segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Venha daí ver os aviões, Isabel Stilwell!




No sábado, em crónica publicada no jornal i , Isabel Stilwell  revelava aos leitores  a sua  desilusão por não ter conseguido mostrar às netas  aviões a levantar e aterrar na Portela.
Compreendo bem a decepção de Isabel Stilwell, por ter criado expectativas nas netas e as ter defraudado, ao constatar que o mundo mudou e o varandim do aeroporto da Portela, onde as pessoas se iam despedir de familiares que “ partiam para as colónias em defesa da Pátria”, já não existe.  Em pleno século XXI, tomar um café com vista para os aviões,  só é permitido a embarcadiços que pagaram bilhete para viajar. 
Tenho, no entanto, um segredo a revelar-lhe Isabel! 
Quando os Azeitonas (“Anda comigo ver os aviões  levantar voo, a rasgar as nuvens, rasgar o céu” ) voltarem a recordar-lhe os tempos em que as crianças da nossa geração eram levadas pelos pais  ao aeroporto para ver esses espectáculo fantástico de uma máquina de muitas toneladas a elevar-se no céu e isso a motivar a levar as suas netas, dou-lhe uma sugestão:
Antes de chegar ao aeroporto da Portela, saia da segunda circular em direcção à Alta de Lisboa. Logo na primeira rotunda, siga pela Avenida Santos e Castro. Uns metros adiante, à sua direita, vai ver muitos carros parados e muitas pessoas a movimentarem-se.  Não se preocupe, porque não é acidente! Pare também e vai descobrir, com espanto, o que as pessoas estão ali a fazer, naquele miradouro privilegiado: a ver aterrar e descolar aviões! 
Famílias inteiras, casais de namorados, ou pessoas que adoram fotografar/filmar  aviões a descolar e aterrar, acorrem ali diariamente.
O funcionário que a aconselhou a meter-se num autocarro para ver os aviões “durante cinco segundos”, podia ter-lhe dado  esta sugestão mas, como ele não deu, dou-lha eu com muito gosto. Vai ver que as suas netas vão gostar!

5 comentários:

  1. Sou do tempo do varandim e como eu gostava de ir ver aterrar e descolar os aviões!
    Agora tremo de susto quando na 2ª circular parece que nos aterram em cima!
    Uma óptima sugestão...hei-de lá ir com os meus netos! :)

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  2. Não pense que o vou criticar, CBO...Muito pelo contrário.

    Sabendo da sua antipatia - não direi visceral porque a tanto não me arrisco - pela escritora e cronista Isabel Stilwel, vim a correr quando li o título/convite deste post.

    Afinal, não há corações empedernidos nem animosidades eternas. Gostei!

    Enquanto há vida há esperança...

    ( sei que há aqui, nesta sua crónica, uma boa dose de ironia, mas pronto, já é um razoável começo )

    *

    ResponderEliminar
  3. Não sou do tempo do varandim da Portela, mas ouvia muitas vezes os meus pais falarem do varandim... Hoje ouço-os lamentar essa ausência.

    ResponderEliminar
  4. Cheguei a ver os aviões a descolar (nossa!... quanto tempo!).
    Amei a dica!

    ResponderEliminar
  5. Lembro-me bem do varandim.
    Não há varandim, há outras alternativas.
    Big deal!

    ResponderEliminar