segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Há sempre alguém que diz sim!

Já perdi a conta às remodelações neste governo. Hoje foram despedidos mais três ajudantes, rapidamente substituídos por outros tantos. Nos partidos do governo há sempre alguém que diz sim na hora de ir ao pote.

Balanço de 2013

120 mil portugueses foram obrigados a emigrar. Foram expulsos do seu país, por um grupo selvático que se apoderou do pote e continua a governar só para os amigos.

Portugal está morto, mas ainda ninguém percebeu

Um país que não reage às interferências das instituições estrangeiras na sua vida interna, está morto.
Quando o bandalho Durão Barroso ameaça o Tribunal Constitucional e a resposta é o sorriso cúmplice do primeiro ministro;
Quando instituições como o Conselho da Europa, ou o FMI, afirmam que a austeridade está a destruir um povo e um país e a resposta do governo e do PR é "venha mais austeridade;
Quando o putativo PR é insultado pelo governo guineense e a reacção é o silêncio;
Quando o governo ataca o seu próprio povo e este acata passivamente o roubo, o insulto e a corrupção, só se pode concluir que o país não tem governo, não tem povo e o PR é uma mera figura decorativa a soldo dos interesses estrangeiros.
Um país assim, é um país morto. Paz à sua alma!

Para lembrar em 2014

Ser solidário não é andar a encher os bolsos do governo, do Belmiro e do Alexandre Soares dos Santos, com donativos para o Banco Alimentar contra a Fome. Isso talvez sirva para aliviar consciências, mas não é solidariedade. 
Ser  solidário é unir-mo-nos para derrubar este governo e colocar em S. Bento (e em Belém) gente honesta, apostada em defender o seu povo e não em condená-lo à pobreza, por ter vivido acima das suas possibilidades.
Um bom plano para 2014, não vos parece?