quinta-feira, 24 de julho de 2014

Onde está a minha mamã?

No Madrid Open ( foto esportes terra.com))


A mãe de Cristiano Ronaldo terá confessado num livro sobre a sua vida, que pensou em abortar quando estava grávida de Cristiano Ronaldo.
Ter-se-ia perdido um grande jogador de futebol, a senhora Aveiro nunca teria direito a um livro de  memórias, não daria entrevistas, continuaria a viver em condições miseráveis na Madeira e CR 7 nunca seria obrigado esconder do filho "Cristianinho" a identidade da mãe.
Não me quero imiscuir em coisas alheias mas gostaria que alguém me explicasse o que leva um homem (uma família inteira, aliás) a esconder do filho a identidade de quem o trouxe no ventre durante nove meses.
Impressionou-me, particularmente, saber que quando o filho do CR 7 pergunta "Onde está a minha mamã", a família  costumava responder  "está no Céu".
Cristiano Ronaldo não terá gostado da versão que matava a mãe do seu filho e impôs uma outra: foi viajar.
Até quando irá a família Aveiro privar a criança do direito a saber quem é a mãe?
Li umas declarações de uma das manas Aveiro ( aquela que tem o neurónio) dizendo que o importante para o miúdo é que a mãe Aveiro o trata como filho. Quando Cristianinho crescer e exigir saber quem é a mãe, talvez a mana Aveiro - quiçá mesmo CR- tenha uma grande surpresa. É que o amor de mãe não se compra e Cristianinho não é sequer uma criança adoptada. Foi  roubada à mãe comprada. Um dia o puto vai perceber. Ninguém pode garantir que não queira cobrar por isso.


9 comentários:

  1. O que acontece é que o dinheiro falou mais alto para a tal mãe que foi viajar!
    Alinhou no esquema porque quis...como irá aguentar no futuro, veremos!

    ResponderEliminar
  2. Provavelmente ELA também se vendeu.

    ResponderEliminar
  3. Se a mãe aceitou essa "venda" não merece ser MÃE! Claro está que será o menino quem mais poderá sofrer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é bem assim. Está a analisar por uma perspectiva apenas - a que melhor conhece. A da mãe que engravida e dá um filho. Mas existe o lado da mulher - altruísta ou não, que quer que outra pessoa seja pai/mãe e ajuda. É como as avós que decidem carregar a gravidez dos netos. Um ato altruísta a pensar no bem estar dos filhos que não os podem ter, mas os podem "fabricar" em laboratório.

      Eliminar
  4. Não consigo perceber, muito menos aceitar, as barrigas de aluguer, Carlos.
    É esperado que uma mulher que carrega uma criança no ventre durante nove meses se esqueça dessa criança por um punhado de notas??!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora já não é tao linear. Se o que a ex-ama contou é verdade, a concepção foi muito mais fria, mecânica, um negócio. Uma mulher deu o óvulo. Outra num outro canto qualquer do planeta pariu essa gravidez de laboratório.

      Pergunta como uma mulher que engravida pode dar um bebé. Depende da vida e da condição da mulher. Nem sempre são as miseráveis. Pode ser uma mulher movida por generosidade - aliada à conveniencia económica ou talvez mais comum, uma mulher que já tem muitos filhos, estar grávida foi sempre o seu estado preferido de estar (acontece a algumas) e sente saudades de estar grávida mas não quer necessariamente ter mais um filho. Mas quer engravidar.

      Se ele conseguiu essa proeza, então teve sorte. Porém existirá sempre a necessidade de explicar à criança como foi a sua concepção. Logicamente a verdade é o melhor caminho. Penso que esperam que ela seja mais velha para lho explicar. Por enquanto a criança entende bem o conceito de pai e mãe. Homem e mulher. Presentes em carne e osso. Mas não entendem nada de barrigas e óvulos. Porém existem pais que explicam desde cedo essas origens aos filhos, na medida do que possam compreender.

      Eliminar
  5. Estive para fazer um post sobre isso. São os novos modernos métodos de concepção. A questão sempre foi essa - a meu ver. Que se tenham filhos proveta, de barriga de aluguer, etc, isso não me choca nada. Mas a questão que ficará sempre por solucionar é a figura de PAI e MÃE para a criança. No caso de um casal - homossexual que seja, existem essas figuras duplas. Mas quando se é monoparental, é muito mais complicado. Mais do que ser gay ou lésbica. Ser pai/mãe "solteiro" sem menção a um dos progenitores é algo que a sociedade ainda não consegue aceitar bem.

    ResponderEliminar
  6. «alguém me explicasse o que leva um homem (uma família inteira, aliás) a esconder do filho a identidade de quem o trouxe no ventre durante nove meses».

    É simples, o Cristiano Ronaldo engravidou uma americana sem querer, comprou-lhe o silêncio porque não é homenzinho para assumir os seus actos.

    ResponderEliminar