicação social anda há uma semana empolgada na discussão sobre as taxas das dormidas em Lisboa, usando a medida como arma de arremesso contra Costa.
Tão distraída com a guerrinha que o governo desencadeou, até se esquece de dar notícias que interessam aos lisboetas. Como é o caso deste projecto, apoiado por um programa municipal. 

Conversa da Treta

Deixem-se de tretas! 
Quando um ministro quer abandonar o cargo sai mesmo e borrifa-se na autorização do primeiro ministro. Foi o que fez Miguel Macedo.
Paula Teixeira da Cruz só não abandonou o cargo, porque  a casa de Irene o ministério da Justiça lhe dá protagonismo e é uma aposta no seu futuro.
Nuno Crato continua a destruir o ministério da educação porque é vaidoso e, acima de tudo incompetente.
Pedro Passos Coelho não os substitui, porque não tem ninguém minimamente válido para os substituir e porque não quer dar trunfos ao CDS que, na próxima campanha eleitoral pode sempre invocar o argumento de que apenas ministros do PSD foram substituídos, enquanto todos os seus foram intocáveis.
O resto é conversa da treta...

Quando de Espanha sopram bons ventos

Cresci a ouvir dizer que “De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento”. Com as alterações climáticas as coisas mudaram e, por estes dias, dos nossos vizinhos  sopram ventos  que nos trazem bons exemplos, que devíamos seguir por cá.
Quando há poucas semanas  rebentou o escândalo de corrupção em  Espanha, o primeiro ministro Rajoy  veio de imediato pedir desculpa a todos os espanhóis. Por cá houve corrupção no caso dos submarinos  (  como os tribunais alemães provaram), mas na AR os partidos da maioria garantem que foi tudo normal.
Neste momento há suspeitas de corrupção no caso dos vistos gold. Já houve detenções, mas o primeiro ministro mantém-se mudo e quedo , o vice-pm mentor da ideia idem e, até agora, apenas uma directora-geral, com fortes ligações a um ministro ( sócia de Miguel Macedo num escritório de advogados), se demitiu.Outros dois terão apresentado a demissão, mas Paula Teixeira da Cruz ainda não reagiu.  
O vice pm , mentor da ideia, assobia para o ar, mas não tira consequências políticas deste caso onde há já a certeza de ter havido corrupção, falta apenas saber quem são os seus agentes.
Miguel Macedo tirou ilações políticas e teve a dignidade de demitir-se. Embora já o devesse ter feito, logo após a manif dos polícias, é o único a ficar bem na fotografia nestes dias conturbados.
Há dias,  Eanes apontou o dedo aos portugueses, lembrando que a democracia não se reduz a eleições de  quatro em quatro anos.  É um processo contínuo, que exige do povo uma vigilância e acção constantes. 
Assim como os espanhóis, nós também PODEMOS. Infelizmente, não queremos. 

domingo, 16 de novembro de 2014

Corrupção alimentar

Até na corrupção se nota que estamos em crise. Em vez de receberem baús de dinheiro, os nossos  políticos  e dirigentes são apenas suspeitos de se corromperem em troca de alimentos.
Diz a comunicação social que o director do  SEF é suspeito no processo dos vistos gold, por ter recebido duas garrafas de vinho.
Armando Vara foi condenado no processo Face Oculta, mas garante que apenas recebeu uma caixa de robalos.
Espero que as garrafas sejam de vinho branco porque, se o dois se encontrarem na cadeia, sempre podem fazer um belo almocinho.
Modesto, se nos lembrarmos que em 1975, quando estavam presos, os Mellos e os Espíritos Santo faziam belas almoçaradas que incluíam lagosta.
Em tempo: já sei que Miguel Macedo se demitiu, mas estou a comer um belo bife no Snob que comemora hoje 50 anos, por isso só amanhã comentarei.
Por agora apenas isto: MM deu uma bela lição a Nuno Crato e Paula Teixeira da Cruz. Quem tem berço normalmente não esquece. Pena não se ter demitido após a manif das polícias...

As princesas não têm mães?

A revista FORBES dedica uma extensa reportagem à moçambicana  Valentina Guebuza, a quem chama princesa milionária.
A revista compara esta princesa, filha de Armando Guebuza, presidente de Moçambique, com a princesa angolana Isabel dos Santos, filha do presidente angolano José Eduardo dos Santos, uma das mulheres mais ricas do mundo, segundo a FORBES.
Não estranho que na África portuguesa as filhas dos presidentes se transformem em princesas. O que me surpreende é que estas princesas não tenham mães. 

Le premier bonheur du jour

Esta semana deixo-vos com um video para animar o vosso domingo. Se resistirem a bater com o pezinho é porque estão com baixo astral. Vamos lá a arrebitar!
Tenham um bom domingo

sábado, 15 de novembro de 2014

A confissão de Cavaco

Nós já sabíamos, mas fica sempre bem a Cavaco reconhecê-lo. Já agora, podia prescindir dos 16 milhoes de euros que todos os anos somos obrigados a gastar para lhe alimentar o vício dos pastéis de Belém

Bibó Porto (25)


 O Porto também nos conquista pelo estômago e por um preço modesto, podemos sair muito satisfeitos


Como por exemplo na Casa Nanda ( Rua da Alegria 394) onde a simpatia se alia a uma excelente comida

Do bacalhau assado na brasa, às Tripas à moda do Porto,  tem uma lista variada para se deliciar.
Bom apetite!

Lei funil?





O governo prepara-se para aplicar novas regras de admissão ao ensino superior. É ainda muito cedo para se perceber quais são as intenções do Executivo: acolher a opinião de Merkel e aplicar a Lei Funil de modo a dificultar o acesso à Universidade? Definir regras diferentes para o acesso a Universidades e Politécnicos? dar autonomia às Universidades, para que cda uma defina os seus próprios critérios.
Uma cosa é certa: em 2015 este debate vai estar em cima da mesa.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Diz-me como pensas, dir-te -ei quem és

Ontem ouvi Lobo Xavier, na Quadratura do Círculo dizer, em relação aos vistos gold, que não interessava de onde vinha o dinheiro e quem tiver dessas preocupações é porque é ingénuo.
Hoje, o secretário de estado dos transportes afinou pelo mesmo diapasão em relação à venda da PT. " O que interessa é o projeto, não a origem do dinheiro"- disse
Este desprendimento dos nossos governantes e respectivos apêndices em relação à origem do dinheiro esclarece muita coisa sobre a actividade deste governo e as pessoas que integram.
No meu tempo,  dizia-se que pessoas assim eram desonestas. Hoje, qualquer governante o pode dizer e ninguém se indigna.
O problema provavelmente é meu. Estou desactualizado e sou ingénuo.