segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Grandes autores (1)

José Saramago (1922-2010)
Começo esta rubrica com o nosso prémio Nobel. O primeiro livro que li dele foi " O Memorial do Convento", mas entre os que considero imperdíveis estão  "Levantados do Chão", "História do Cerco de Lisboa", "A Jangada de Pedra", "Ensaio Sobre a Cegueira" .
Creio ter lido toda a sua prosa ( com excepção dos Cadernos de Lanzarote)  e procuro lembrar-me de um romance de que não tenha gostado. Não encontrei. 

Mudança de paradigma



Os bombeiros de Londres confessaram, este fim de semana, estarem fartos de  atender  pedidos de cidadãos envolvidos em fantasias sexuais das quais não se conseguem desenvencilhar. Entre essas fantasias contam-se algemas, aspiradores, anéis  e até uma torradeira.
Os bombeiros londrinos  relacionam esta avalanche inusitada de pedidos de auxílio, com o desejo de as vítimas teatralizarem  as "50 Sombras de Grey", trilogia criada por uma tipa suficientemente esperta para convencer o mundo que era escritora. 
O grande problema destas teatralizações é custarem demasiado dinheiro aos contribuintes  ( cada  "desentalanço" custa  cerca de 300 £ aos contribuintes ingleses), pelo que proponho que o governo português aprenda com o exemplo dos londrinos e adopte desde já uma medida drástica: cada  tuga que recorra aos serviços dos bombeiros para o desenrascar das fantasias sexuais proporcionadas pelas "Sombras de Grey" sofre um agravamento no IRS, para aprender a fantasiar com cuidado e sem ter de recorrer a um manual


Uma parvinha em três actos

No domingo, durante a conversa dominical com Marcelo Rebelo de Sousa, Judite de Sousa teve três momentos desprestigiantes para ela,  mas também  para o jornalismo, já que ela serve de referência e farol a muitos portugueses distraídos - quiçá confusos- com dificuldade em discernir entre um jornalista e um entrevistador.
1º acto - Judite abre a boca de espanto quando Marcelo fala do Zico- que a Animal decidiu rebaptizar Mandela.
2º acto- Judite exprime, com trejeitos faciais, o seu estupor perante a análise de Marcelo à sentença  sobre o trabalhador alcoolizado que um tribunal mandou reintegrar na empresa que o despedira.
Judite de Sousa não está de férias- como a própria fez questão de esclarecer- pelo que custa muito a entender como é que uma jornalista desconhecia ambos os casos, abundantemente badalados em toda a comunicação social, incluindo a TVI onde ela é- pasme-se! - sub-directora de informação. Talvez este episódio, repartido em dois momentos, justifique a saída da TVI de sete jornalistas- três dos quais para o governo- e o desaproveitamento de uns quantos, colocados na prateleira. 
Mas se estes dois episódios são já bastante elucidativos, um terceiro- que terá passado despercebido a muitos espectadores- deixou bem claro que  Judite de Sousa não está bem e devia ir de férias. Talvez para não voltar. 
3º acto- Praticamente no início da sua homilia, Marcelo Rebelo de Sousa desvenda em primeira mão que, quando era presidente do PSD, foi Luís Filipe Meneses quem lhe indicou Rui Rio para um importante cargo partidário no Porto. Qualquer jornalista teria reagido de imediato, não deixando de dar relevância a esse facto, mas Judite ficou impávida. Só quase no final do programa é que Judite- provavelmente respondendo a diversas chamadas de atenção da régie- exclamou, como se tivesse acabado de descobrir a pólvora:
- Então, podemos concluir que o professor nos fez hoje aqui uma grande revelação sobre Luís Filipe Meneses e Rui Rio. 
Judite de Sousa tem protagonizado diversos episódios de falta de isenção, nomeadamente quando entrevista figuras do PSD. Num período em que o seu marido está envolvido numa polémica por causa da candidatura a Lisboa, Judite de Sousa deveria ser aconselhada a abandonar os ecrãs, pelo menos até Outubro. Salvaguardava a sua imagem e não denegria a imagem do jornalismo e dos jornalistas. 

Those were the days (3)

Chegada de barco Istambul, ao fim da tarde

Roleta russa

Os portugueses andam a descontar uma vida inteira para a segurança social e vem um ministro que decide jogar todo o dinheiro na roleta russa, pondo em risco as pensões dos futuros pensionistas.