terça-feira, 2 de julho de 2013

Hierarquias

Vamos lá ver se nos entendemos...
A demissão de Gaspar alterou as hierarquias no governo. Portas passou a número 2, mas quem substituiu o nº 1 Gaspar, foi Pedro Passos Coelho. 
Quanto a Maria Luís Albuquerque - ex-professora de Passos Coelho, que passou a sua aluna- entrou na lista sem número, mas tem aspirações a subir na hierarquia. Presumo é que não terá muito tempo para mostrar o que vale...

O amputado




Quando entrou para o governo PPC era um tipo perfeitinho, muito apreciado por costureirinhas, sopeiras e mulheres de mau porte.
Depois perdeu o braço direito (Relvas), os pés ( as organizações patronais) e finalmente o cérebro ( Vítor Gaspar).


Agora é um cadáver ligado a uma máquina (Cavaco Silva).  Mantê-lo vivo custa uma fortuna aos portugueses. Cavaco devia dar ouvidos aos médicos que aconselham a desligar a máquina, porque o homem não tem salvação

A rã e o escorpião

Ao ler a carta de demissão de Gaspar confirmo as suspeitas que tinha. Foi a falta de solidariedade dentro do governo que levou o ministro das finanças a demitir-se. No entanto, optou por escrever uma carta a Passos Coelho aos portugueses onde se arma em vítima e destrói - com o cinismo do escorpião-  a última  réstia de credibilidade do primeiro-ministro.
Vítor Gaspar destruiu o país com a sua política de austeridade cega, mas sai tentando deixar a imagem de que estava no caminho certo e foi a fraqueza do primeiro ministro que o impediu de salvar o país. Uma posição à medida da escroqueria e falta de dignidade
Se PPC pensa que salvou a pele e vai conseguir a desejada coesão dentro do governo, nomeando Maria Luís Albuquerque, bem pode tirar o cavalinho da chuva. Depois de Vítor Gaspar se ir embora,PPC está condenado porque, embora pensasse que mandava no governo, nunca foi mais do que uma marioneta manobrada pelo ministro das finanças.
Gaspar  e Coelho aguentavam-se mutuamente mas, com aquela carta, Gaspar passou a certidão de óbito a Coelho.
Iremos ter um período de aparente acalmia na coligação, mas as tensões vão agravar-se em breve e é admissível que o governo se desmorone durante a discussão do OE 2014. Ou mesmo antes...
O prazo de validade de PPC esgotou-se há muito. Depois da demissão de Gaspar, passou a ser um produto avariado que será retirado de circulação.
Quanto a Portas, promovido a número 2 do governo, vai perceber rapidamente que recebeu um presente envenenado. Exibir a demissão de Gaspar no próximo congresso, para acalmar a contestação interna, não será suficiente para o salvar.
A próxima campanha eleitoral será um lavar de roupa suja entre PSD e CDS.


Passos Coelho jogou para nulos e perdeu

Pronto, confesso, gastei parte da minha última noite  de férias  a navegar na Internet. É que depois de receber um SMS do mesmo amigo que me comunicou a demissão de Gaspar, informando que Maria Luís Albuquerque seria a substituta de Gaspar, entrei em pânico e corri para a Internet. Sem capacidade para substituir mais do que um ministro de cada vez, Coelho limitou-se a fazer mais uma mijinha?- perguntei aos meus botões.
Eu alvitrei a hipótese Maria Luís Albuquerque a brincar, mas PPC não me quis desiludir  e fez questão de demonstrar que é mesmo artista em estratégias da Al Qaeda. 
A escolha poderia ter sido pior? Sim! Imaginem se o homem tinha escolhido o Camilo Lourenço ( bem, nada me garante que não o tenha convidado, depois de Paulo Macedo ter recusado o convite!)
Ainda sou do tempo em que PPC afirmava que um ministro que mentisse seria demitido. Agora o PM mudou de opinião e promove a ministra uma secretária de estado que, tal como Relvas, mentiu numa comissão parlamentar.
Como alguns saberão, PPC gostava muito de jogar King. No momento em que viu que estava em risco de perder o jogo, fez uma jogada para nulos, apostando desesperadamente em Maria Luís Albuquerque. Perdeu, porque não tinha mão para aguentar a jogada. Será trucidado.
Cavaco foi lesto a nomear a ex-professora de PPC na Lusíada. Da próxima vez será ainda mais rápido a nomear João Bafo de Onça para ministro da defesa, Astérix para a pasta da agricultura ou o Tio Patinhas para secretário de estado do tesouro. Não é de espantar. Como já não há gente séria que aceite integrar este governo, é compreensível que o PR concorde que a melhor solução é apostar em figuras da banda desenhada. 
Ninguém levará a mal. Cavaco  já é visto pela maioria dos portugueses como inimputável e todos compreendem que para ele nomear uma matrafona ou uma figura de banda desenhada seja a mesma coisa.
No meio de tudo isto, lamento ter ido ao Expresso em busca de notícias e encontrar esta a encabeçar a página.