quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Palavras e imagens


Foto roubada aqui


Há uns meses disse à Teté que iria aceitar o desafio  de fazer uma lista com os 50 livros da minha vida.
Encetei várias vezes a tarefa  mas, cada vez que a retomava, chegava à conclusão que a lista que começara a elaborar umas semanas  antes, continha títulos que  afinal não tinham sido assim tão importantes.
Há dias, a Teresa  fazia esta pergunta e eu respondi, dizendo que iniciaria esta semana a publicação da lista. Esbocei algumas tentativas, mas deparei com o mesmo problema: uma lista nunca é definitiva e, quanto maior for o número de obras a indicar, maiores são as divergências ( embora persistam sempre alguns títulos comuns).
Assim, decidi que em vez de escolher os 50 livros da minha vida, era melhor optar pela  série “Grandes autores” . É muito mais fácil  escolher os autores que nos influenciaram, ou de que mais gostamos,  e elencar alguns dos livros que escreveram e nos marcaram, do que escolher os 50 melhores livros da nossa  vida. É isso que começarei a fazer amanhã  e se prolongará, pelo menos, até final do mês. 
Espero que digam de vossa justiça sobre as minhas escolhas que chegarão aqui normalmente à noite.
Durante o dia, sem hora certa, a rubrica “Those were the days”  incluirá fotos de lugares – ou apenas momentos - onde fui feliz e gostaria de voltar a ser. Espero que gostem. 

Pimenta na língua (1)



Gosto muito de animais, mas o fundamentalismo que bateu à porta de algumas associações, irrita-me.
A maioria dos leitores conhece a minha opinião sobre  os cães ditos perigosos e seus donos ( aqui)
Na devida altura dei a minha opinião sobre este caso mas, pese embora o que então escrevi, não tolero que uma associação torne um cão que matou um bebé  num mártir e, muito menos, que uma dirigente apresente esta justificação para chamar ao cão Mandela:
" Vamos chamá-lo Mandela, porque tal como o líder sul africano este cão também é um símbolo de liberdade. Esteve sete meses preso sem saber porquê, tal como Mandela esteve preso mais de duas décadas".
A comparação é revoltante e a imbecilidade do discurso preocupante ( a falar assim, a Rita Silva ainda acaba a dirigir um ministério), mas o que mais me tira dos carretos  é fazerem de um cão que matou um bebé um mártir, ou um herói!  E o melhor é ficar por aqui, antes que mande a Rita....

Este querido mês de Agosto



Confortados com a aprovação da moção de confiança que eles próprios apresentaram e aprovaram, os nosso governantes vão agora de férias. Muito gostaria de poder ligar o televisor e, durante um mês, não ver aqueles rostos de verdugos da Nação a dizer baboseiras e mentiras, enquanto nos vergastam com chicotadas de austeridade sádica. 
Obviamente que não terei essa sorte e lá pelos meados de Agosto, o Pedro aparecerá no Pontal a afirmar, pelo terceiro ano consecutivo, que no próximo ano é que isto vai estar bom, o crescimento será imparável e a Europa irá olhar para nós com admiração.
No entanto, como todos têm direito a um mês de férias, tentarei que Agosto seja um mês com menos política e alguma animação aqui no CR- sem prejuízo de vos ir dando, pontualmente, notícias deste Novo Ciclo.  Assim, durante este mês, o CR será como alguns leitores o conheceram. Pequenas doses de posts sobre política e bastantes ligados aos lazeres. Espero que desfrutem.
A todos os leitores que agora vão de férias- muitos já devem ter ido, porque as audiências reduziram substancialmente na última semana- os meus votos de umas boas férias.

Cavaco propõe troca a Portas

Quando soube que Paulo Portas escolhera o palácio das Laranjeiras para instalar o seu gabinete, Cavaco telefonou-lhe:
- Isto é que você tem uma sorte! Foi instalar-se mesmo ao pé do Jardim Zoológico...
- Ó sr. Presidente...as instalações são modestas e até  já me disseram que não poderei gozar o jardim, por causa dos mosquitos, e  às vezes vem um cheiro muito desagradável daqui do Jardim Zoológico
- Ó Portas, você compreende que os animais também têm as suas necessidades fisiológicas, não é verdade?
- Pois, tá bem, presidente, mas se soubesse disso não me tinha mudado para cá... escolhia outro sítio...
-  Então eu faço-lhe um proposta, Portas.Você vem para aqui, fica com umas instalações óptimas e uma excelente vista sobre o mar, e eu vou para aí 
- Ó presidente! Eu não nego que as instalações sejam óptimas, agora com essa das vistas para o mar é que não me engana. Isso que aí passa é o Tejo, não é o mar!
- Ai não? Imagine que vivo aqui em Belém há quase oito anos e nunca me tinha apercebido disso.
- Pois, não me admira. O presidente também ainda não se apercebeu que a Maria Luís é uma aldrabona, porque continua a confiar no Pedro, mas lembro-lhe que ainda aqui há uns anos nomeou  o Dias Loureiro  conselheiro de Estado, garantindo que não tinha cometido nenhuma irregularidade. Portanto, confundir o Tejo com o Atlântico é coisa de somenos.
- Você é capaz de ter razão, Portas. Ando realmente um bocado distraído, deve ser do cansaço. Por isso é que eu gostava de ir para aí. Junto dos animais é que eu me sinto bem!
- Ó presidente, mas aqui não há vacas, para isso tem de ir aos Açores...
- O Jardim Zoológico não tem vacas? Isso é imperdoável...Olhe lá e cagarras, também não há?
- Não tenho a certeza, mas se houver já estão todas anilhadas...
- Ó que pena! Então se calhar o melhor é continuar por aqui. Nas horas vagas sempre vou olhando para a Maria...

Notícias do Novo ciclo (4)

Num governo onde pontificam dois putos e uma... oxigenada, cada ministério deveria ter um título de livro infantil. Vou pensar nisso...
( Imagem tirada daqui)