quarta-feira, 19 de junho de 2013

O parágrafo

Sempre contundente, BB foi  desta vez generoso com Crato. O homem não é um parágrafo, é um erro de palmatória num ditado!

E se não puder, arreia!

O governo andou duas semanas a alegar que não podia alterar  a data dos exames de Português e Latim do 12º ano, porque aquilo era uma coisa muito séria  e era preciso defender os interesses dos alunos. Com a sua teimosia criou um imbróglio de todo o tamanho, havendo muitos alunos que não sabem se o exame realizado no dia 17 foi válido, ou terão de o repetir no dia 2 de julho, por terem sido detectadas irregularidades.
As associações de pais andam às aranhas, porque não sabem o que é melhor para os alunos. 
Não sei se o governo aprendeu com o erro ou se rendeu à evidência. Certo é que, face à greve geral marcada para dia 27,está a estudar uma data alternativa  para os exames de Matemática, do 6º e 9º anos que se deveriam realizar nesse dia. A data dos exames não pode ser alterada? Ai pode, pode! 
Quem não está pelos ajustes e insiste que os exames devem realizar-se dia 27 é a ex- ministra da educação, Maria do Carmo Seabra. Não  é por acaso que, até à chegada de Nuno Crato, ela era considerada a pior ministra da educação depois do 25 de Abril.
Vai ser o bom e o bonito se o governo insistir na realização dos exames naquela data. O pandemónio inerente a um dia de greve geral agravará o stress dos alunos e muitos ficarão impedidos de comparecer nas escolas, por não terem transporte assegurado. Como descalçar esta bota?
A balbúrdia está instalada e o ministro da educação disse que, ainda hoje, vai comunicar a decisão ao país. Obviamente que haverá sempre gente insatisfeita com o adiamento. Aqueles que não terão problemas em levar os filhos de carrinho às escolas, mesmo que tenham de sair de casa às 6 da manhã.  

Quem diz o que pensa não merece castigo?

Estes idiotas dizem o que pensam e, como tal, não merecem castigo. Preocupante  é saber que há políticos que pensam exactamente o mesmo em relação ao progresso dos seus países!

As virtudes de Maria

Quais são as suas virtudes, Maria?



Maria Luís Albuquerque, secretária de estado do tesouro escolhida e mantida por Gaspar é, certamente, uma mulher cheia de virtudes. Só isso justifica que ainda se mantenha no cargo, enquanto outros secretários de estado foram  corridos logo que cheirou a esturro nos contratos swaps. 
Alguns especialistas classificaram os contratos assinados por Maria Luís Albuquerque na REFER, como exóticos.  Provavelmente essa classificação deve-se ao facto de Maria Luís ter conseguido a notável proeza de colocar dois organismos sob a sua alçada a investigar  os contratos por ela assinados. Elementar, não é? Outro exotismo é renegociar um contrato com a JP Morgan e, de caminho, entregar ao mesmo JP Morgan a assessoria na privatização dos CTT.
Esta técnica de contratar o assaltante para vigiar a casa é nova, mas deve ser eficaz, porque Maria Luís continua firme no seu lugar. Inamovível, mas não distraída. No mesmo dia em que o assunto era discutido na AR, conseguiu desviar as atenções para Sócrates.
Com efeito, sensivelmente à mesma hora, o grupo parlamentar do PSD divulgava um relatório sobre as PPP em que (quase) todo o governo de Sócrates é posto em causa.
Se a fundamentação for tão rigorosa como a escrita do relator, Sócrates e os seus ex-ministros podem estar descansados. O relatório final parece ter sido escrito por um aluno da 4ª classe com dificuldades de aprendizagem.
De qualquer modo, não deixa de ser curioso constatar que quando o governo está em apuros, salte logo para as primeiras páginas dos jornais algo relacionado com as malfeitorias de Sócrates. Certamente, também por coincidência, quando Portas questiona de forma mais viva algumas opções do governo, lá vem uma notícia sobre os submarinos. O caso BPN é que parece ter sido definitivamente enterrado. Cavaco também tem sabido apadrinhar este governo, portanto... agora que Relvas está fora, as virtudes da Maria Luís serão bastantes para assegurar o expediente.

Se eu tivesse uma varinha de condão...

... satisfazia de imediato este desejo  de Manuela Ferreira Leite
Malgré tout, é minha convicção que, tal como ela, alguns milhões de portugueses ficariam felizes.