sexta-feira, 19 de julho de 2013

A fotografia


Alguém me explica o que está Rui Vilar a fazer neste filme?
Fizeram bem em contratar a filha da Maria João Avilez. É a cara da mãe chapada, como se vê na foto, mas espero que não seja  tão " C'órrorrr!!! Não me toques que me sinto porca" !

Aprendam com ele como se faz...



Enquanto os partidos políticos andam a engonhar e a vigiar-se mutuamente a ver quem ataca primeiro, Rui Costa não é de modas. Deu ao pedal, atacou e chegou ao cimo da montanha em primeiro, vencendo a segunda etapa neste Tour de France.
Ele mostra como é, mas a nossa classe política não lhe dá ouvidos e continua a brincar ao Portugal Sentado

O Estadista

Ontem, as televisões foram no engodo e transmitiram em directo a intervenção de Pedro Passos Coelho no Conselho Nacional. Uma intervenção prenhe de má fé e recados envenenados a Cavaco e a Seguro ( quiçá também a Portas, mas isso só o líder do CDS saberá) que teve como único objectivo condicionar os adversários.
Hoje, Seguro respondeu com a melhor arma: o apelo ao silêncio. Por uma vez, Seguro esteve bem. Deixou o estadista ( deixem-me rir!)  a falar sozinho.
Há quem tenha ficado inebriado com o discurso de Passos. Felizmente, ainda há gente de bom senso que o topa 

Um cenário possível


Muito se tem especulado sobre o que fará Cavaco,se os partidos anunciarem que não foi possível chegarem a acordo. Está na hora de fazer a minha especulaçãozinha, partindo do pressuposto que não há acordo. Então aqui vai:

1- Recebida a notícia do rompimento do acordo, Cavaco  convoca o Conselho de Estado, dirige-se ao país, manifesta a sua desilusão por não ter sido ouvido pelos partidos, lembra novamente o perigo de eleições antecipadas, mas decide convocá-las para setembro, porque  os partidos a isso o obrigaram. Aproveita para lembrar aos portugueses que tinha avisado para os riscos e perigos de eleições antecipadas. Terminada a mensagem ao país, vai celebrar com a Maria, por se ter finalmente visto livre do Passos e do Portas. " O Seguro? É já a seguir!"-  garantiu a Maria, alvoroçada com a ideia de ter de aturar o coelho cor de rosa

2- Em Setembro o PS vence as eleições sem maioria absoluta, o PSD é segundo, o CDS quase desaparece, deixando de ser partido charneira, porque os seus deputados não chegam para garantir uma maioria nem com PSD, nem com PS.
BE e PCP aumentam significativamente a sua votação e qualquer um deles pode formar governo com o PS. O PCP recusa liminarmente, para grande alívio do PS e o BE impõe condições que Seguro prontamente rejeita. 
Seguro assina um acordo com Passos Coelho que, apesar de ter perdido as eleições, conseguiu segurar a percentagem do PSD próxima dos 29%, graças aos descontentes com Portas. Põe-se em marcha o bloco central, que toma posse três semanas depois do acto eleitoral.

3- Uma semana depois de Seguro tomar posse,  o PCP  começa a exigir a demissão do governo. Um mês depois o BE exige eleições antecipadas ou convergência da esquerda. Em Fevereiro de 2014 o governo do bloco central anuncia que Portugal vai pedir um segundo resgate.

4- Em Maio de 2014,  após as eleições europeias, Rui Rio compra um carro novo ( ao fim de 45 anos desfez-se do Simca)  e em Junho vai fazer a rodagem a Viseu, onde se realiza o congresso extraordinário do PSD.  Sai de lá aclamado como líder, mas Pedro Passos Coelho não se demite do governo, porque garante que tem legitimidade para continuar.
Após a aprovação do OE para 2015, Cavaco dirige-se ao país e comunica que, sendo necessário garantir estabilidade, no período pós troika, decidiu dissolver a AR e convocar eleições antecipadas para a primavera. 

Cenário alternativo
Há a hipótese de Cavaco não marcar eleições. Aceita a remodelação  e dá posse ao governo PSD/CDS. Nessa altura a vitória de PPC será em toda a linha, até porque Cavaco não terá justificação para antecipar as eleições para 2014. 
A vitória total de Coelho seria, porém, uma derrota para Cavaco e os portugueses interrogar-se-iam por que razão andou Cavaco a fazer estas fitas durante três semanas, se era para deixar tudo na mesma.
Bem, mas será bom nunca esquecer  que Cavaco anda em maré de nos surpreender...