terça-feira, 25 de junho de 2013

Ronda da Noite

Num centro comercial em Breda, na Holanda, os clientes foram surpreendidos pelo soar do alarme e um fugitivo à solta. Estupefactos e meio assustados, ninguém estava a perceber o que se estava a passar, enquanto várias personagens do século XVII surgiam.
No final, tudo ficou explicado. Tratava-se de um flash mob que serviu para celebrar o retorno do quadro «A ronda nocturna», uma das mais famosas obras do pintor holandês Rembrandt, pintada entre 1640 e 1642, ao museu Rijksmuseum

O betinho da Ponte Vecchio


Cada vez que abre a boca, Miguel Poiares Maduro faz questão de demonstrar que é o Relvas dos Betinhos. Com os trejeitos de intelectual da Ponte Vecchio, vai debitando uma parafernália de disparates. Após a reunião do conselho de ministros de Alcobaça, abotoou o casaco cor de alpista para dizer que o governo estava empenhado em facilitar a mobilidade social. 
Ó Maduro, mas qual é a novidade? Desde que o governo entrou em funções, a mobilidade social tem sido uma constante, com a classe média a migrar para a pobreza! 
No dia seguinte, numa visita à feira do granito, em Vila Pouca de Aguiar, o ministro pretendeu mostrar que era dialogante e ao ouvir um cidadão ( desta feita a organização esqueceu-se de contratar umas loiras para figurantes) que se lamentava de ter de dormir na empresa, por não ter casa, respondeu"Eu sei, eu sei!", uma frase tipo de quem não está a prestar a mínima atenção ao seu interlocutor.
Maduro ainda disse mais umas banalidades que podem ouvir/ver aqui, sem perder a compostura de Relvas dos Betinhos

Homenagem a João Villaret


Hoje, às 18h30m,  no auditório Frederico de Freitas ( Av Duque de Loulé), a SPA assinala o centenário do nascimento de João Villaret.
Durante 50 minutos, Carlos Paulo e Ana Lúcia Palminha, acompanhados pelo músico Hugo Franco, vão recriar alguns números de revista criados por João Villaret e recordar alguns dos poemas escritos para ele  por diversos poetas.
Uma boa oportunidade para recordar aquelas noites de domingo em que Villaret prendia aos televisores milhares de pessoas ( eu incluído).
Se estivesse em Lisboa, não faltaria.
O preço da entrada é 5 €.

Distraídos!

Enquanto o senhor Aníbal confia no consenso, o sr Hollande se vai esquecendo do socialismo e os líderes europeus lamentam o desemprego com um bocejo, uma mulher vai emergindo.Preparemo-nos para o pior