quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Que mais me irá acontecer?

Estou ao balcão da Versailles a tomar a bica matinal e a ler as gordas do "Público". Quando me preparo para pagar, vejo Zita Seabra à minha direita. Não há como evitar os cumprimentos de circunstância, praticamente sem trocar uma palavra.
Olho para a esquerda. Dou de caras com a Assunção Esteves. Felizmente está embrenhada na leitura e saio de fininho, sem lhe dirigir a palavra. Foi um alívio para os dois.
 Que mais me irá acontecer? Querem ver que ainda vou dar de caras com a Marilú? Mas a essa podem ter a certeza que vou falar, porque não a conheço de lado nenhum. Ai vou, vou!

17 comentários:

  1. ...reparo que frequenta lugares chiques e que não conhece gente vulgar.

    ResponderEliminar
  2. ...onde se passará o próximo post? No Gambrinus?

    ResponderEliminar
  3. Pior que isso, já mau demais - seria encontrar o Sr. Silva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PIOR ainda seria encontrar a Sra. Silva, não a mulher do Cavaco, mas uma das muitas senhoras Silvas que vivem no nosso país, sem dinheiro para tomarem uma bica no Versailles.

      A Esquerda caviar no seu melhor!!!

      Eliminar
    2. Por acaso a Ematejoca ( e os que pensam que ir tomar uma bica ao balcão da Versailles é um luxo) sabe quanto custa uma bica? Então eu digo: 70 cêntimos!
      E pode crer que há muitas senhoras Silvas a tomar bicas e comer bolos na Versailles...

      Eliminar
    3. Quem sou eu para o criticar, Carlos? DESCULPE!!!

      Quanto às senhoras Silvas a tomar bicas e a comer bolos, lembram-me as senhoras Silvas da minha juventude, que íam para a Ateneia tomar chá e a comer bolos, enquanto que tinham uma Maria em casa a dar o corpo ao manisfesto e a receber de salário uns réis de mel coado.

      Eliminar
  4. O Carlos II tirou-me as palavras da ponta dos dedos!
    Riscos que se correm quando se frequentam lugares onde só entra "la crème de la crème"! :)

    ResponderEliminar
  5. Não te sabia tão bem relacionado. Ou será que é tão mal?

    ResponderEliminar
  6. Meu caro Carlos Oliveira,gostar do que é bom,não é um mal em si mesmo,Mas,permita-me uma sugestão avisada:Vacine-se Homem,as viroses andam por aí!
    Não seria,para mim,motivo de satisfação,sabê-lo vitima de um porta-aviões desgovernado,com guia de marcha para um qualquer banco de urgência hospitalar,com a asinha da chávena de café dependurada num dedinho sobrante da mão direita e o resto do pastelinho de nata esparramado no branco imaculado da camisinha,e o badalo da gravatinha a dar a dar por efeito trepidante da alta velocidade da Ambulância,com acidentado dentro.

    Na minha terra,sói dizer-se:diz-me com quem te dás,que eu direi quem és.Sinceramente,não creio,ser este o caso.(...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Feliciano:
      Devo esta livre desse cenário, porque raras vezes uso gravata e camisinha branca. Além do mais ( ó sacrilégio!) não gosto de pastéis de nata.
      Realmente não é esse o caso. Já aqui expliquei onde e como conheci a Assunção Esteves. E manifestei, também, a minha surpresa por ter mudado tanto desde esse tempo..

      Eliminar
  7. Já o julgava tão "bem" relacionado :-))

    ResponderEliminar
  8. Eu ficava mesmo mal disposta para o resto do dia,,,

    ResponderEliminar
  9. Já encontrou hoje o Passos Coelho, Carlos??
    Por este andar....:)))

    ResponderEliminar
  10. Meu caro Carlos, estou admirada com o "alarido" feito sobre a Versailles.
    Pastelaria/restaurante frequentada por todo o género de pessoas. Servem-se almoços nas mesas, mas também há quem coma ao balcão uma sopa, um salgado e uma bica. Quando quero matar saudades da zona onde trabalhei e encontrar gente conhecida, vou até à Versailles beber a minha bica e no entanto não deixo de ser uma reformada sem charme, mas muito roubada no meu pecúlio. Um abraço da
    Celene

    ResponderEliminar
  11. Pois é, as pessoas mudam... e algumas nem queremos acreditar que possam mudar...

    ResponderEliminar
  12. Pois eu moro em Massamá e nunca encontrei o marido da Laura (nem a Laura...)
    Mas também evito passar-lha à porta, porra...

    ResponderEliminar