quarta-feira, 21 de maio de 2014

Rangel fez-se de burro, ou só fingiu?



O professor Marcelo foi ontem a Coimbra fazer um dos seus números de circo. " Voto na Aliança Portugal, porque  só há uma lista que apoia Juncker e ele é o homem certo para ser o próximo primeiro-ministro da Europa" - disse Marcelo durante o comício da versão europeia dos traidores que venderam o país a interesses estrangeiros.
De acordo com a comunicação social, esta declaração de Marcelo provocou bastante incómodo nos apoiantes da lista dos traidores de Portugal. Redes sociais e comentadores analisam o discurso como uma demarcação do professor em relação à Aliança.
A minha interpretação é radicalmente diferente e oposta à que vem sendo veiculada. Marcelo sabe perfeitamente que as eleições do próximo domingo não são para eleger o "primeiro-ministro da Europa", mas sim os deputados ao PE. Sabe também que -   mesmo no caso de uma vitória do PSE - Juncker será sempre o sucessor de Barroso, porque o PPE conseguirá formar alianças no Parlamento Europeu que garantam o apoio à decisão do Conselho Europeu que, claramente, apoia para a escolha de Juncker. Uma vitória do PSE  será sempre por uma diferença escassa e os socialistas europeus não conseguem, à esquerda, os apoios de que necessitariam para impedir a vitória do candidato do Conselho.
Houve duas razões que levaram Marcelo a  fazer aquele número de circo.
Primeira: desvalorizar uma eventual vitória folgada do PS no próximo domingo. Na noite eleitoral, Marcelo dirá, com aquele ar cândido que se lhe conhece "o que interessava, nestas eleições, era a vitória do candidato do PPE e isso foi conseguido. Aliás, já tinha dito isso esta semana num comício da AP, em Coimbra, o que me valeu aliás diversas críticas do meu partido"
Segunda: Ao fingir que a sua  declaração  visava demarcar-se da Aliança Portugal, Marcelo estava a pensar nas presidenciais. Dando uma imagem de independência em relação ao actual governo, Marcelo estava a pensar nas presidenciais de 2016.  Piscou o olho ao eleitorado centrista e laranja, descontente com o actual governo -e mesmo a alguns socialistas- dizendo-lhes: podem contar comigo. Não sou como Cavaco. Mesmo que o PSD venha a integrar o próximo governo, vou sempre defender os interesses dos portugueses e não deixarei de actuar de acordo com aquilo que penso que é melhor para o país. (obviamente que é mentira, mas muitos papalvos cairão na esparrela)
Não acredito que Paulo Rangel não tenha percebido a jogada de Marcelo. Fez-se de burro e fingiu algum desconforto, mas entregou a Nuno Melo o papel de amuado. Esse, sim, intrinsecamente burro.
Aviso: para perceber melhor o que se passou em Coimbra - e, vá lá,  conhecer um pouco mais as matreirices de Marcelo -  aconselho a leitura deste excelente texto de Ana Catarina Santos


20 comentários:

  1. Matreirices de Marcelo? A sua adjectivação anda muito tolerante...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei que me deu nestes dias, Rogério! Creio que mandaram por alguma coisa na água de lá de casa :-)

      Eliminar
    2. Ainda bem que o nosso amigo Carlos anda um pouco mais tolerante, camarada Rogério!

      Já chegam os insultos que ouvimos de personagens como Paulo Rangel, Francisco Assis ou Manuel Alegre.

      Eu sei, eu sei, os portugueses gostam deste tipo de palavras fortes, mas como eu não gosto, o meu voto não vai, nem para um Paulo nem para um Francisco e o Manel que fique a insultar poéticamente a lua.

      Vamos lá ver no Domingo!

      Eliminar
  2. O Carlos acredita numa vitória folgada do PS no próximo domingo???

    Aposto a um café no "Piolho" que o partido do Tó ZERO não vai lá.

    Vamos lá ver no domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não acredito, Ematejoca. Mas se o PS não ganhar, das duas uma: ou a esquerda vai ter resultados muito surpreendentes, ou os portugueses são loucos!

      Eliminar
    2. Caso a lógica não seja uma batata, a ESQUERDA vai ter resultados muito surpreendentes.

      Vamos lá ver no Domingo.

      Eliminar
  3. Este Marcelo é um fingido, um safado, um intelectual desonesto! Não gosto dele nem um bocadinho!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho-lhe uma certa piada. Talvez por termos sido colegas de Faculdade gosto de lhe descobrir as manhas.

      Eliminar
  4. Marcelo e Portas são dois frascos de veneno...

    Dissimulados até à medula!

    Amigo, fica bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão bem um para o outro. Foi por iso que se deram sempre mal

      Eliminar
  5. Concedo que podes ter razão quanto ao 2º ponto da tua tese.Agora não tenho dúvidas de que pretendeu dar uma estocada no Passos, no Portas. "Amor" com "amor" se paga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que, conhecendo Marcelo, sei que ele também pretendeu dar uma estocada dissimulada nos dois, mas não foi esse o seu principal objectivo, Francisco. Vai por mim!

      Eliminar
  6. Ele não fingiu é burro mesmo!

    Detesto o Marcelo!

    beijinho amigo Carlos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Rangel é um bocado bronco, mas disfarça bem
      Beijinho, amiga Fê

      Eliminar
  7. ~ ~ O Francisco tem razão: astúcias de um ressabiado.
    ~ ~ Mais ávido de "status" do que poder.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que ele (Marcelo) é avido pelas duas coisas, Majo

      Eliminar
  8. Carlosamigo

    Não gosto das meias-palavras: Vou votar PS. Ponto

    Mas, do Marcelo ao Portas, do Rangel ao Melo, do Cavaco ao Coelho há que esperar tudo. Lá malabaristas são eles, mas também são mentirosos, troca-tintas, falsos e arrogantes. Pois então, que se suicidem uns aos outros já que nós não os suicidamos.

    No final do campeonato é que se fazem as contas; no fim do domingo é que se vê qual a diferença entre os uns e os outros. Repito: Vou votar no PS

    Abç

    ResponderEliminar
  9. Esta é mesmo à MRS: o jantar só não meteu Vichyssoise porque não calhou... :)))

    O texto da jornalista está 5 estrelas, sem desmerecer o seu comentário ao acontecido!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O texto da Ana Catarina fez-me sentir como se estivesse lá!

      Eliminar