terça-feira, 2 de setembro de 2014

A Reforma



Paula Teixeira da Cruz está muito orgulhosa com a sua reforma da Justiça.
Tribunais a funcionar em contentores, plataforma digital inoperacional, um Procurador ( Moreira da Silva, do caso Meco) que recusa disponibilizar o acórdão, foram as notícias do primeiro dia.
Como dizia a ministra da Justiça ontem na SIC, está tudo a funcionar dentro da normalidade...
A extinção de duas dezenas de tribunais é também uma boa notícia. Principalmente para aquelas populações que  já tinham ficado sem escolas, sem repartição das finanças e sem estação de correios.
Em muitos casos, eram estes serviços que dinamizavam o comércio local. Com o seu desaparecimento, vai desaparecer o comércio. Seguir-se-á a debandada das pessoas. 
Este governo a fazer reformas é como os jihadistas. Destrói tudo à sua volta e aniquila quem não for da sua crença. 
A quem faça qualquer crítica, a resposta é sempre a mesma: claro que há sempre críticas, quando se faz uma reforma de um sistema que dura há 200 anos.
Entre os jihadistas  e esta  maralha, há mais semelhanças do que diferenças. Ambos se julgam os únicos detentores da verdade, os salvadores da Humanidade, os eleitos de Alá para devolver o mundo aos primórdios, expulsando os infiéis do solo sagrado
Neste último aspecto, a agremiação laranja está a cumprir o seu papel: já expulsou milhares de infiéis, condenou à miséria outros tantos, devolveu Portugal ao século XIX, mas insiste que está a construir um país moderno. Dêem-lhes mais quatro anos e não fica pedra sobre pedra.


8 comentários:

  1. A decapitação Politica de Ferro Rodrigues,enquanto Secretário Geral do Partido Socialista,marca um tempo,que os Historiadores chegado o momento tratarão com o distanciamento e o rigor que a Verdade Histórica imporá.Esse tempo,será então olhado, objectivamente, como a altura em que a Direita Ultramontana,a coberto de um caso chamado de "Casa Pia",pôs a cabeça de fora e ousou o regresso,em força,dos falcões até então recolhidos estrategicamente nos ninhos dourados construídos com fausto no tempo do Fascismo Português. A partir de então, todo o caminho percorrido na Sociedade Portuguesa,outra coisa não configura que não seja um regresso ao tempo das trevas em todas as suas vertentes.A coberto de um pseudo regime democrático,vive-se hoje em Portugal,objectivamente,uma situação de não vida em Comunidade,um momento de clara negação de solidariedade para com os que menos tem,um tempo em que o princípio da distribuição da riqueza não só não existe como é liminarmente descartada na cartilha comportamental dos Algoses que detém as rédeas dos vários Poderes Constituídos.E,vejamos a ironia de tudo aquilo que nos trouxe até aqui:O que se vem passando com as eleições internas do Partido Socialista,com mortos mortos e mortos vivos,não é também o resultado claro do miserabilismo que conspurca,corrói e destrói todas as formas de vida digna em sociedade?Claro que é!Caminhamos em direcção à barbárie,em que qualquer ESCROQUE é líder,seja lá do que for,com uma multidão de apaniguados, mentalmente desgraçados e socialmente inqualificáveis, a defender-lhe as costas.

    ResponderEliminar
  2. Angustia-me pensar que tens toda a razão no que escreves - mas penso que sim, que tens toda a razão! Gostaria de saber gritar a minha raiva, a meu desprezo, a minha impotência do modo claro e sucinto como o fazes na tua crónica exemplar! Agradeço tê-lo feito por mim...

    ResponderEliminar
  3. Estamos a viver uma verdadeira tragédia e não somos capazes de travar tanta ignomínia! :(

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Excelente texto. Mas pergunto: qual é a novidade?

    ResponderEliminar
  5. Ainda não ouvi uma voz fora da área da governação a defender a reforma judiciária.
    E tenho bons amigos advogados que dizem coisas que não posso comentar porque o decoro o impede.

    ResponderEliminar
  6. Subscrevo o que escreve, é de loucos.
    M.A.A.

    ResponderEliminar