terça-feira, 23 de setembro de 2014

O grau zero da decência (Actualizado)

Quando a secretaria geral da AR ludibria a verdade para defender o Pm é porque se atingiu o grau zero da dignidade, da moral e da ética política.
Não há democracia quando o Parlamento esconde ao país a verdade sobre a actuação de um pm. Ainda por cima, esta actuação  põe em xeque  PPC que se tem defendido da acusação, alegando estar convencido que agiu dentro da legalidade.
Dando de barato que o PM está a dizer a verdade e está mesmo convencido que agiu dentro da legalidade, a actuação do secretário geral da AR fragiliza o argumento de defesa do PM. Porque terá Azevedo Soares deturpado a verdade? Mero servilismo partidário? 
Mas, se assim foi, porque é que depois de confrontado com documentos oficiais e públicos que comprovam ter mentido sobre a situação de PPC enquanto deputado, se remeteu ao silêncio e recusou quaisquer esclarecimentos?  
Albino Azevedo Soares prestou um mau serviço ao país, à democracia e ao PM. Se fosse pessoa de bem, pedia desculpas pelo "lapso" e apresentava a demissão. Mas já percebemos que neste PSD de Passos Coelho, a vigarice, a mentira, a trapaça, a fraude  e a incompetência são sempre premiadas.  Quando se tem um chefe com o estofo moral e ético de PPC, não se pode exigir que os seus lacaios sejam exemplos de virtude.
Actualização: Albino Azevedo Soares volta a contrariar aquilo que o próprio Passos Coelho confirmou.Pensava que AAS era um homem íntegro. Afinal, enganei-me

5 comentários:

  1. Demitirem-se, eles? Está muito para lá da 'koltura' democrática desta gente. Custou-lhes tanto chegar ao pote que não vão largar às boas.

    ResponderEliminar
  2. Que tra(m)palhada!.... Concordo em absoluto com o que o anónimo acima pensa!

    ResponderEliminar
  3. Vou aguardar pelo inquérito da PGR para poder comentar com mais elementos todo este imbróglio.

    ResponderEliminar