terça-feira, 28 de maio de 2013

Então estamos nisto...

Cavaco Silva, o homem e cidadão,  ofende-se quando um jornalista lhe chama palhaço, mas fica mudo e quedo  quando um cronista o acusa de ser incompetente para desempenhar o cargo de PR e desprestigiar a função.
Quando um cronista escreve:
Sozinho, completamente sozinho, o dr. Cavaco Silva conseguiu arruinar a Presidência da República. A Presidência da República não tem hoje autoridade, influência ou prestígio"
ou diz:
"Quando Cavaco fala sentimos um mau hálito político" ( Morais Sarmento)
Cavaco não reage. Não considera estas afirmações insultuosas.
Isto diz muito sobre a personalidade e o carácter de Cavaco Silva, mas também explica o estado a que o país chegou. Nenhuma empresa, nenhum país progride, quando o seu líder não se dá ao respeito. Talvez não seja por não querer, é simplesmente por não ter moral para o fazer, depois da inventona das escutas de Belém , em vésperas de eleições..

Caderneta de cromos (42)



Há dias estava  a folhear a minha caderneta de cromos e reparei que Vítor Gaspar ainda não faz parte da colecção. Eu próprio me interroguei sobre as razões da lacuna, mas uma pequena nota que escrevi quando iniciei a caderneta deu-me a explicação. Só cá entram homens e mulheres portugueses. 
Ora Vítor Gaspar, embora tenha nacionalidade portuguesa, é um daqueles traidores que se vendeu aos interesses estrangeiros, nomeadamente ao seu ídolo Schaueble, marimbando-se para Portugal e para os portugueses. O seu único objectivo é fazer carreira nas instâncias europeias, pelo que esmifrar os portugueses, não aquece nem arrefece.
Então por que razão acabo de o incluir nesta galeria? Simplesmente porque ontem deu provas de que afinal é mesmo português. Do pior que a Pátria lusa alguma vez conheceu, mas é. A prova é que se irritou com a deselegância de um jornalista que perguntou, na sua presença, ao presidente do Eurogrupo, se Portugal já tinha pedido o alargamento do défice para 2014.
Gaspar, numa de patriotismo, reagiu com veemência. Ele tem toda a razão em dizer que um jornalista que faz uma pergunta a um estrangeiro, na sua presença, é deselegante.Todos sabemos que Gaspar é de uma elegância e educação extremas, pelo que deve ter-se sentido muito ofendido. Salazar, seu grande ídolo, diria certamente o mesmo.
Não querendo enxovalhar o seu mentor, Gaspar fez bem em repreender o jornalista. Fez mal em não apresentar queixa à PIDE ao MP. Seria muito mais elegante.
Para me penitenciar pelo atraso na nomeação de Vítor Gaspar, ele entra directamente para a caderneta como o "carimbado".

Brancas

Lembram-se da indignação que varreu a blogosfera, com múltiplas acusações  Sócrates por atentar contra a liberdade de expressão?
Lembram-se das manifs de indignados de branco vestidos em defesa da liberdade de expressão desses paladinos do jornalismo chamados Mário Crespo e Manuela Moura Guedes?
Lembram-se da campanha  diária dessa blogosfera contra a megalomania do TGV?
Lembram-se quais eram os blogs mais indignados? ( Se não se lembram eu dou uma ajuda: Delito de Opinião, Albergue do Espanhol, Blasfémias, 31 da Armada e Portugal dos Pequeninos).
Eu não sei se esses indignados já  conhecem a  reacção de Cavaco Silva  às afirmações de Miguel Sousa Tavares.
Presumo que também ignorem  a decisão do governo avançar com o TGV para mercadorias e pessoas, depois de PPC ter garantido que esse projecto estava morto.
Não sei é o que  muito desses indignados, que agora vivem opiparamente à mesa do orçamento, andam a fazer nos gabinetes ministeriais. Não sendo todos avestruzes, nem gente de mau porte, resta-me concluir  que sofrerão de amnésia ou têm absoluta falta de dignidade.
Já agora, por que razão os jornais que fizeram tanta campanha contra o TGV e encheram páginas com artigos indignados contra a liberdade de expressão, agora optaram por um sepulcral mutismo?
Ah, espera aí… se calhar é porque os jornalistas que plantavam essa informação agora andam a comer da gamela do orçamento…

A diferença está nos pormenores...

Os benfiquistas costumam denegrir as vitórias  do FC do Porto invocando favorecimento das arbitragens. Como ficam  felizes com esse raciocínio, não vou contra argumentar. Esqueço os Capelas, os Calabotes e os Lucílios. Limito-me a lembrar-lhes um pormenor: se algum jogador do FC do Porto, mesmo sendo um ídolo incontestável dos adeptos, fizesse ao treinador o que Cardozo fez a Jesus e a um colega, nunca mais jogaria no clube.  Um pormenor que faz toda a diferença!
Já agora, foi muito feio terem-se pirado para o balneário antes de o Vitória receber a Taça. Não é só uma questão de mau perder e falta de fair-play...