sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Bibó Porto (14): Uma pérola genuína



Ao passar na Rua Formosa, é impossível ficar indiferente a esta fachada de azulejaria Art Nouveau. Não só pela sua beleza, mas também porque ainda antes de chegar à porta do nº 279, se começa a sentir um agradável perfume a café acabado de moer, proveniente do interior.
Se o aroma  a café não for coisa que o seduza, entre na mesma, porque na excelsa mercearia A Pérola do Bolhão”  encontra  preciosos produtos portugueses. Desde enchidos  ( com destaque para uma preciosa alheira)a queijo da serra, passando por caramelos vendidos a granel, vinhos, bolachas e frutos secos, ou pelo bacalhau (noutros tempos  de altíssima qualidade), que a minha mãe reservava um mês antes do Natal.
Fundada em 1917 por António Rodrigues dos Reis, “A Pérola do Bolhão” é um dos  mais antigos estabelecimentos comerciais da cidade do Porto. Começou por ser um local de venda de porcelanas e especiarias provenientes da Ásia ( especialmente do Japão), antes de se tornar uma “mercearia fina”, após a segunda guerra mundial.
No topo do painel estão escritas as palavras “Chá” e “Café”.  Se reparar com atenção, vai ver que as mulheres que ladeiam a porta seguram, no regaço, plantas de chá ( à esquerda) e de café (à direita). Nada foi deixado ao acaso na construção desta belíssima fachada, que atrai turistas curiosos.
Longe vão os tempos em que nas montras de “A Pérola do Bolhão” existiam dois moinhos que permanentemente moiam café ( daí o perfume que se sentia no exterior), mas a qualidade do café mantém-se  e, em Março deste ano, a revista Condé Nast Traveller elegeu-a  como um dos 20 melhores locais do mundo para comprar um bom café. 
Nesta casa que procura manter a tradição, quase todos os funcionários trabalham na casa há mais de  30 anos, sendo  informadores privilegiados dos turistas que ali entram e procuram informações sobre locais interessantes e pouco conhecidos do Porto, que merecem uma visita.
Mas se a sua onda, neste mês de Agosto, vai para a vida nocturna, o Porto também  tem uma oferta diversificada que não o vai desiludir, como pode constatar aqui. 

7 comentários:

  1. Fantástica fachada! Mais um local imperdível aquando da minha visita aprofundada ao Porto:-))

    ResponderEliminar
  2. Já os meus pais compravam o bacalhau nessa pérola genuína.

    Em Outubro lá vou eu, como sempre no outono, comprar: alheiras, queijo da serra, frutos secos, bacalhau.

    Já o café compro-o na Casa Cristina.
    Depois de ler esta crónica vou também experimentar o café de “A Pérola do Bolhão”.

    ResponderEliminar
  3. Um dos principais "ex-libris" do Porto tradicional.

    ResponderEliminar
  4. Actualmente, toda a Cidade Invicta é uma pérola a ser devidamente apreciada e admirada.
    Sobretudo a Baixa, que há um anos atrás se encontrava num verdadeiro estado de decadência.
    A foto valoriza ainda mais essa 'Pérola do Bolhão' onde os deliciosos aromas inebriam os sentidos.

    ResponderEliminar
  5. Carlosamigo

    Sou do tempo em que os alfacinhas (com é o meu caso) diziam que a melhor coisa era o comboio para Lisboa...

    Tudo mudou. Hoje o Porto continua a ser a segunda cidade de Portugal - não falo em Paris... - mas adquiriu um estatuto que vai muito para além das tripas para alimentar a capital durante o cerco castelhano.

    Hoje tudo mudou até a Ribeira, pólo de turismo e de noitadas de folia, pejada de turistas encantados com a cidade.

    Hoje tudo mudou, menos o Palácio da Bolsa, a Câmra municipal, a torre dos Clérigos, a Igreja paradigma do barroco português.

    Mas hoje ainda lá está o Jorge Nuno que em tempos pediu a minha cabeça numa bandeja, tal como o S. João Baptista, mas sem a Salomé

    Hoje gosto de ir ao Porto, encontrar-me com os Amigos, comer umas francesinhas e tripas enfarinhadas, mas depois disso tudo, voltar à minha Lisboa.

    O Porto tem uma grande vantagem sobre a capital: não tem lá o (des)Governo, ladrão e mentiroso e muito menos o labrego de Belém! Biba o Puerto, carago!

    Abç

    ResponderEliminar
  6. Já disse que amo o Porto, não disse?... mesmo em frente à uma café com uma decoração modera (lamento não me lembro o nome), cujas cadeiras (?) são sofás, e que nos dias de outono ou chuva sabem tão bem para fazer uma pausa.
    BfdS

    ResponderEliminar