sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Como ganhar, prdendo?

O Não ganhou na Escócia. A Europa suspirou de alívio, mas os escoceses também, porque ganharam mais autonomia, mantendo-se no Reino Unido. Em breve outras regiões da Europa vão reclamar igualmente mais autonomia. A primeira será a Catalunha e outras se seguirão. Ainda não foi ontem que se abriu a Caixa de Pandora, mas já não deve faltar muito.

8 comentários:

  1. Apesar da desilusão por parte daqueles que esperavam o SIM, a Escócia não perdeu nada! Pelo contrário, saiu ganhando! Se os catalães reclamarem mais autonomia, estão no seu pleno direito.
    Pior seria a independência, para a qual não estão preparados!

    ResponderEliminar
  2. William Wallace rebolou-se no túmulo
    eu, juntei-lhe duas pedras (ao meu scotch, claro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida! Quem é escocês e votou não, só pode gostar de viver agachado.

      Eliminar
  3. Vou tomar um Scotch e pedir a independência da Bavária.

    ResponderEliminar
  4. Visitei a Escocia durante uma semana em Junho de 2012, estive em Edimburgo ou «Edimbra» como dizem os escoceses, visitei as terras altas e Loch Lomond. Na altura as sondagens davam ao «sim» 32% e ao «não» 62%, recordo-me durante a excursão às terras altas, o motorista da camioneta, um escocês dos 4 costados, fez uma pequena abordagem ao tema pelo microfone da camioneta. Disse que ia votar «sim» e que a Escócia era economicamente viável, mas que pensava que o «não» iria ganhar sobretudo por causa das empresas e do comércio que viam na independência um entrave aos negócios e ao comércio. Disse-nos também que a Escócia já estava muito «inglesada». E de facto tirando o parlamento escocês, onde aparecem uma indicações em gaélico escocês, embora a língua seja falada por apenas 60.000 pessoas numa população de mais de 5 milhões, não se vê nem se fala esta língua em lado nenhum, só se houve falar inglês, tal e qual como se estivéssemos em Inglaterra.
    Por isso dei como adquirido que o «não» venceria. O que me surpreendeu foi a margem relativamente estreita da vitória do «não».
    Depois deste resultado, parece-me que o efeito de contágio vai pelo menos abrandar, até porque os espanhóis não vão permitir um referendo nestes moldes em Espanha.

    ResponderEliminar
  5. Até Sean Connery votou no não. Logo ele que andava ao serviço de Sua Majestade (007, lembram-se?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente por isso, António! Ao serviço de Sua Majestade, só poderia votar NÃO!!
      Ai essa cabecinha!...

      Janita

      Eliminar
  6. Pelo que eu li na imprensa (antes do referendo), ele disse que ia votar «sim», só se mudou de ideias pelo meio.

    ResponderEliminar