quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Ora vamos lá ver se nos entendemos...

Depois de escrever isto, devo um esclarecimento aos leitores.
Para ser sincero,  preocupa-me  bastante mais a privatização da EDP, da REN ou da EGF, do que a venda dos Miró.
É que água e electricidade são serviços públicos essenciais que não aceito, em circunstância alguma, ver nas mãos de outros países. 
A venda ao melhor preço destes serviços de interesse estratégico para qualquer país, demonstra que quem nos governa é ignorante e não enxerga as consequências que daí poderão advir  num futuro próximo. 
A venda dos Miró  demonstra que quem nos governa é inculto e mais burro que um cepo; vender ao desbarato ( há uns anos as obras estavam avaliadas em 80 milhões e o governo esperava obter agora apenas 35...) significa que quem nos governa também sabe governar-se.
A venda dos Miró ter mobilizado as pessoas , não me surpreende... o que me intriga é não ter havido reacção idêntica em relação à privatização de interesses estratégicos para o país...
E chega de Miró. Ponto.

3 comentários:

  1. Carlos,
    Primeiro as praxes; agora Miró.
    E o que é essencial vai ficando na sombra.
    E acha que os governantes são burros??
    Conduzem a agenda noticiosa muito bem, meu caro!
    Aquele abraço e votos de bfds!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou absolutamente da sua opinião, Pedro!

      Não são os governantes que são burros, burro é o nosso povo que desperdiça grande parte da sua energia com polémicas que o esgota, em vez de reflectir sobre os verdadeiros problemas que afecta o nosso país.

      Eliminar
  2. Permita-me que destaque uma passagem do seu texto com a qual concordo em absoluto:
    "...o que me intriga é não ter havido reacção idêntica em relação à privatização de interesses estratégicos para o país..."

    Apanho a boleia para também concordar com o comentário do Pedro.

    'Burros' somos nós, meu caro Carlos.

    ResponderEliminar