sexta-feira, 7 de junho de 2013

Depois da Virgem, é a vez de o Espírito Santo entrar na política

Nuno Cardoso anunciou a sua candidatura à câmara do Porto, de que já foi presidente. Diz ele que se candidata em resposta a um "conflito interior". 
Presumo que esse conflito seja entre o Espírito Santo e Satanás. É que a inesperada candidatura de Nuno Cardoso só tem um objectivo: enfraquecer as candidaturas de Rui Moreira e Manuel Pizarro e dar a vitória de mão beijada a Luís Filipe Meneses. 
O  "conflito interior" do (ex?) socialista é simples de explicar. Umas vezes ouve o Espírito Santo dizer que a sua candidatura é uma traição, mas quando está quase a ceder à voz da razão, começa a ouvir Satanás " É altura de te vingares, não percas esta oportunidade! Além disso ajudas o teu amigo a ser presidente e eu vou compensar-te por esse favor que nos fazes"
Satanás venceu o Espírito Santo. É a vida... só nas séries americanas e nas telenovelas, é que os bons ganham sempre!

Pedro é o OMO dos portugueses

Sobre a prestação de PPC ontem, na Amadora, só queria lembrar mais uma coisinha. Quando ele diz  "hoje, os portugueses são vistos como trabalhadores, cumpridores e honrados", não está apenas a divagar.
Um drogado que  acabou de chutar na veia, ou um jovem no Bairro Alto após o terceiro shot, poderá raciocinar exactamente como ele, porque já está incapaz de pensar.
Parto no entanto  do princípio que, ao fazer aquela afirmação, PPC estava sóbrio, por isso considero as suas palavras uma ofensa.
Há tempos, Cavaco fez um número semelhante ao dizer que era preciso nascer duas vezes para ser tão honesto como ele. A realidade desmentiu-o...
Com aquela tirada néscia, PPC quis auto elogiar-se  e proclamar-se o OMO  dos portugueses, a quem lavou a honra. Para que saiba, senhor PPC, estou-me CAGANDO para o que pensam de mim lá fora. O que eu quero de um governo é que me permita ter uma vida digna cá dentro e deixe de me roubar o fruto do meu trabalho. É bom não se esquecer que anda a viver à custa dos portugueses e a brincar com o nosso dinheiro.O resto, senhor Pedro, é conversa de bordel que não me interessa nada! 

Assunção Cristas foi demitida!



Vítor Gaspar exigiu esta manhã a Pedro Passos Coelho a demissão imediata de Assunção Cristas, a quem culpa de ser responsável pelo mau comportamento da economia portuguesa.
Pedro Passos Coelho ficou perplexo com o pedido de Gaspar , porque pensava que o ministro das finanças queria a demissão de Álvaro Santos Pereira  e não de Cristas, mas Gaspar foi pronto a esclarecer o PM
- Não, é mesmo a Assunção Cristas que deve ser demitida! Ela é que é a culpada por eu já ter errado, por duas vezes, as previsões para este ano.Andou a rezar à senhora de Fátima  para que chovesse e este inverno choveu tanto, que provocou a queda do investimento e a quebra da actividade económica. 

Nunca digas desta água não beberei

Quando  a corja estava na oposição mandava os amigos e súbditos  escrever nos blogs  que o  Magalhães era uma merda, os acordos com a Venezuela uma vergonha, o TGV uma megalomania  e o Simplex uma risota.
Passaram apenas dois anos. Com a corja no poder, o que é que vemos?
Paulo Portas a persignar-se diante do túmulo de Chavez, o Magalhães  a ser  vedeta nas exportações e a receber prémios, o TGV a ser recuperado com aditamentos ( vai ser mais caro do que o programado por Sócrates e ainda lhe acrescentam um porto de águas profundas na Trafaria) e, imagine-se, o SIMPLEX a  ser premiado pela Comissão Europeia como o melhor projecto europeu  de inovação na Administração Pública.
Que a corja dê o flanco, até me dá gozo, agora o que me mete mesmo NOJO, é constatar o silêncio daqueles que tanto criticaram estas medidas. Desde que chegaram ao pote perderam a capacidade crítica, mas também a vergonha e a dignidade. São bem piores do que a corja , porque  não dão para mais do que  seus acéfalos servos.

E que tal um espelho, Luís?

O deputado do PSD Luís Campos Ferreira disse que os gestores públicos envolvidos nas swaps "deviam ter vergonha na cara e demitir-se, porque do ponto de vista da gestão falharam  redondamente".
Eu até sou capaz de concordar com o irmão da Fátima, mas há um pequeno pormenor que eu gostaria de lhe lembrar. 
Por muitos erros que os gestores tenham cometido, o governo não tem legitimidade para os demitir, com o fundamento de que falharam na gestão. O governo também está farto de cometer erros, não acerta uma previsão, o país está a afundar-se e o dandy da Porcalhota   não se demite.
Talvez esteja a precisar de um espelho, senhor deputado, mas sobretudo não esqueça a sabedoria popular: "Quem tem telhados de vidro, não atira pedras..."