sábado, 20 de abril de 2013

De ler e chorar por mais

Redacção do Zequinha: As Cabras



Era  uma vez duas cabras. Apesar de terem opiniões diferentes sobre o mundo, eram muito amigas. Uma delas odiava a Europa, mas era uma cabra teimosa, cheia de convicções, muito respeitada, até pelos seus inimigos. 
A outra  cabra era mais esperta. Dizia que gostava muito da Europa  mas, além de caloteira, sofria do síndrome do Tio Patinhas: só pensava em dinheiro e queria guardar nos seus cofres todo o dinheiro dos pastos europeus onde se apascentava. Além disso, apesar de estar sempre a elogiar os europeus, roubava-os  para dar de comer aos seus  cabritinhos e encher os celeiros do pasto de ração.
A cabra que odiava a Europa um dia enlouqueceu … e assim morreu! Ao seu funeral vieram quase todos os seus amigos, mas também  cabras, cabrestos e cabrões de toda a Europa, que ela odiara em vida. Ninguém no pasto onde esta cabra era dona  e senhora respeitou o seu pedido para ser enterrada  sem o apoio do Estado, por isso fizeram-lhe um funeral com pompa e circunstância, que custou 12 milhões de euros aos cabritos que ela esfolou em vida. Dizem que foi uma cerimónia muito bonita, onde o Camarão lhe teceu rasgados elogios e leu poemas muita giros.
A outra cabra, apesar de amiga, não foi ao funeral , alegando falta de tempo, pois anda preocupada em matar mais uns milhares de presas, para dar de comer aos seus cabritinhos.
Eu não gosto nada de cabras, mas preferia a que morreu, porque ao menos tinha convicções e só roubava  ou  chicoteava quem  vivia no seu pasto. A cabra viva, além de outros defeitos, é uma grande caloteira

Tirem as patas daí!

Esta semana os deputados europeus da esquerda manifestaram-se contra a troika. A revolta contra a austeridade já chegou ao Parlamento Europeu.