segunda-feira, 6 de maio de 2013

A Europa vista do Sul

Ainda sou do tempo em que a Europa era olhada com  admiração e até alguma inveja a partir do hemisfério sul. Hoje, a Europa é com indiferença e até alguma comiseração que os sul americanos falam da Velha Europa, a única região do mundo em recessão há cinco anos. Poucos acreditam que a Europa saia desta crise e temem que a política de austeridade suicida  alastre de tal forma a outras regiões do globo, que uma guerra seja inevitável.
No entanto, o nome de Schaueble provoca ainda mais indignação. Um artigo da "Economist" sobre o ministro alemão  retrata-o como uma personagem sinistra, que mexe os cordelinhos da Europa e não hesita em destruí-la para defender os interesses da Alemanha.
Há dias alguém me lembrava um filme sobre um chefe da Mafia paraplégico, que não hesitava em destruir tudo à sua volta, para se vingar do seu estado, provocado por um ataque de um rival que visava a sua morte.
Tal como aconteceu com Schaueble, o assassino falhou e o chefe da Mafia  não morreu.Na sua cadeira de rodas, torna-se implacável na prossecução de um objectivo: destruir toda a concorrência,  sem problemas em liquidar os seus amigos e aliados, para atingir os seus objectivos.
Schaueble e os seus homens de mão, como Vítor Gaspar, estão apostados em destruir a Europa, com a imposição de medidas de austeridade criminosas aos países do sul. A cabrinha alemã, apenas interessada em ganhar eleições, vai fazendo como Passos Coelho em relação a Gaspar. O monstro continua a crescer com  os colaboracionistas do costume: os homens da Goldman Sachs.
É essa Europa que a América do Sul hoje despreza, mas também teme, pela sua capacidade destrutiva. E, claro, a Alemanha é mais uma vez vista como o motor de uma nova guerra mundial. Nada de surpreendente, porque os alemães só existem precisamente para isso: desencadear guerras  e lançar em chamas o continente europeu, sempre que alguém se opõe aos seus objectivos expansionistas.

Tantas dúvidas!

Aproveitei o tempo de espera no aeroporto para aceder à Internet sem constrangimentos. Fiquei a saber que o Pedro tinha feito uma comunicação ao país na sexta-feira e Paulo  falou ontem. As duas faces da mesma moeda falaram em horário nobre, para fingirem que são diferentes.O que li deixou-me imensas dúvidas, pelo que mais uma vez agradeço a  colaboração dos leitores para me esclarecerem sobre algumas questões:
1- Paulo Portas ainda está no governo, ou já se assumiu como director da companhia de circo?
2- Quando é que o traidor Gaspar vai ser condecorado pelo Schaueble, pelos bons serviços prestados à Alemanha?
3-Portugal ainda existe, ou é um novo estado alemão governado pela dupla Gaspar/Coelho?
4- Já temos PR, ou o cargo continua a ser desempenhado interinamente por um palhaço?
5- O governo já decretou que os reformados terão apenas direito a um máximo de cinco anos de reforma, findo o qual serão obrigados novamente a trabalhar?

Tenho muitas mais dúvidas, mas não vos quero maçar. Aproveito, entretanto, para agradecer a todos os leitores que responderam à minha pergunta do 1º de Maio. Fiquei a saber que Portugal já não é o que era e o sr Santos também deve estar a sentir a crise.
O avião está a chegar, mas não me vai levar de regresso a Portugal. Ficarei a meio do caminho para que o choque da chegada  não seja tão violento, ou simplesmente na esperança de nunca mais regressar!