quinta-feira, 15 de maio de 2014

Negócios da China



O governo quer vender os transportes de Lisboa e do Porto. Os chineses parecem estar interessados. Para tornar o negócio mais aliciante, o governo decidiu assumir as dívidas das empresas transportadoras. Por outras palavras: os contribuintes portugueses roem os ossos e os chineses ficam com a carne do lombo.
A propósito... sabe de onde vem a expressão "negócio da China?"

7 comentários:

  1. ~ Eu sabia que ia ser assim!! Só podia!!

    ~ Comentei nesre sentido com o Pedro Coimbra.

    ResponderEliminar
  2. Não posso deixar de lhe dizer que esta é uma maneira subliminar de fazer aceitar o inaceitável (a privatização): o focus deixa de estar na alienação e passa para a denúncia da forma. Se o processo fosse outro, seria menos odioso?

    ResponderEliminar
  3. Amigo Carlos Oliveira,a questão é:não é tempo de pôr a correr estes caixeiros viajantes (sem carteira profissional para o efeito)antes que eles vendam a entidade patronal?

    Em Guimarães,à muitos anos,um natural lá do Burgo,especialista na arte de furtar carteiras,relógios,jóias e outras minudências,de apelido"GRUDE",ao fim de anos de labuta,muita estrada percorrida e experiência refinada,decide fazer contas aos créditos acumulados e conclui ter reunidas todas as condições para dar um salto qualitativo na carreira profissional.Decide,presumo que em consciência,que a partir daquela altura,a sua atividade profissional será circunscrita apenas e só à venda de bens públicos.O primeiro negócio foi de arromba;Passeando-se pelas ruas da mui nobre Cidade do Porto,começa a dar uma atenção muito especial à circulação dos velhos e saudosos Eléctricos,e,rápidamente,é assaltado pela ideia fantástica, de vender um daqueles "comboiinhos".Se bem o pensou,melhor o fez.Posicionando-se,estratégicamente, nas imediações da Estação de S.Bento,logo que avistou um cavalheiro com perfil para a abordagem,tratou de pôr as competências a funcionar com o brilhantismo que lhe era,merecidamente,reconhecido.Ao fim de poucas Horas,o negócio consumou-se.Os problemas surgiram, foi a partir do momento em que o comprador se dirigiu ao local recomendado, para levantar o bem Adquirido e pelo qual,entretanto,tinha dado o "sinal" em notas do Banco de Portugal.Só que,nessa altura,o Senhor "Grude",já estava de regresso a Guimarães, e,segundo a voz do povo,numa das tabernas lá da aldeia,nessa noite,a festa durou até ser dia...

    ResponderEliminar
  4. Pois é caro ex-presidente da junta... só quem não utiliza diariamente os serviços da Carris de Lisboa não sabe quantos borlistas circulam nesta. Face ao quotidiano actual não é difícil de adivinhar que esta empresa é um fardo para o Estado

    ResponderEliminar