quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Cocó (actualizado)

Como era de esperar, aquilo foi um cocó!
Amanhã explicarei porquê mas, à guisa de aperitivo,  informo quem não viu que o sr primeiro-ministro, num esguicho, divulgou que vai apresentar um orçamento rectificativo ainda este ano. Já agora só uma pergunta:
A que propósito- e com que direito-  é que PPC pergunta a uma espectadora se é mãe solteira? Já é diarreia a mais, porra!

A sala das perguntas: novo talk show da RTP

A  RTP vai iniciar esta noite um novo talk show. Será convidado do primeiro  programa - sem periodicidade, acontecerá  quando um homem Paulo Ferreira quiser - o PM Pedro  Passos Coelho. 
Aparentemente  estariam reunidas as condições para o sucesso, mas uma pessoa apercebe-se do formato e desilude-se.
Não restam dúvidas que fechar o PM num estúdio  com 100 pessoas e um moderador  que dá luz verde a 20 delas para fazerem as perguntas que quiserem, rebentaria com a concorrência.  Só que além de não se conhecerem os critérios de escolha das pessoas que irão estar presentes, também não foi tornado público o critério utilizado para selecionar as 20 perguntas que irão ser feitas a PPC.  Sabemos, apenas, que Paulo Ferreira e Carlos Daniel fizeram dois briefings prévios com os participantes- certamente  para aquilatar o grau de perigosidade das questões – e escolheram os 20 perguntadores. Os restantes 80 farão figura de corpo presente e não me admiraria se tivessem sido obrigados a assinar um compromisso de bom comportamento durante a emissão. PPC -muito provavelmente- também já terá sido informado..
Com tantas condicionantes, este talk show ( “ O País Pergunta” ) deve ser muito sensaborão.
Por mim, não tenho dúvidas. Prefiro ver este, que promete ser muito menos escabroso

Olhos nos Olhos

Vi, na madrugada de terça-feira, Ângelo Correia defender com pundonor a honestidade  de todos os membros do governo. Fê-lo no programa "Olhos nos Olhos" da TVI 24, em reacção ofendida a uma afirmação de Medina Carreira que, minutos antes, tecera considerações pouco abonatórias sobre quem nos governa.
Não pensem que vou aqui concordar com Medina Carreira. Quero apenas perguntar a Ângelo Correia, padrinho político de Pedro Passos Coelho, qual é o seu conceito de honestidade.
- É honesto um homem que jura, durante a campanha eleitoral, não cortar os subsídios de férias nem de Natal dos funcionários públicos e, assim que chega ao poder, faz exactamente o contrário do que jurou aos portugueses?
- É honesto um homem que, durante a campanha eleitoral, afirma que o Estado não pode cortar nas pensões, porque isso seria apropriar-se indevidamente de dinheiro que não lhe pertence e quando chega ao poder corta até as pensões de sobrevivência?
- É honesta uma mulher que mente numa Comissão Parlamentar de inquérito, para salvar a pele?
-É honesta uma mulher que acusa os seus colegas de governo de terem cometido erros nos contratos swaps  e omite os seus próprios erros?
- É honesto um homem que se demite irrevogavelmente do governo por discordar de decisões do PM e volta com a palavra atrás, porque o PM o promove?
- É honesto um homem que jura defender os velhinhos e os contribuintes e, quando a sua vaidade e sede de poder é saciada, esquece aqueles que jurou defender?
- É honesto um homem que numa conferência de imprensa anuncia que não haverá mais medidas de austeridade e no dia seguinte manda o seu ministro confirmar o corte nas pensões de sobrevivência?
- É honesto um homem que presta declarações falsas à AR, sobre a sua participação no BPN?
- É honesto um homem que, para defender os interesses dos seus clientes, enxovalha o país  pedindo desculpas a outro estado, por Portugal estar a investigar eventuais actos ilícitos?
- É honesto um homem que defende um ministro mentiroso, recorrendo a artifícios linguísticos?
Já nem lhe pergunto se acha honesto um ministro que tirou uma licenciatura de favor, porque o Relvas já lá vai.
Digo-lhe apenas, Ângelo Correia, que se o seu conceito de honestidade tem como padrão os membros deste governo a que acabo de me referir, então também duvido da sua probidade.

Quem diz a verdade, não merece castigo!

Durão Barroso, um tipo com passaporte português que é presidente da Comissão Europeia, esteve hoje em Lampedusa, onde  foi recebido com gritos de "Assassino!"
O que penso sobre o que se está a passar em Lampedusa, já em tempos escrevi aqui. 
Hoje resta-me acrescentar que José Manuel Durão Barroso, candidato a Belém em 2016 se não lhe derem emprego numa imprestável organização internacional,  foi recebido como merece.
O homem que se prestou a servir de moço de fretes de Bush e Blair, para avalizar a guerra do Iraque,  recebendo como recompensa o lugar de presidente da CE tem as mãos manchadas de sangue. Pela cumplicidade na guerra do Iraque, pelo silêncio e inércia sobre Lampedusa e pela  irresponsabilidade revelada à frente da Comissão, que tem custado aos países em crise centenas, quiçá milhares, de mortes silenciosas.  
Compreende-se que lhe chamem ASSASSINO.
Menos compreensível é que os portugueses não tenham aproveitado a vinda de Barroso ao Algarve, onde se deslocou para ameaçar o Tribunal Constitucional e se por ao lado dos inimigos do país, para lhe chamarem TRAIDOR! 

A tirania à espreita

" (...)Parafraseando um velho amigo meu, Rui Cunha, socialista e homem de bem, não se dera o facto de aquele Tribunal se portar à altura dos legados morais, a ditadura já estaria aí, "reorganizada" em moldes "democráticos" e actualizada pelas circunstâncias europeias (...)".
( Baptista -Bastos no DN de hoje. Ler aqui)