domingo, 12 de outubro de 2014

Cobardes!

Os jihadistas já ocuparam metade da cidade de Kobani. Há 12 mil civis curdos a defender a cidade que serão mortos se a conquista se consumar. Perante a indiferença da Turquia, da NATO, dos EUA e da UE, antecipa-se um massacre que me faz recordar Sebrenica em 1995.
Na Ucrânia, onde a guerra foi atiçada pela Alemanha que obrigou a UE a reconhecer um governo fascista, as reacções foram imediatas.
Agora, que os jihadistas estão prestes a ocupar uma faixa de 400 quilómetros ao longo da fronteira da Turquia, ninguém parece estar preocupado. O massacre dos curdos é apenas um incidente que EUA e UE obviamente lamentarão, com as habituais lágrimas de crocodilo. Cobardes!

8 comentários:

  1. Pior do que cobardes, Carlos, muito piores!!!

    Que asco! Que raiva!

    Amigo, fica bem

    ResponderEliminar
  2. Partilho do sentimento de revolta face à situação aflitiva que se vive em Kobani e concordo que a política dos US na região é totalmente incoerente. Dito isto, convém que não se alterem os factos. Há muitos poucos civis na cidade (pouco mais de mil segundo os observadores da ONU no terreno) e não 12.000. Além disso há cerca de 1500 guerrilheiros curdos, do PKK e sobretudo do YPG.
    Apesar de tudo o ISIS ainda não tomou a cidade graas à resistência dos curdos e porque foram conduzidos mais de 50 os ataques aéreos contra eles nas duas últimas semanas.
    Criminoso é o comportamento do governo proto-fascista da Turquia, que está tacitamente aliado ao ISIS para dizimar os curdos. Para Erdogan mais importante que derrotar o ISIS é esmagar o PKK e as organizações curdas no terreno.
    Convém não misturar tudo no mesmo saco e alterar a verdade dos factos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de mais, obrigado ela visita e pelo comentário. Concordo e subscrevo o seu comentário. O número de 12000 civis curdos, ouvi-o na Sky mas realmente hoje, na SIC-N, ouvi falar em cerca de 800. Independentemente dos números, estamos de acordo quanto ao comportamento ignóbil da Turquia e restantes. intervenientes

      Eliminar
  3. A luta por Kobani faz parte da estratégia dos USA/ISIS em conluio com a Turkia para acelerar a intervenção turca no terreno, e levar ao derrubamento do Presidente Assad. A imprensa vendida e lacaia do imperialismo Norte Americano, esconde as manifestações de Kurdos violentamente reprimidas pela policia de choque Turca que impede a entrada de combatentes Kurdos para ajudarem os seus irmão na luta contra os terroristas do ISIS/USA.
    É óbvio que a estratégia da Turkia é dizimar o Povo Kurdo e Derrubar o Presidente. Assad.

    ResponderEliminar
  4. Mais um massacre a que assistimos todos em directo.
    Sem nada fazer.
    Não foi assim que Hitler foi consolidando o seu poder?
    Não se aprende nada com a História?

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. A Turquia prioritariamente quer a eliminação dos curdos, depois a queda de Assad e só depois a eliminação do ISIS, daí este comportamento ambíguo.
    Os EUA e a UE pouco ou nada fazem, porque querem uma guerra sem dor e sem baixas, ou seja, não querem, pelo menos para já, pôr tropas no terreno, embora quanto a mim, sem elas o ISIS jamais será derrotado.
    Se são cobardes? Militarmente falando, sim.
    Mas duvido que as opiniões públicas, americana e europeia, aceitem de bom grado mortes de soldados seus numa terra relativamente distante, numa guerra que pouco ou nada lhes diz e que não ameaça directamente os seus países. Ninguém quer isso. Portugal até já disse que está fora de questão o envio de tropas.

    «Na Ucrânia, onde a guerra foi atiçada pela Alemanha que obrigou a UE a reconhecer um governo fascista, as reacções foram imediatas».

    Tenho dúvidas que a Alemanha tenha atiçado o que quer que seja. Mas não tenho dúvidas que dizer que o governo de Kiev é fascista parece-me formalmente incorrecto, quanto muito será de extrema-direita ou ultranacionalista. O fascismo só existiu em Itália no tempo do Mussolini e era o próprio que dizia que o fascismo era irreplicável fora de Itália.

    ResponderEliminar