terça-feira, 9 de setembro de 2014

Saudades de 2015

Ainda faltam quase quatro meses para chegarmos a 2015, mas já começo a sentir saudades.
Ou muito me engano, ou o governo vai abrir os cordões à bolsa para tentar ganhar as eleições, aliviando-nos ligeiramente impostos e austeridade. Vai ser um ano em que muitos incautos cairão na esparrela de acreditar que "o mau tempo já lá vai e agora é sempre a crescer".
Em 2016, porém, todos iremos pagar a factura.

7 comentários:

  1. Também crescem as minhas saudades a cada dia que passa... Mas serão muito efémeras!

    ResponderEliminar
  2. Será? Se assim for, então parece-me que também irei ter saudades...

    ResponderEliminar
  3. Pelo wrestling (galhofa) que acabo de ver
    É mesmo isso que poderá acontecer

    ResponderEliminar
  4. Depois do debate de ontem, se calhar nem vai ser preciso abrir os cordões à bolsa.

    ResponderEliminar
  5. A mim não me enganam eles...mas venham lá os aumentos!

    ResponderEliminar
  6. Que texto mais premonitório!
    Bingo!
    Num dos telejornais do almoço já o assunto veio à baila.
    Hosana, a gruta do Alibabá vai abrir!
    :)

    ResponderEliminar
  7. O Carlos Barbosa não está longe da verdade, basta ver a posição da UGT essa central da treta que vem meter-se em bicos dos pés e arrancar cabelos, dizendo que se o governo não aumentar o salário mínimo que rompe com a concertação social e outras coisas mais, como se não soubessem já que é o que o Passos Coelho irá fazer para tentar ganhar as eleições. Entretanto o maior partido da oposição anda entretido com debates da treta sem dizerem em concreto as propostas que têm, para tirar o país deste atoleiro em que nos meteram e desconfio que depois das eleições o pior ainda está para vir.

    ResponderEliminar