segunda-feira, 28 de julho de 2014

O sr. Cunha

Cavaco nunca teve dúvidas em relação ao corte dos salários na função pública. Argumentando que não pedia a fiscalização preventiva, porque os seus assessores e outros especialistas lhe tinham dado garantias que os cortes não eram inconstitucionais, Cavaco aprovou os diplomas num  abrir e fechar de olhos. Quando o TC se pronunciou a favor da inconstitucionalidade, Cavaco fingiu que não era nada com ele. Os assessores por lá continuam. Quanto ao putativo PR, sem um pingo de vergonha, terá pensado que apoiar a violação da Constituição que jurou cumprir e fazer cumprir tinha tanta importância como dizer à netinha que não pode ir nadar na piscina da Coelha, porque pode aparecer o homem do saco.
Ao fim de três anos de regabofe, a múmia de Belém é confrontada com um pedido do governo para solicitar ao TC a fiscalização preventiva dos novos cortes dos funcionários públicos. A partir da Coreia do Sul, o PR que mais vezes violou a Constituição em Portugal, já disse que irá cumprir a exigência do governo. 
Atendendo a que os assessores são os mesmos que já emitiram pareceres pronunciando-se sobre a constitucionalidade dos cortes, a única justificação aparentemente plausível para Cavaco enviar os diplomas para o TC é a permeabilidade do PR às cunhas. 
Mas há mais. Cavaco e o governo estudaram minuciosamente a data em que deviam enviar o diploma para apreciação pelo TC. Aproveitando o período de férias, ambos querem garantir que o diploma seja apreciado pelos juízes de turno que lhes forem mais favoráveis. 
É uma tristeza, mas esta é a democracia que temos. 

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Parece que o tal jipe que Cavaco levou, no passado, cheio de processos, este ano viaja cheio de preocupações.

    ResponderEliminar
  3. Governar à socapa é um pura ato de cobardia.

    ResponderEliminar
  4. Citando Clara Ferreira Alves:(COMO EU GOSTO DA "PLUMA CAPRICHOSA"!)"Eu Tenho Vergonha Deste Primeiro Ministro e Deste Presidente da República"!

    Será que um dos Juízes de turno,vai ser o filho daquele que disse e depois disse que não disse e que tinha sido e depois nos veio dizer não ter sido quando toda a gente já tinha em seu poder as provas provadas que o sujeito tinha dito e tinha sido? A espessura do lodo sobre o qual vimos caminhando, é cada vez maior! Até quando?(...)

    ResponderEliminar