sábado, 31 de maio de 2014

Quando é que o Aníbal volta a violar a Constituição?

Cavaco já violou a Constituição da República tantas vezes como o governo. Foi cúmplice. Só que, nesta caso, o cúmplice tem mais agravantes do que o autor (do crime), porque é a ele que compete garantir o cumprimento da CRP.
A dupla está, porém, imparável. Segundo o Expreso, o governo já prepara um novo orçamento rectificativo. O objectivo é  roubar novamente aos funcionários públicos, aquilo que o TC mandou repor a partir de Junho. Cavaco, obviamente, assinará de cruz, voltando a ignorar o  juramento que fez de defender a Constituição.
Já sabíamos que há juízes muito complacentes. E a decisão do TC fez-me lembrar um caso ocorrido há tempos,  numa comarca do norte.
Um indivíduo conhecido por adorar roubar motos compareceu perante o juiz, depois de mais um roubo.  O juiz pregou-lhe um sermão e  mandou-o  para casa. Advertiu-o, porém, que deveria comparecer a julgamento. 
Assim que se apanhou na rua, o que fez o larápio?  Roubou a primeira moto que encontrou, parada em frente ao tribunal, e nunca mais apareceu.
Eu sabia que havia juízes ingénuos e complacentes. Não imaginava é que chegassem ao TC!

Não esquecer

Se for funcionário público, não esqueça que a partir de Junho vai descontar mais 1%  para a ADSE. A propósito... alguma das 80 medidas do Seguro visa a redução deste "imposto" específico dos funcionários públicos e pensionistas para níveis decentes?
Já está arrependido de não ter votado? Paciência, fica para a próxima!...

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Que dia!

Começou logo de manhã na AR com as cenas macacas do Seguro e o Passo Coelho a dizer  que, se não ligarmos aos resultados das europeias em França e Inglaterra, a coisa não está a correr mal na Europa.
À hora do almoço, um casal alemão deu-me cabo do juízo ( eu depois conto...).
Quando cheguei a casa, liguei o televisor e fiquei a saber a decisão do TC. Ainda não percebi bem, mas parece-me que aqueles juízes devem ter grande inspiração nas sentenças salomónicas. As normas são inconstiucionais, mas nós esquecemos o que está para trás e até vos damos tempo para arranjarem medidas alternativas, mas a partir de hoje não voltem a falar em cortes de salários.
Tentei saber as reacções do governo, mas fecharam-se todos em copas e o Passos até mandou os capangas  seguranças afastar os jornalistas, para não responder às perguntas.
Vagueei um pouco pelas redes sociais e o que vi? Malta que apoia o governo a sugerir eleições antecipadas.
Bem, mas isso não é surpresa. Eu já tinha previsto a cena ( que me manda ser bruxo?) na segunda -feira. AQUI 

Luís Filipe Meneses já pagou as dívidas?

Luís Filipe Meneses ( o pai do garoto que é deputado) indignava-se ontem na TV, porque Costa  é presidente da câmara mais endividada do país.” E só não é a mais endividada do mundo, porque o governo lhe deu uma ajuda”- acrescentava.
É preciso ter uma lata de fazer inveja a um sucateiro, não ter um pingo de honestidade na puta da vida, ser fanático, não ter  miolos, ter sido responsável por  uma gestão ruinosa enquanto presidente da câmara da Gaia, ou   ser dirigente do PSD,  para  dizer um dislate desse jaez.
Não sei se Luís Filipe Meneses já pagou todos os calotes. Sei é que a direita anda desesperada com a eventualidade de o amigo Seguro deixar de ser líder do PS.  Já dias antes Nuno Melo, no Twitter, acusava Costa de deslealdade.
Enquanto Seguro permanece entrincheirado, Marco António Costa e Santana Lopes também saíram em  sua defesa .
A direita anda nervosa com a eventualidade  de  enfrentar  António Costa. É bom sinal!

Bibó Porto (3)

Não há nenhuma livraria em Portugal  ( e poucas existem no mundo) que, em anos sucessivos, tenha sido considerada por publicações como a Lonely Planet, ou The Guardian, uma das três mais belas livrarias do mundo.
À Lello não se vai apenas para ver livros. Também se lá vai para ver arte!

Era uma vez...

... um menino que gostava de brinquedos de guerra. Caros. Vivia, nitidamente, acima das suas possibilidades.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Se calhar, sou eu que estou a ver fantasmas onde eles não existem...

Governo estuda voto obrigatório

O conselho de ministros anunciou hoje, em comunicado, que foi sensível ao pedido dos que reclamam que o voto seja obrigatório. No entanto o governo decidiu que, numa primeira fase, vai tentar sensibilizar os portugueses, realizando um sorteio de 1000 motos BMW e 10 Volkswagen topo de gama, no próximo acto eleitoral.
Os eleitores do CDS terão um bónus adicional: uma viagem de submarino em regime de pensão completa.

Eu cá não sou de intrigas...

...mas palpita-me que quando ontem à noite Passos Coelho disse à malta laranja  " é preciso que compreendam que o que o governo fez não foi porque a troika impôs" estava a dizer ao país que Paulo Portas é um aldrabão e a avisar o CDS que estava preparado para juntar os trapinhos com o PS de Seguro, depois das legislativas de 2015.
Mas Passos Coelho não deixou de lançar pontes ao PS  para o caso de ser Costa o futuro líder do Rato, delegando a tarefa em Miguel Relvas. 

Dança de cadeiras



O problema do PS será só de liderança?  Era bom, era!
Uma eventual vitória de António Costa  não resolverá, por si só, os problemas. Dará   um novo élan ao partido, cuja dimensão dependerá da capacidade mobilizadora das propostas que Costa vier a apresentar ao país. 
Convém lembrar que, no concernente a propostas concretas, Costa ainda não apresentou nenhuma e, quando perguntado sobre o tema, foi bastante vago.  
Há dois aspectos que diferenciam o  líder do PS e o candidato à liderança :a combatividade e o carisma. Seguro é visto pelo eleitorado como um  panhonha, aliado de Passos Coelho e adepto do Bloco Central. Adepto de coligações à direita, sem uma centelha de audácia, Seguro é, na opinião de muitos, um líder fraco que cederá facilmente perante as exigências  do seu parceiro de coligação e das imposições europeias. 
António Costa  tem a imagem de  um líder mais combativo, capaz de bater o pé  à Europa, liderar uma coligação em que o PS seja vencedor  e com maleabilidade suficiente para  encontrar apoios à esquerda. Mas, acima de tudo, os portugueses  vêem em Costa  um líder capaz de  ganhar as eleições com maioria absoluta, enquanto recusam liminarmente essa possibilidade se for Seguro a liderar.
A imagem que cada um tem junto dos portugueses pode estar distorcida. No entanto, é a imagem  que  cada um deixa passar, que ganha votos.
Será a imagem de Costa suficiente para mobilizar os portugueses?  É provável. Não deixemos, no entanto, de sintonizar a realidade. Por toda a Europa, os partidos socialistas estão em declínio mas, apesar de Seguro , o PS português  foi o terceiro  partido socialista mais votado na Europa. 
O que quer isto dizer à luz dos resultados das europeias de domingo?
Que o eleitorado está farto  da modorra e conformismo dos partidos do Centrão e quer propostas mais ousadas. Os europeus querem propostas  que mexam com a Europa e lhe dêem vitalidade. Especialmente os jovens, que apostam no risco e não na manutenção do “status quo”  apenas interessante para as clientelas partidárias.  Por isso votam nos extremos  que lhes oferecem propostas mais ousadas, embora perigosas e que põem em causa a estabilidade. 
Em Portugal, muitos dos eleitores que votaram na CDU foram seduzidos pelo discurso ousado e diferente de João Ferreira, que  abordou a Europa colocando questões “fora da caixa”. Marinho e Pinto  ganhou simpatias pela combatividade e discurso agressivo, que vai ao encontro daquilo que as pessoas querem ouvir. O BE perdeu votos não só porque se esfrangalhou internamente, mas também porque as suas propostas fracturantes foram todas aprovadas pelo governo de Sócrates e o Bloco ficou sem discurso!
Costa poderá ganhar o PS. Mas só ganhará a simpatia do eleitorado e do país se apresentar propostas ousadas, fora do esquema conformista e redondo que caracteriza  os partidos do sistema.   Se o não fizer,  se não ousar arriscar e surpreender com as suas propostas, as mudanças no PS  serão  apenas  uma dança de cadeiras. O destino do PS será, então, o dos outros partidos  situacionistas  socialistas  social democratas do Centrão  europeu.  Comidos pelos extremos, desaparecerão da cena política. Paz à sua alma!

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Cuidado, muito cuidado!

Com as ilusões de óptica.  Já vi manhãs de nevoeiro, mas nunca vi delas emergir um D. Sebastião

Qual foi a parte que Seguro não percebeu?



Ao contrário do que argumentam alguns dos apoiantes de Seguro, ninguém contesta a legitimidade da liderança. O que está em causa é a capacidade e competência do líder do PS para mobilizar os socialistas e os portugueses em geral, com uma proposta alternativa ao governo.Bastaria analisar os resultados das europeias e as sondagens  para as legislativas, divulgadas no dia seguinte, para Seguro assumir o falhanço e, com dignidade, pôr o lugar à disposição.
Seguro não se limitou a  ignorar esses sinais. Assim que Costa manifestou disponibilidade para disputar a  liderança do PS,  amedrontou-se, reuniu as tropas e entrincheirou-se no Rato.
Os portugueses em geral – e os socialistas em particular- não compreendem o temor do líder do maior partido da oposição, candidato a primeiro – ministro. Se receia enfrentar os militantes que pretendem disputar-lhe o lugar, como é que Seguro um dia iria defrontar a oposição? 
Seguro já devia ter percebido que os portugueses não confiam nele como alternativa a Passos. Se o resultado das europeias não foi suficiente, então que leia jornais, veja televisão,  atente aos comentadores e perca uns minutos nas redes sociais. 
Se o fizer, perceberá que os apoios que lhe restam, fora das trincheiras, são os da direita. Quer da que está no governo, quer da que apoia a coligação que conduziu o país a este estado.
Perante isto, o normal seria Seguro dar o peito às balas e disponibilizar-se para enfrentar António Costa. Sem temores e com espírito democrático. Pelo menos era isso que eu esperava dele.
Seguro optou pelo pior caminho: recusar ir à luta. Apraz-lhe o conforto das palavras da direita? Do inimigo que ele quer combater?
Seguro dá a ideia de preferir ver o PS a desmembrar-se  em lutas intestinas,  a enfrentar um adversário interno e resolver o problema. Pior ainda. Ao recusar o confronto, admite a sua fraqueza.Admite a derrota. 
É esta postura, aliada a algumas cedências ao governo (  redução do IRC, apoio ao Tratado Orçamental, etc)  que faz  Seguro parecer um gémeo vitelino de Passo Coelho.  E o líder do PS tem feito muito pouco para se demarcar dessa imagem.  
Seguro só tem uma alternativa: ir a jogo e obrigar António Costa a apresentar as suas propostas. Aos socialistas e aos portugueses. Era isso que as suas tropas lhe deviam ter explicado, já que ele não percebeu.

Eu não esqueço...

Vou lendo e ouvindo  o argumentário do aparelho de Seguro para não convocar eleições  no PS e não posso deixar de sorrir. 
Não vou aqui reproduzir todos os argumentos. Basta-me um. Seguro não convoca eleições antecipadas, "porque isso seria violar a “Constituição” do partido, ou seja, os estatutos". Curioso argumento. Expliquem-me então, por favor,  a razão de exigirem a Cavaco a convocação de eleições legislativas antecipadas. O governo em funções não está constitucionalmente legitimado para exercer o seu mandato até 2015?
Argumentos à parte,  o esforço dos seguristas para se manterem no poder é – para quem ainda tenha dúvidas- a prova de que  a actual liderança do PS não está preocupada com o país, nem com o partido. Está apenas a lutar pela sua sobrevivência. Acusar António Costa de deslealdade é, no mínimo, risível!
Eu não esqueço a deslealdade de Seguro com Sócrates. Admito perfeitamente que se tenha afastado por discordar da política seguida pelo ex-primeiro ministro. Não esqueço é que Seguro – quando o declínio de Sócrates se começava a tornar evidente- deu várias entrevistas em que  Sócrates foi acusado das maiores barbaridades e não teve uma palavra em sua defesa. Na noite eleitoral de 5 de Junho de 2011,  ainda  Sócrates respondia a perguntas dos jornalistas, já Seguro se postava diante das câmaras para anunciar ao país que seria candidato à sucessão.
Quando  assumiu a liderança do PS demarcou-se de Sócrates, como se o ex primeiro ministro tivesse peçonha. Nunca ninguém lhe ouviu uma palavra em defesa do anterior governo. Isso não é deslealdade? 
É certo que o PS conseguiu uma grande vitória nas autárquicas, mas as europeias vieram demonstrar que não foi uma vitória de Seguro. A verdade é que o PS venceu as autárquicas, apesar dos erros de Seguro na escolha de muitos candidatos. Limito-me a recordar dois casos  paradigmáticos: Cascais ( onde escolheu António Cordeiro, presidente da Associação Nacional de Farmácias, que teve uma derrota estrondosa) e Matosinhos, onde impôs um candidato contra a vontade dos socialistas locais, que foi derrotado pelo anterior presidente da câmara, que se desvinculou do PS  para concorrer como candidato independente. 
O resultado das europeias confirmou aquilo que muitos militantes e simpatizantes socialistas  já sabiam: Seguro e a sua equipa não merecem a confiança dos portugueses. Se o líder socialista pusesse os interesses do país à frente dos seus interesses pessoais, teria feito como Rubalcaba em Espanha. Demitia-se no dia seguinte e convocava eleições no partido. Saía com dignidade e evitava lutas intestinas que apenas contribuem para enfraquecer o PS. A direita agradece e, certamente, não deixará de recompensar Seguro pelos bons serviços prestado.


terça-feira, 27 de maio de 2014

Late night wander (106)

Quando uma pessoa  percebe que está numa sala  a  criar mau ambiente e a  incomodar a maioria dos presentes, deve sair antes de ser empurrado. Para bem de todos.

Nervoso miudinho

Ainda não se sabe como vai evoluir a situação no PS e já anda por aí gente muito nervosa.

O abanão

Escrevi aqui, diversas vezes, que a Europa estava a precisar de um abanão e apanhar um susto para acordar e arrepiar caminho. Pensava que a ascensão da extrema-direita seria suficiente mas, pelas primeiras reacções pós eleitorais, não me parece. O Centrão europeu aceitou os resultados com enorme naturalidade e ainda não deu mostras de grande preocupação. Continuam a acreditar na sorte. E a verdade é que a tiveram, porque como  Le Pen e  Farage não se entendem, estão em dificuldades para criar um grupo com um mínimo de 25 deputados ( cada um elegeu 24) originários de sete países, isso retira-lhes força parlamentar.
Mas atenção, porque a sorte não dura sempre... Será que só vão aprender quando o esquentador (Juncker) explodir?
Em tempo: afinal parece que começaram a acordar antes do jantar

Estava tudo a correr tão bem...

Seguro andava feliz com a magra vitória do PS, que lhe abria caminho para um dueto governativo com Pedro. Ou até um ménage à trois, se o sucessor de Paulo quisesse entrar na festança do Centrão.
Pedro e Paulo andavam felizes... a noite eleitoral tinha-lhes corrido da melhor maneira possível. Perderam as eleições por uma pequena margem, criando condições para que Seguro se mantivesse no cargo, o que era um abono de família para a coligação e uma forte possibilidade de se manter no poder para além de 2015.  Até admitiam convidar Seguro a entrar na festa a isso fossem obrigados. 
Portas já estava a fazer as malas para partir para Bruxelas, onde dentro de algumas semanas iria tomar posse como comissário europeu.  As legislativas de 2015 seriam apenas uma formalidade e Portas não ficaria associado ao desaparecimento do CDS porque...já nem estava em Portugal.
Pedro convencera Maduro a ceder a Portas o lugar que lhe reservara em Bruxelas, apelando ao interesse nacional, porque o líder do CDS ameaçava com nova demissão irrevogável.
Resolveram tudo com um almoço de (re)conciliação.
Eis senão quando, acontece isto. 
Pode não ser a melhor ementa  mas, "naturalmente" é melhor do que servir  comida requentada. 

Cabecinha pensadora!

Se era preciso um sinal para confirmar a desorientação de Seguro, após a pífia vitória de domingo, ele apressou-se a transmiti-lo ao país. Ao  confirmar que o PS votaria  a favor da moção de censura que o PCP vai apresentar na AR para fazer um frete ao governo, Seguro confirmou igualmente que anda a ver passar os comboios. 
Já não se estranha esta verdadeira paixão que  PCP e PSD alimentam há anos. Surpreende é que um líder fragilizado como Seguro, depois de uma vitória pífia, não tenha percebido que a moção de censura do PCP tem como único objectivo entalá-lo a ele e ao PS. 
Como é que um homem  que se deixa apanhar nesta armadilha quase pueril, pode ter a confiança dos portugueses para ser primeiro ministro? Se ele ainda não percebeu o mais elementar da estratégia política do PCP, como vai perceber a Europa? 

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Boa noite!



Estou farto de ver avestruzes a quererem enterrar a cabeça na areia. Espera aí... estas avestruzes são cor de rosa!Afinal devem ser flamingos.

A quem interessa antecipar as legislativas?

Os resultados eleitorais de domingo poderão ter sido determinantes para antecipar as legislativas de 2015. O mais surpreendente é que, em vez de ser a oposição a pedir eleições antecipadas, talvez sejam os partidos do governo a fazê-lo. 
É o que acontecerá se a liderança de Seguro começar a ser contestada ( de estranhar é que não seja) e aparecerem candidatos credíveis para lhe suceder. Se surgir um candidato forte com propostas verdadeiramente alternativas e mobilizadoras do eleitorado, que destrone Seguro e vença a inércia do aparelho socialista, pondo em causa uma vitória da coligação que, face aos resultados das europeias, parece perfeitamente possível, então os partidos do governo terão todo o interesse em pedir a Cavaco a antecipação das eleições para Maio ou Junho. 
Apesar do péssimo resultado da coligação, será do interesse de Passos e Portas reduzir o espaço de manobra de um novo líder do PS, que precisará de tempo para ganhar a confiança dos eleitores socialistas desiludidos. 
Antecipando as eleições, os partidos da coligação poderão, também,  tomar algumas medidas  que dêem a sensação de haver uma real recuperação da economia e uma melhoria da qualidade de vida dos portugueses.
Não será difícil a Passos Coelho convencer Cavaco. Mais difícil será convencer Portas de que os dois partidos devem concorrer separadamente. 
Este cenário parece-me hoje perfeitamente admissível. Pode, porém, surgir uma pedra na engrenagem que atrapalhe a estratégia do governo: o Tribunal Constitucional. Se algumas das medidas do OE 2014 forem chumbadas ( ex:o corte dos salários dos funcionários públicos e a redução das pensões), o espaço de manobra do governo para fazer alguns números de ilusionismo ficará reduzido e Coelho e Portas, terão de ponderar se a antecipação de eleições lhes será favorável nesse cenário.

E a figura europeia destas eleições é...



Se no panorama nacional  destaquei  um nome de algum modo ligado a uma franja da esquerda, no plano europeu o destaque vai para uma figura tenebrosa  da extrema direita.
Apesar das divergências entre os paridos de extrema-direita europeus, a vitória em França pode vir a confirmar  Marine Le Pen  como  líder da extrema direita europeia, com um peso demasiado importante, para ser ignorado.  E há razões para acreditar nessa possibilidade.
 Os  26%  obtidos por Marine  Le  Pen  não seriam suficientes para reclamar  dissolução da Assembleia e eleições antecipadas, se  Hollande não tivesse tido uma derrota humilhante,  que deixou o PSF reduzido a menos de 15% do eleitorado!  Perante a  pressão que se antevê nas ruas, dificilmente Hollande conseguirá evitar a antecipação do escrutínio. Se Marine Le Pen vier a confirmar em legislativas, a vitória obtida nas europeias, terá fortes argumentos para  propor a união da extrema-direita europeia numa só família. O seu grande opositor será  Nigel Farge, líder do UKIP  que venceu as eleições no Reino Unido.  De qualquer modo,  a oportunidade de enfrentar  o poder de Merkel e colocar definitivamente em causa a moeda única e a UE, deverá ser suficiente para que Nigel Farge ceda aos argumentos de Le Pen, que terá no holandês Wilders ( líder da extrema direita) um aliado de peso.
Breve nota para o primeiro ministro italiano ( não eleito, recorde-se)  Matteo Renzi  que levou o PD a uma vitória esmagadora, que reduziu o partido de Beppe Grillo  e o Fuerza Italia de Berlusconni a papéis secundários.
Na Grécia, a vitória do Syriza de Alex Tsipras ( que ninguém sabe propriamente o que é ideologicamente)  merece igualmente destaque, mas o terceiro lugar do Aurora Dourada  ( à frente do PASOK) é aterrador!


A figura nacional : um conservador de esquerda

A figura que, em Portugal,  emerge  destas europeias é Marinho e Pinto. Sem uma máquina partidária a apoiá-lo, quase sem cobertura jornalística e aparecendo apenas a espaços nos canais de televisão, o ex-bastonário da ordem dos advogados conseguiu a proeza de convencer mais de  230 mil pessoas ( 7,2%) a votar nele. 
Se compararmos os votos do MPT em 2009 (23 mil) com os de 2014, é fácil concluir que foi Marinho e Pinto o responsável por esse  crescimento.  É muito cedo para se saber  o que representarão o MPT e  Marinho e Pinto no futuro. Em 2015 haverá um teste importante. Se Marinho e Pinto se candidatar às legislativas - o próprio ontem admitiu essa hipótese- quanto valerá o MPT na AR? 
A pergunta é pertinente, porque em campanhas legislativas, Marinho e Pinto não pode esconder dos eleitores de esquerda que nele votaram, a sua posição anti casamentos gay e  coadopção.   
Daí que seja pertinente a pergunta que muitas pessoas me fizeram nas últimas horas: qual a possibilidade de o MPT vir a ser parceiro governativo do PS em 2015?
Sinceramente, não acredito muito nessa possibilidade. Marinho e Pinto é uma pessoa de esquerda e poderia ponderar a hipótese de uma aliança com o PS, mas nunca com o actual líder socialista. Por outro lado, ao aliar-se com o PS perderia parte da sua base eleitoral, angariada entre os que aplaudiram o Palito e outros justiceiros de ocasião, empolgados com o seu discurso justicialista.
Apenas uma breve nota sobre o LIVRE. O partido de Rui Tavares teve 2% dos votos. Não foi um grande resultado, mas permite ao LIVRE sonhar com algo mais nas legislativas: a possibilidade de eleger deputados e até formar um grupo parlamentar.

domingo, 25 de maio de 2014

Balanço provisório

Vencedores
CDU: João Ferreira teve um discurso diferente, falou da Europa e dos grandes problemas que nos afectam e a CDU foi compensada por isso.
Marinho e Pinto: Foi uma campanha e uma vitória unipessoal. Ganhou visibilidade nacional e aproveitou-a da melhor maneira para ser eleito. Concorresse pelo MPT, ou por qualquer outro pequeno partido, teria conseguido sempre um resultado positivo. Mas esta é uma vitória que merece melhor atenção e, por isso, amanhã voltarei ao assunto.

Derrotados
Coligação PSD/CDS: Dê-se as voltas que se der, foi uma derrota estrondosa dos partidos do governo. Mesmo com a benevolência da comunicação social,  a coligação ficou abaixo dos 28%, um resultado histórico, na perspectiva negativa, obviamente.
Bloco de Esquerda: Quando se aliou à direita, para derrubar o governo de Sócrates, assinou a sua sentença. As divisões internas fizeram o resto.
Marisa Matias fez uma excelente campanha e mereceu ser eleita, mas não deixou de ser uma derrota estrondosa. 
António José Seguro:Poderá um homem que venceu as eleições ser um dos grandes derrotados da noite? Pode, quando se chama António José Seguro. O que torto nasce, tarde ou nunca se endireita. O modo como Seguro chegou à liderança do PS, a fraca empatia com os portugueses, a forma como procurou descolar-se da imagem de Sócrates e a falta de credibilidade do seu discurso, foram a receita perfeita para um desastre muitas vezes anunciado, mas em que ele não quer(ia) acreditar.
Os portugueses: Dois terços dos portugueses não foram votar. Quem cala, consente, portanto quem não foi votar deu um aval  à política de austeridade. Pobre povo que não sabe usar a única arma uqe tem para se defender. Talvez mereça a má sorte que tem


Empatados
PS: É certo que o PS ganhou as eleições, mas foi uma vitória pífia. Na situação em que o país está, ganhar com 4% de vantagem, é quase uma derrota. Se não quiser perder o jogo em 2015, terá que mudar de rumo, sim, mas também de discurso e de prática. Com este treinador não vai lá, mas parece que a direcção está interessada em mantê-lo.Azar para eles. Se quiser chegar ao governo em 2015, o PS terá de se contentar em fazê-lo no modelo Bloco Central. Será mais um desastre.

Primeiras impressões

A extrema direita avança em toda a Europa, especialmente em França (1º lugar), Dinamarca ( 1º) Grécia (3º) Inglaterra ( entre 2º e 3º)
O PPE volta a ganhar, embora com menos vantagem do que em 2009;
A extrema esquerda também ganha expressão sendo de destacar a vitória do Syriza na Grécia mas, em Portugal, o BE segue o caminho contrário ;
Os Partidos Socialistas europeus afundam-se em toda a Europa e, curiosamente, é em Portugal que um partido Socialista obtém a sua maior vitória, enquanto em França teve uma derrota quase humilhante;
Candidatos populistas ganham expressão nas urnas;
Os Verdes ganham um número significativo de deputados;
A abstenção manteve-se ao nível de 2009.
Conclusão? Haverá novas famílias no PE. O Bloco Central Europeu torna-se inevitável. Até ser comido pelos extremos.
Há razões para temer o futuro!

Ibéricos dão lição aos calvinistas

Estamos habituados a ver, nas competições europeias, ingleses, alemães e holandeses bêbados a perturbar distúrbios nas cidades por onde passam.
Ontem, em Lisboa, felizmente não havia nenhuma equipa do norte da Europa. Duas equipas sulistas, pertencentes aos PIGS, deram um exemplo de civismo. Vi as claques de Real e Atlético confraternizarem no Terreiro do Paço, no Rossio, ou na Av. da Liberdade á porta do hotel onde estavam instalados os merengues.
Ao contrário do que acontece quando cá vêm ingleses, alemães ou holandeses, não havia bêbados estendidos pelas ruas logo pela manhã, nem vi espanhóis a provocarem distúrbios.
Há duas semanas, quando Benfica e Sevilha se defrontaram em Turim, também não houve distúrbios e o convívio entre as claques ( disseram-me)  foi possível antes e depois do jogo.
Os porcos sulistas deram uma lição de civismo aos bárbaros do norte da Europa. Aprendam,  calvinistas bêbados!


Le premier bonheur du jour

Entrada de Cristo em Bruxelas
( James Ensor)

sábado, 24 de maio de 2014

António Costa mandou a Europa bugiar

A UEFA, numa atitude incompreensível apoiada pelo ministro Macedo, proibiu a colocação de ecrãs gigantes em Lisboa. 
António Costa não esteve de modas. Mandou a UEFA bugiar e colocou mesmo ecrãs no Parque Eduardo VII (para os adeptos do Atlético) e no Rossio (para os do Real).
Qualquer pessoa que hoje tenha passeado pela baixa lisboeta percebe que se os ecrãs não tivessem sido colocados, poderia haver grandes problemas. Onde iriam ver o jogo os muitos milhares de espanhóis que estão em Lisboa e não têm lugar no estádio nem reservas em restaurantes? E que imagem daria Lisboa?
António Costa não pertence ao grupo de ajoelhados  e manteve-se firme. "Em Lisboa, quem manda sou eu, perceberam?" Platini meteu o rabo entre as pernas.
Em tempo: não me lembro de um Dia de Reflexão tão animado em Lisboa

Dia de Reflexão

Como a CNE me mandou reflectir, hoje reflecti sobre isto...

Eu não me abstenho



Embora correndo o risco de ser coimado pela CNE, por estar a apelar ao voto, quero informar os meus leitores que amanhã não me abstenho. Como não estava cá no último fim de semana, não pude ir ao Mercado da Ribeira, mas amanhã não me abstenho de passar por lá. Depois de cumprir o meu dever cívico, obviamente.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

No dia 25 de Maio não esqueça (3)

Não tenha medo de votar contra os que venderam Portugal aos mercados bancos da senhora Merkel

Foto procura legenda para relacionamento sério (2)

Foto do Expresso
Esta manhã, Manuela Ferreira Leite foi tomar o pequeno almoço com Rangel. Nuno Melo também lá esteve mas, a avaliar pela foto, deve ter-se sentido um apêndice. No momento em que a foto foi tirada, o engatatão de Joane devia estar a pensar com os seus botões. "Mas que que é que vim aqui fazer? Será por não trazer gravata que a Manela não me liga puto?"
Isto foi o que pensei ao ver a foto mas, mais uma vez, deixo à imaginação dos leitores a proposta de legenda mais adequada.

A verdade é esta...

As eleições de domingo para o PE não vão alterar em nada a vida dos europeus, porque o PE deve ser o único parlamento do mundo onde os deputados (quase) nada decidem.  É essa a explicação para a elevada abstenção nos 28 países da UE. Quer isso dizer que não vale a pena ir votar? Não.
Em Portugal, o dia 25 é uma oportunidade de os cidadãos exprimirem o seu repúdio  e o seu  protesto contra este governo, através do voto. Mas também contra esta Europa que nos impôs a canga e arranjou uns capangas que a mantivessem bem apertada
Os portugueses fogem cada vez mais das manifs. Estão a acantonar-se cada vez mais nos seus refúgios corporativos, para manifestar o seu desagrado. Estão a  resvalar para a indiferença, que é o pior inimigo da democracia. Estão a ser invadidos pelo medo de um futuro negro, se não acatarem as decisões da corja que nos governa.
Posso compreender isso tudo. Não posso é aceitar a abstenção.Não votar no dia 25 é aceitar este governo. Quem ficar em casa, merece o governo e a Europa que tem. 

Sobe,sobe, balão sobe!


A corja aliancista anda há duas semanas a tentar encher o balão do optimismo, para ver se engana mais uma vez "o melhor povo do mundo".
A realidade, porém, insiste em contrariar o optimismo reinante na dupla que começa a manhã a enfrascar-se diante das câmaras de televisão:
Os juros voltaram a subir e já ultrapassaram os 4%. A escalada da dívida parece imparável e- revelou hoje o Banco de Portugal-  atingiu em Março os 132,4%
Constou-me que alguém sugeriu ao Portas a inauguração de um novo relógio. Desta vez, para contar os dias que faltam até ao regresso da troika.Ou, por outras palavras, quando é que o balão rebenta.

Devo ter sonhado...

Havia de jurar que ouvi há dias a Marilú falar em  taxas sobre produtos nocivos à saúde e o secretário de estado da saúde a dizer  qualquer coisa como obrigação de defender a saúde dos portugueses para justificar a medida.  Devo ter sonhado, pois se isso fosse verdade o governo não iria assinar este acordo com uma cadeia de fastfood 
O CR atreve-se, no entanto, a sugerir um mote para a campanha: BigMac, small wages

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Quem discorda de Pinto da Costa?

O presidente do FC do Porto não costuma meter-se em política, nem tecer grandes comentários sobre governantes. A  última vez que me lembro de o ter feito foi quando Catroga mandou penhorar as retretes do estádio das Antas- o então ministro das finanças deve ter confundido com as retraîtes  que este governo penhorou.
Hoje, em Gaia, Pinto da Costa voltou a falar de política para dizer uma coisa de que poucos discordarão:
" os actuais governantes deviam ter vergonha, fazer as malas e abandonar o país"

Rangel fez-se de burro, ou só fingiu?



O professor Marcelo foi ontem a Coimbra fazer um dos seus números de circo. " Voto na Aliança Portugal, porque  só há uma lista que apoia Juncker e ele é o homem certo para ser o próximo primeiro-ministro da Europa" - disse Marcelo durante o comício da versão europeia dos traidores que venderam o país a interesses estrangeiros.
De acordo com a comunicação social, esta declaração de Marcelo provocou bastante incómodo nos apoiantes da lista dos traidores de Portugal. Redes sociais e comentadores analisam o discurso como uma demarcação do professor em relação à Aliança.
A minha interpretação é radicalmente diferente e oposta à que vem sendo veiculada. Marcelo sabe perfeitamente que as eleições do próximo domingo não são para eleger o "primeiro-ministro da Europa", mas sim os deputados ao PE. Sabe também que -   mesmo no caso de uma vitória do PSE - Juncker será sempre o sucessor de Barroso, porque o PPE conseguirá formar alianças no Parlamento Europeu que garantam o apoio à decisão do Conselho Europeu que, claramente, apoia para a escolha de Juncker. Uma vitória do PSE  será sempre por uma diferença escassa e os socialistas europeus não conseguem, à esquerda, os apoios de que necessitariam para impedir a vitória do candidato do Conselho.
Houve duas razões que levaram Marcelo a  fazer aquele número de circo.
Primeira: desvalorizar uma eventual vitória folgada do PS no próximo domingo. Na noite eleitoral, Marcelo dirá, com aquele ar cândido que se lhe conhece "o que interessava, nestas eleições, era a vitória do candidato do PPE e isso foi conseguido. Aliás, já tinha dito isso esta semana num comício da AP, em Coimbra, o que me valeu aliás diversas críticas do meu partido"
Segunda: Ao fingir que a sua  declaração  visava demarcar-se da Aliança Portugal, Marcelo estava a pensar nas presidenciais. Dando uma imagem de independência em relação ao actual governo, Marcelo estava a pensar nas presidenciais de 2016.  Piscou o olho ao eleitorado centrista e laranja, descontente com o actual governo -e mesmo a alguns socialistas- dizendo-lhes: podem contar comigo. Não sou como Cavaco. Mesmo que o PSD venha a integrar o próximo governo, vou sempre defender os interesses dos portugueses e não deixarei de actuar de acordo com aquilo que penso que é melhor para o país. (obviamente que é mentira, mas muitos papalvos cairão na esparrela)
Não acredito que Paulo Rangel não tenha percebido a jogada de Marcelo. Fez-se de burro e fingiu algum desconforto, mas entregou a Nuno Melo o papel de amuado. Esse, sim, intrinsecamente burro.
Aviso: para perceber melhor o que se passou em Coimbra - e, vá lá,  conhecer um pouco mais as matreirices de Marcelo -  aconselho a leitura deste excelente texto de Ana Catarina Santos


O pior é depois...

Circulam por aí notícias a dizer que Portugal é um dos melhores países para se nascer. O meu comentário imediato foi "o pior é depois" (quando chegam a adultos).
Hoje, o meu comentário torna-se ainda mais restrito. Para nascer, Portugal pode ser um país do caraças  mas,  para viver,  nem às crianças interessa...

No dia 25 lembre-se...(2)


Foto procura legenda para relacionamento sério!

Desde que virou vice, o Paulinho das feiras mudou de palco. Nesta foto, faz-me lembrar o Jack Nicholson em "Voando sobre um Ninho de Cucos" mas desafio os leitores, muito mais imaginativos do que eu, a colocarem a legenda adequada a esta foto de campanha ( imagem do Expresso), tirada ontem em Aveiro.  A expressão contemplativa de Rangel, perante o ar meio tresloucado  de Portas, levanta-me dúvidas sobre o local onde estavam os figurões.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Afinal tem lógica...

Deve ter sido ao ver este video que alguém no BE se lembrou de propor o ensino obrigatório do surf nas escolas.

No dia 25 de Maio não esqueça (1)


"A Europa é um comboio prestes a explodir"

Este tem sido o aviso constantemente martelado por Marine Le Pen durante a campanha eleitoral para as europeias, que tem encontrado eco nos cidadãos europeus, cada vez mais martirizados por esta saga austeritária, cujo único objectivo é torná-los escravos do poder financeiro.
Sondagens recentes revelam que 49% dos franceses estão fartos da União Europeia, elevando-se a percentagem para cerca de 60%, entre os cidadãos da zona euro.
Não espanta, por isso, que a Front National  continue a liderar as sondagens em França, devendo ser o partido mais votado nas eleições do dia 25, com uma vantagem de cerca de 4 pontos percentuais sobre a direita (UMP). 
 A avaliar pelas sondagens, o discurso anti europeu colhe cada vez mais adeptos.
Puro engano.  Acabo de ler no Público uma sondagem divulgada pelo jornal Le Parisien, com resultados que me deixam perplexo:
79% dos franceses não querem sair do euro e 81% dizem mesmo que se trata de uma proposta sem credibilidade;
Dois em cada três franceses tem uma opinião negativa de Marine Le Pen e três em cada quatro não confiam nela para governar;
 77% dos eleitores franceses identificam a  FN como  um partido de extrema-direita e 60% acusam Marine Le Pen de ser racista.
Face aos resultados desta sondagem, como se justifica que a FN  seja o  partido mais votado e recolha entre 24 a 25 por cento dos votos no próximo domingo?
Será porque o desespero nunca foi bom conselheiro e coarcta o discernimento das pessoas, na hora de decidir?

Tesourinhos deprimentes

Anda por aí muita gente esquecida deste mentirolas hipócrita , mas vale a pena lembrar. Esta é a versão curta ( 3 minutos)
Se quiserem a versão completa (15 m) podem ver aqui
Duvido é que consigam aguentar tanta nojeira junta!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Resgates

Felizmente eram estrangeiros. Se fossem portugueses já toda a comunicação social estaria a dizer que era uma praxe

PSD contrata psicólogo para a campanha eleitoral

Um amigo psicólogo, especialista em terapia familiar, costumava aconselhar os casais a evitar discussões estéreis e violência, partindo objectos para libertar as pulsões.
"Isso acalma-vos e evita males maiores" - lançava em tom de aviso
Provavelmente no PSD alguém conhecia este psicólogo e decidiu contratar para a campanha um psicólogo  que ao sábado costuma demonstrar, num canal de televisão, a sua capacidade de adivinhação. Logo na primeira sessão de terapia, não esteve com rodeios e disse aos simpatizantes laranja:
" Desabafem nas redes sociais, mas não deixem de votar neles"
O que talvez  MM não soubesse é que um dia, um paciente do psicólogo meu amigo entrou no consultório muito queixoso e com um grande penso na testa.
- Então que lhe aconteceu?- perguntou o meu amigo
- A culpa foi sua, senhor doutor!
- Minha? Então porquê?
- A minha mulher seguiu o seu conselho e, no meio da discussão pegou num cinzeiro pesado que temos na sala mas, em vez de o partir contra a parede, partiu-o na minha cabeça.
Faço votos para que aconteça o mesmo aos eleitores que no próximo domingo sigam o conselho do psicólogo laranjas e votem neles



O fotógrafo estava lá...

E captou o momento em que esta idosa ouvia o discurso de Cavaco em Macau.
Quando ouviu o PR dizer que é preciso agarrar as portas abertas, comentou:
" Obligado, senhô plesidente! Assim apanham todos uma pneumonia e vêm complal medicamentos à minha falmácia chinesa"

Seguro é um cromo?

Se o Tratado for uma caderneta de cromos, Seguro será o carimbadoPassos, PCP e BE colam  Seguro ao Tratado Orçamental

O regresso


Com o regresso a Lisboa, acabaram-se mais umas férias turísticas do casal Silva. Como é habitual a senhora Maria não prescindiu de dizer uma bacorada e o o esposo- apesar de ligeiramente frustrado por ainda não ter conseguido aprender a comer com os "pauzinhos"-  não perdeu a oportunidade de fazer de bobo e figura de turista curioso na Cidade Proibida.
Por esta hora, no avião de regresso carregado de souvenirs, a comitiva acompanhante desdobra-se em mesuras ao casal presidencial e os jornalistas esperam que o cabeça de casal faça umas declarações para passar o tempo e amenizar a dureza da viagem.
Quando a embaixada presidencial aterrar em Lisboa, meio país vai lamentar  que o casal Silva não tenha optado por emigrar para o Oriente mas, pior do que isso, que a chegada dos Silva anuncie o fim dos dias estivais e o regresso da chuva.
O casal Silva continuará  na sua mansão de férias, até 2016, porque as férias em grupo também cansam. talvez tenham tempo para aprender a comer com chopsticks. Ou então, a tentar resolver este problema...

domingo, 18 de maio de 2014

Um post à medida das estatísticas do governo

Com uma pontinha de sorte e uma equipa presa por arames, o Benfica venceu a Taça de Portugal, derotando o Rio Ave por um magro 1-0.Parabéns aos leitores benfiquistas.
Como dizia Jorge Jesus o passado pertence aos museus, por isso, na hora de fazer o balanço das vitórias na Taça de Portugal , limito-me ao espaço temporal deste século XXI. O balanço é este:
FC do Porto- 6 vitórias
Sporting CP-3
SL Benfica- 2
Vitória de Setúbal-1
Académica-1
Vitória de Guimarães-1



Meninos à sala...


Le premier bonheur du jpur



Hoje é dia de final da Taça de Portugal, por isso decidi recuperar esta memória.
O cartoonista português Rodrigo de Matos venceu o Grande Prémio Press Cartoon Europe com um trabalho, publicado no semanário Expresso em Novembro do ano passado, sobre futebol e a crise económica portuguesa.
O Press Cartoon Europe é uma iniciativa do organismo Press Cartoon Belgium, para distinguir os melhores cartoons publicados em jornais, revistas e meios de comunicação na Internet, oriundos da Europa.
Tenham um bom domingo

sábado, 17 de maio de 2014

Hoje há ( houve?) show de travestis

Pelo menos, foi o que anunciou Marcelo Rebelo de Sousa no domingo, na TVI. Segundo o comentador/ professor/aspirante a PR, o conselho de ministros de hoje é um comício eleitoral travestido de conselho de ministros. Como já tinha sido o da semana passada.  Paulo Portas tem cada vez mais influência no conselho de ministros que, um dia destes, ainda vai reunir na nova sede da PJ, ali ao Conde Redondo.

Qual é o problema?

Se temos  ministras com bigode e ministros sem t....... porque é que os austríacos não hão-de ter uma cantora barbuda?

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Ternura é...



Ver um  grupo de gajos que passaram a vida inteira a criticar a China por causa da exploração da mão de obra, do regime ditatorial, da falta de democracia, (etc,etc.etc) andarem por Pequim e Xangai, de mão estendida, a pedir "compre-me lá estes pensos, que eu tenho fome!".

Sobre a reunião do BCE em Portugal no dia 25

Só demonstra que as instituições europeias se estão borrifando para as eleições. Ponto final!

Bibó Porto (1) : O monumento

Como vos prometera, aqui está a  nova rubrica Bibó Porto. Optei por iniciá-la com a divulgação de um monumento que rivaliza com o mais conhecido da cidade, a Torre dos Clérigos.
É pouco provável que encontrem Sara Sampaio durante uma visita ao Porto, porque se trata de um monumento itinerante, mas foi lá que ela nasceu, cresceu e ganhou estas belas formas. 
Pelo menos para os leitores, creio que terá sido uma boa escolha para iniciar esta rubrica. Não vos parece?

quinta-feira, 15 de maio de 2014

A saúde está primeiro...

... mas eu não bebo água do Vimeiro.
 Fiquem por isso a saber que quando aqui insultar algum membro do governo, ou desbocar um palavrão, estou a velar pela minha saúde

E assim fica provado...

Negócios da China



O governo quer vender os transportes de Lisboa e do Porto. Os chineses parecem estar interessados. Para tornar o negócio mais aliciante, o governo decidiu assumir as dívidas das empresas transportadoras. Por outras palavras: os contribuintes portugueses roem os ossos e os chineses ficam com a carne do lombo.
A propósito... sabe de onde vem a expressão "negócio da China?"

quarta-feira, 14 de maio de 2014

C'um caneco! Não adianta chorar...



Ponto prévio: durante quase três horas, torci pelo Benfica como se fosse o meu FC do Porto que estivesse lá. Sei que alguns dos meus amigos benfiquistas - e os benfiquistas em geral- torcem sempre pelas equipas estrangeiras quando jogam contra o FC do Porto, mas eu sou assim, torço sempre pelas equipas portuguesas. Devo ter mau feitio...
No final, no entanto, não pude deixar de lembrar uma frase proferida por alguém: as finais são para ganhar. Depois fiz as contas.
Em 29 anos, o FC do Porto jogou 11 finais, venceu 8 e perdeu 3 ( duas supertaças europeias e a Taça das Taças de 1985 contra a Juventus-a primeira final europeia dos azuis e brancos)
Em 53 anos o Benfica jogou 12 finais ( sim, a Taça Intercontinental também conta) e venceu apenas duas.
Desculpem-me os amigos benfiquistas, mas há certamente razões para isto que não têm a ver apenas com a sorte, nem com pragas do Béla Gutman...

A Lei da Rolha



Mesmo que um funcionário público conheça casos de corrupção, ou clara violação da lei pelos dirigentes, deve é estar caladinho, para não prejudicar a imagem do serviço?

Para acabar com a maldição?

O Benfica mandou fazer uma estátua de Béla Gutmann, para ver se acabava com a maldição do húngaro. Será hoje? Todos esperamos que o SLB vença, mas não será por isso que a maldição pode ser considerada extinta, porque o húngaro não se referia à Liga Europa ( que na altura ainda nem existia), mas sim à Taça dos Campeões ( hoje em dia Liga dos Campeões).

O Fado do Enganado


Nem em Macau Cavaco evita a controvérsia das condecorações
Aliás, ler por estes dias a imprensa de Macau é a confirmação  de que o desprezo  pelo Zé das Medalhas por Cavaco vai muito além das fronteiras lusas.
Leia-se, por exemplo, a crónica de  Carlos Morais José  ( sei bem o que fizeste no Verão passado)
ou Inês Gonçalves no Ponto Final

terça-feira, 13 de maio de 2014

Aceitam-se apostas

A que horas, e em que local,  é que Cavaco dirá a primeira bujarda durante a sua visita à China? (esta não vale, porque se enquadra dentro das habituais visões da Maria)
Por falar em Maria...Qual a cor do vestido que vai usar  na recepção no consulado de Macau?

Um dia destes ainda canta...



O que mais irá esta gaja fazer em palco? Um dia destes ainda a vamos ver a cantar!

À espera da vaga de fundo...

Eu não quero mas, se pedirem muito, lá terei de me candidatar a Belém

À sombra de uma azinheira



Este Maio de 2014.está a candidatar-se a Mês dos Prodígios, tantos são os factos insólitos que estão a ocorrer. Não me refiro apenas ao clima, nem àquele simulacro de comício no palácio da Ajuda. Também  estou a aludir à  nova versão da Viagem do Elefante empreendida pelo casal Silva que, acompanhado de um numeroso séquito, rumou ao Oriente. Tenho em mente a campanha eleitoral para as europeias e o alheamento da população, cansada de discursos e sem perceber patavina do que está em jogo no dia 25, mas isso já não é um facto insólito, mas sim uma banalização da democracia que os mais atentos já perceberam onde vai acabar.
 Verdadeiramente insólito, porém, foi o governo ter transformado o  "adeus à virgem" habitual no 13 de Maio, num "adeus à troika" agendado para o próximo dia 17, em plena campanha eleitoral para as europeias,  e o regresso de Manuela "Bocas" Guedes à actividade informativa. Será na RTP Informação e o papel atribuído a Manuela Moura Guedes será o de comentadora!
Poiares Maduro recupera assim a manipuladora jornalista que com os seus dislates e histerias na TVI, em muito contribuiu para a queda de Sócrates e a ascensão de Coelho. Prevejo que, com o aproximar das legislativas de 2015, Maduro lhe ofereça um espaço informativo onde, utilizando a capa de jornalista, Manuela  invente um bom conjunto de falsidades sobre Seguro e outras figuras do PS.
Mas como a  máquina manipuladora da dupla Maduro/Lomba não pára, começou já a arrebanhar escribas que promovam a figura da jornalista, ornamentando-a com os epítetos mais risíveis. Na verdade, dizer que MMG é uma mulher culta só podia passar pela cabeça de uma Azinheira. 
Mas como estamos em tempo de glorificação dos travestis, com ou sem barba, ninguém leva a mal que se promova a grande figura do jornalismo, uma agente ao serviço do governo,  travestida de jornalista.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

A sentença

O voto de vencida da juíza Helena Susano  ( ler aqui) no julgamento de um dos casos do BCP, merece uma leitura atenta. Não só pela ironia do texto, mas também porque nos deixa a certeza de haver ainda juízes honestos, que se recusam a alinhar em palhaçadas.
Valerá a pena acompanhar o percurso profissional-e não só - dos três juizes do colectivo. Talvez, um dia, se fique a perceber a razão de tantas prescrições aparentemente incompreensíveis.


Broncas na Universidade

Teresa Leal Coelho


O PSD adora Universidades de fim de semana. Seja porque os seus militantes não as frequentam com grande assiduidade ( preferem os créditos e as equivalências) ou porque só para lá entram por volta dos quarenta, o PSD organiza Universidades por dá cá aquela palha. Depois das Universidades de Verão, chegou a vez da Universidade da Primavera a que decidiram chamar Universidade Política.
Para abrilhantar estes cursos relâmpago (cujos únicos objectivos são dar créditos políticos a quem os frequenta e tempo de antena aos oradores) o PSD convida personalidades mais ou menos mediáticas que têm por função gerar soundbytes. 
Na Universidade Política que decorreu durante o fim de semana, Teresa Leal Coelho resolveu fazer uma gracinha e ao apresentar o orador Mota Pinto- depois de enaltecer as suas qualidades- asseverou que a única nódoa no seu curriculum era ter sido juiz do tribunal Constitucional.
No final, interpelada pelos jornalistas, disse que se tinha tratado de uma brincadeira e não se apercebera da presença de jornalistas na sala. Os jornalistas fizeram questão de sublinhar esse desconhecimento e  assim branquear a tirada da deputada laranja. Muitos terão engolido a desculpa mas eu- como sempre desconfiado - ainda me lembro desta advertência da deputada Teresa Bronca, digo, Leal Coelho aos deputados e não acredito na narrativa.
Teresa Leal Coelho, amásia de Vale e Azevedo, (ela era só sócia do ex-presidente do Benfica, estava a brincar) sabia muito bem que havia jornalistas na sala e pretendeu que a sua frase fosse replicada na comunicação social. 
Já na véspera, Marcelo tecera críticas galhofeiras e soezes sobre Seguro que arrancaram fortes gargalhadas dos labregos estudantes presentes. No final, disse que esperava  que as suas palavras sobre Seguro não tivessem sido gravadas, sabendo perfeitamente que as câmaras estavam ligadas.
 Deixar cair umas farpas como se estivessem a falar em privado, mas esperando que sejam replicadas pela comunicação social, faz parte de uma nova estratégia de marketing da dupla Maduro/Lomba. Pelos vistos, com sucesso garantido.

Os patriotas

Mais uma prova do grande patriotismo do nosso governo ( ou a história de um secretário de estado da cultura que se limita a ser mordomo em comícios, apresentados pela comunicação social como conselhos de ministros)

Dúvida

A UE que se apressou a reconhecer o governo de Kiev, eleito numa praça com votos de braço no ar e o apoio dos fascistas é a mesma que não reconhece os referendos de ontem por "não terem legitimidade democrática"?

domingo, 11 de maio de 2014

Bibó Porto!

Maio costuma ser mês de festejos no Porto. Muitos portuenses antecipam o S. João, celebrando as conquistas desportivas do FC do Porto. Ainda me lembro de ano passado, num único fim de semana, ter celebrado a conquista dos campeonatos de futebol andebol e hóquei em patins. 
Este ano as coisas correram mal e os festejos fazem-se em Lisboa, com um entusiasmo que há muito se não via. Oportunidade, por isso, para lembrar que no Porto há muitas outras razões para celebrar. É com esse intuito que, em breve, darei início à rubrica "Bibó Porto" onde demonstrarei que o Porto é muito mais do que um clube de futebol de excelência e proporciona a quem o visita muitas razões de regozijo. 

Ou muito me engano...

Ou Madrid já está com a cabeça em Lisboa e quem aproveita é o Barcelona que se arrisca a ser campeão, quando já todos garantiam que o Barça estava morto. O facto de as equipas madrilenas terem jogado sem os seus craques mais adensam a minha convicção de que a aposta de ambas nesta época tem data marcada: 24 de Maio em Lisboa.
Resultados de hoje:
At. Madrid 1- Málaga 1
Celta 2 - Rela Madrid 0
Elche 0- Barcelona 0
Na próxima semana joga-se a última jornada e há um escaldante Barcelona - At. de Madrid, que decide o título. (Uma vez mais, o Real Madrid deixou fugir o título nas últimas jornadas).
Força, Barça!

Na China também se pirilampa?



Os Silva foram passear até Macau e China com uma extensa comitiva. Nada a  que não estejamos habituados. O único espanto é terem escolhido o mês de Maio, que a D. Maria tinha dito que era um mês para "pirilampar"
Será que pirilampar e passear são sinónimos e eu não sabia, ou na China também se pirilampa?

Le premier bonheur du jour

Votos de um excelente domingo

sábado, 10 de maio de 2014

Em sintonia?


No mesmo dia em que o NYT "jogava" com esta frase, Portas lembrava a um grupo de empresários que "Bosch é bom"

É preciso estar atento aos sinais...

Quando, num curto espaço de tempo, três grandes bancos estrangeiros manifestam a intenção de sair de Portugal, há qualquer coisa que  me diz que alguma coisa não deve estar a correr bem. Pior ainda, quando um deles (Barclay's) decide abandonar as operações em todos os países do sul , incluindo França. 
Às tantas sou eu, que não percebo nada de finanças, que estou a ver fantasmas onde eles não existem. 

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Jantar em silêncio ( Actualizado à hora da sobremesa)

Parece que no dia 25 a Lagarde, o Barroso e o Draghi só vêm para jantar. O seminário só começa no dia 26. Tudo bem. Agora fico na expectativa de ver como se comportará a comunicação social portuguesa nesse dia, quando o trio aterrar na Portela...
Enquanto aguardo e  a esquerda protesta, registo o silêncio do PS. Quem cala consente?
Em tempo: hoje, às 22h57m o JN publica esta reacção do PS. Chegou à hora da sobremesa. Mais vale tare do que nunca)

Temos pena, mas...

Nos últimos dias de Abril, o governo autorizou  os proprietários do cinema Londres a mudarem a actividade do espaço. Os proprietários conheceram a decisão através dos jornais e avançaram com as obras para a instalação de um estabelecimento comercial.
Tenho pena de ver o Londres transformado em loja de produtos chineses, porque era das poucas salas onde ainda entrava para ir ver um filme.  É, porém, uma perda de tempo e uma injustiça acusar o governo ou a autarquia, pelo encerramento. Somos todos culpados. Nas últimas vezes que lá entrei as salas estavam sempre às moscas  e, como acontece em qualquer outro ramo de actividade, quando não há clientes não há condições para sustentar o negócio. São as leis do mercado a funcionar. Como aconteceu  com o Quarteto e o King ou, em tempos mais recuados, com as grandes salas de cinema lisboetas e portuenses.
Lamento o desaparecimento de salas de cinema  livres de pipocas. Como noutros tempos lamentei o desaparecimento da Colombo e da Roma, para darem lugar a assépticos e mal cheirosos McDonalds. Tenho pena, mas nada posso fazer. Sempre preferi cafés e pastelarias a estabelecimentos de fast food, mas tenho de reconhecer que  fomos nós, consumidores, que  condenamos esses espaços à morte. 
Somos nós, através das nossas escolhas, que escolhemos o modelo social em que queremos viver. Temos um poder enorme nas nossas mãos que desconhecemos, ou não sabemos exercer. Pensamos, erradamente, que só podemos mudar a sociedade através do voto em eleições. Os consumidores têm muito mais poder do que isso. Foram os consumidores que escolheram as cadeias de fastfood em detrimento dos cafés; os centros comerciais em vez do comércio tradicional; o home cinema  como substituto cómodo da sessão de cinema. E por aí adiante. Cada escolha que fazemos é um voto num determinado modelo e isso representa um poder enorme que os consumidores desconhecem e cuja importância, por vezes, até desdenham.  No entanto, se não fossem os votos persistentes dos consumidores do leste europeu na Internacional Consumista, ainda hoje haveria muro de Berlim e se falaria da Cortina de Ferro. 



Esquizofrenias

Pedro Passos Coelho, além de uma difícil relação com a verdade, tem uma relação complicada com a realidade.
Quinze dias antes de aumentar a TSU e o IVA, garantia que não iria aumentar impostos.
Esta semana voltou a garantir que não haveria mais aumento de impostos mas hoje, na AR, voltou a admitir essa possibilidade.
Seria bom para o país que PPC fosse submetido a uma junta médica independente porque o homem, com tantas contradições, só pode ter um problema de saúde grave.
PPC é um insulto à inteligência dos portugueses. Ao pé dele, Sócrates é uma pessoa impoluta e um governante de excelência. E, acima de tudo, uma pessoa com boa saúde mental.

E vão comemorar o quê?




Hoje comemora-se o Dia da Europa. Em vários países europeus é feriado. Olho para a Europa do século XXI  e pergunto-me: vão comemorar o quê?
- Não terem reconhecido a vitória do Hamas e apoiado os corruptos,  apesar de terem admitido que as eleições tinham sido livres e justas?
- Terem- se apressado a  reconhecer a independência do Kosovo - um país que só existe no papel- e aberto o caminho para a proliferação de movimentos independentistas?
- Terem reconhecido e apoiado financeiramente o governo fascista da Ucrânia, eleito numa praça, por fascistas de braço no ar?
- Terem criado condições para o crescimento da extrema-direita  na Europa?
- Terem esmifrado os povos do sul e enriquecido com a sua miséria?
- Terem promovido uma política de aumento das desigualdades?
- Terem criado novos escravos, com  salários de miséria e liberalizado os despedimentos?
- Terem aumentado o desemprego, a pobreza e a fome?
-Terem desmantelado o Estado Social e promovido uma política social em que uma vaca recebe um subsídio de 2€ por dia, superior ao que é conferido a um  cidadão com fome?

Não há razões para festejos.A Europa - escrevo-o pela enésima vez- está a esboroar-se e começa a ser pouco respeitada no mundo inteiro. Já toda a gente percebeu que a UE interessa apenas a meia dúzia de países que pretendem explorar os restantes. Não foi esse o espírito dos seus fundadores.
Por isso, hoje, em vez de comemorar a construção europeia, despeço-me da Europa. Sem mágoa. Apenas com o desprezo que sinto pelos crápulas. A Europa actual é isso. Um grupo de crápulas, mentirosos, incompetentes, fascinados pelos cifrões, insensíveis com as pessoas e programados como computadores, que governam um continente que já deu bons exemplos ao mundo.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Alegoria(s) da saída limpa

A saída limpa tem-me feito recordar, por estes dias, algumas histórias antigas que esmaecem o alvoroço festivo que se apoderou da coligação do pote.
Em primeiro lugar veio-me à memória o caso da FORD, no início do século passado.  O FORD T foi um sucesso de vendas mas os consumidores, fartos que estavam da cor preta, começaram a exigir  automóveis com outras cores.  Henry Ford, conhecedor da teoria da "Necessidade de Satisfação do Cliente", mas indisponível para fabricar automóveis com outras cores, porque seriam um obstáculo à produção em massa e tornariam o carro mais caro, reagiu com sobranceria e disparou: 
As pessoas podem ter o carro da cor que quiserem, desde que seja preto.
Com a saída limpa, ocorreu algo de semelhante: o governo não tinha escolha, porque os parceiros europeus não estavam dispostos a apoiar um programa cautelar.
Ocorreu-me também outra história, porventura mais divertida, que ilustra as consequências de uma saída sem rede. Se as coisas correrem mal e os juros subirem, muito provavelmente, será este o resultado...

Ai, Tozé, Tozé!

Só ontem à noite vi a entrevista de Seguro ao "Expresso". Sem surpresa, confirmei que ali não nascem ideias novas  há uma década. Confirmei, igualmente, que o líder do PS não se compromete com nada. Nem descida de impostos, nem reposição de salários e pensões, nem redução do horário de trabalho dos funcionários públicos para as 35 horas. O único compromisso que assume é a descida do IVA da restauração. (Sobre o IRC e a TSU não foi perguntado).
A manutenção desta promessa cheira-me mais a compromisso assumido com parceiros sociais, do que a convicção. É que a descida do IVA da restauração, nesta altura do campeonato, não vai alterar absolutamente nada. Nem vai gerar empregos como ele julga, se a economia não reanimar, nem vai beneficiar os consumidores, porque a AHRESP já veio esclarecer que os preços não descerão se o IVA baixar, porque as margens de lucro são muito curtas.
Assim não descolas não, Tozé. Mas isso talvez seja uma boa notícia!

Como fazer bebés?

No meu tempo toda a gente sabia como se faziam os bebés. Difícil era saber como evitá-los. Agora os casais precisam de explicações...

Retratos da Europa (3)