quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Onze minutos ( ou a promiscuidade entre os coelhos)



Onze minutos é o título de um livro de Paulo Coelho, cuja protagonista é uma miúda que vai viver para Genève , porque acredita que ganhar a vida na horizontal é fixe. 
Onze minutos é o tempo que ela demora a abrir e fechar as pernas em camas de pensões esconsas, a troco de umas centenas de francos suíços.
Esta manhã,  Pedro Passos Coelho resolveu reescrever o livro de Paulo Coelho, substituindo a protagonista pelo papel de um aldrabão treslouicado que ele próprio fez questão deinterpretar.
Durante o debate na AR, o PM anunciou, às 11h 53m que iria propor a reposição de mais 20% dos salários dos funcionários públicos em 2016, o que contraria a decisão do TC que obriga à reposição integral dos salários .
Onze minutos depois, às 12h04m, o PM anuncia que irá repor integralmente os salários dos funcionários públicos em 2016.
Confrontado por Luís Fazenda com a contradição, Passos Coelho acabou por confirmar, uma hora mais tarde, que será coerente e só reporá 20%.  Pelo menos a violar a Constituição e contrariar as decisões od TC. Passos Coelho é coerente. 
Já todos sabíamos que Passos Coelho é um aldrabão compulsivo, mas nunca  tinha visto uma prova tão rápida  da incoerência, falta de palavra e canalhice, como a que hoje protagonizou  Se este homem não está louco, vai rapidamente a caminho. 
Se em Belém estivesse um PR na posse plena das suas faculdades, já teria demitido PPC, por insanidade mental. 
Se tivéssemos um povo que se desse ao respeito, já estaria há muito tempo à porta de Belém  a reclamar a demissão do governo e só de lá sairia quando fosse satisfeita a sua exigência. 
Infelizmente, em Portugal, não temos nem PM, nem PR, nem Povo.

6 comentários:

  1. Que lindos coelhinhos: brancos como a neve e sem mácula.

    ResponderEliminar
  2. O mais grave é que a maioria das pessoas inteligentes e sensatas vêem tudo isto, mas tudo continua na mesma, porque o país está anestesiado, porque se sente incapaz de confrontar o actual estado social do país, tendo medo de o confrontar com o que foi há dezenas de anos, porque não quer reconhecer a incapacidade que esta gente tem em governar, porque, miseravelmente, a maioria, pensa apenas em governar-se.

    ResponderEliminar
  3. Passos Coelho recandidata-se
    não com promessas

    mas com ameaças

    ResponderEliminar
  4. É, porém, coerente numa coisa, ao ameaçar com a mesma proposta: Que se lixem as eleições! Desconfio que ele doidinho para que o mandem embora. Eleições antecipadas será uma faca de dois gumes e, ainda que o país possa sofrer mais um ano nas mãos deste lunático, preferiria que se arrastasse penosamente até à badalada final, senão a bomba vai estoirar nas falanges erradas.

    ResponderEliminar
  5. O carlos até parece que não sabe que os coelhos são muito rápidos no desempenho da função!
    Este, em concreto, foi rápido e repetiu com rapidez.
    E em várias posições :))

    ResponderEliminar