sábado, 7 de setembro de 2013

Não adianta chorar...

Não sabe o que é Fiofó? Então o melhor é googlar, que eu não vou traduzir, não!


Não podia deixar de dar a minha opinião sobre a decisão do TC em relação aos dinossauros. 
Devo dizer que concordo em absoluto. Não compete ao TC fazer aquilo que os partidos não tiveram a coragem de fazer. Nem tão pouco substituir-se aos eleitores. Era isso que estaria a fazer se proibisse as candidaturas.
Os partidos deviam ter vergonha e não apresentar candidatos cuja legitimidade está sob suspeita, por supostamente estarem a ir contra o princípio estabelecido na Lei?  Deviam. Mas já percebemos que não têm, caso contrário teriam clarificado o que pretendiam na AR, sem precisarem da intervenção do TC.
São imorais as candidaturas de Seara e Meneses? 
Não me parece. Impedir alguém de se candidatar por decreto ou decisão judicial fundamentada em questões políticas, seria um mau princípio. Essa opção devia ser exclusivamente dos partidos? Obviamente que sim, mas nessas fábricas produtoras de lapas  agarradas ao pote, já não resta um pingo de vergonha ou dignidade.
“Ah, e tal, mas o povo está insatisfeito…”- ouvia dizer ontem de manhã numa estação de serviço.
Apeteceu-me responder “ O povo tem bom remédio. Basta não votar neles”.  Não o fiz, mas não foi por vergonha. Foi por pensar que o povo de Oeiras ( até bastante culto e com formação superior) continuou a votar em Isaltino, apesar de o autarca ter sido  condenado  e  utilizar expedientes para fugir à justiça. 
Nessa altura o que disse o povo?  “Ah, tá bem, o gajo rouba mas tem obra feita”. ( Não, o mesmo não se pode dizer de Gondomar ou de  Felgueiras, porque  Valentim e Fátima não foram condenados…)
Moral da história: o povo gosta é de forró. Se lhe puserem à frente um criminoso com quem simpatize, o povo vota.  É isso que vai acontecer no Porto, por exemplo. Os portuenses – apesar de sobejamente avisados sobre  o estado calamitoso em que Meneses deixou as finanças da câmara de Gaia, dá-lhe generosamente a maioria.  O problema é dos tripeiros. Dos que votam em Meneses, ou dos que se abstêm, porque não gostam de nenhum candidato.  
Não queiramos é que o TC se substitua aos eleitores. Não é aos juízes que compete esclarecer o povo, é aos partidos. Se o povo gosta de ser enganado, paciência, mas como não podemos mudar de povo, talvez não fosse má ideia os abstencionistas de esquerda repensarem  a sua atitude e irem votar.