quinta-feira, 18 de abril de 2013

Cavaco aumenta a credibilidade externa de Portugal


Felizmente estamos bem representados lá fora e a credibilidade do país cresce a olhos vistos graças a alguns portugueses que, com esforços redobrados, vão levando além fronteiras a notícia dos nossos feitos.
Não teria sido necessário Cavaco vir lembrar-nos, nos corredores do Boeing que o levou até Bogotá,  que Durão Barroso tem ajudado muito o nosso país.Nós vemos exemplos disso diariamente.
Mas o Presidente da República idolatrado por três portugueses ( Passos Coelho, Vítor Gaspar e Fernando Lima)  também não regateia esforços para elevar bem alto o nome de Portugal. Ainda hoje deu um exemplo na Feira do Livro de Bogotá, quando lembrou Camões ( certamente, todos os colombianos vão a correr comprar os Lusíadas) e omitiu o único escritor português premiado com o Nobel da Literatura.
Interrogado pelos jornalistas  sobre a omissão, Cavaco terá respondido:
- José Saramago? Desculpem, senhores jornalistas, mas devem estar equivocados! Esse senhor, pelo que fui informado pelos meus assessores, é espanhol e eu estou aqui a representar Portugal e não a Espanha. Por favor, não façam confusões!

Eu acredito que não foram às putas, mas contem-nos a estória direitinha, porra!





Conhecem a estória daquele gajo que  chegou a casa às quatro da manhã, porque perdeu a noite numa casa de putas?
-...
Não? Então eu vou contar…
Quando entrou em casa, a mulher estava acordada e perguntou-lhe:
- Ai, Manel! Qu’andaste a fazer até esta hora, qu’eu estava em cuidados e já telefonei para os hospitais todos e para a polícia p’ra saber de ti?
O Manel, que já estava bem bebido e não esperava encontrar a mulher a pé  àquela hora, começou a gaguejar, tentou inventar uma estória, mas o melhor que conseguiu, foi dizer que tinha enfiado o carro num buraco, estrilhaçado uma jante e furado um pneu.
A mulher ouviu a estória  e no fim perguntou:
- Que idade tem a tua amante, Manel?
- Amante? Qual amante? Tás maluca, eu não tenho amante nenhuma!
- Eu até acreditava em ti e na tua estória, Manel, mas nós não temos carro!
Lembrei-me disto quando vi a conferência de imprensa  que alguns membros do governo fizeram esta manhã, depois do Conselho de Ministros. Então estiveram reunidos durante 12 horas e só saiu aquilo?
Eu até acreditava neles… o problema é que nós não temos governo!
Eu sei que não foram às putas, mas contem-nos a estória toda, tá bem?

Adenda: Gostei daquela estória de trocar o subsídio de férias pelo de Natal, mas tinha sido mais giro e original se tivessem decidido que o subsídio de Natal passaria a ser pago em junho e o de férias em novembro. Isso, sim, seria uma medida inteligente!

Portas não tem assessores à altura?


Paulo Portas viajou da Mauritânia para a Colômbia, para acompanhar Cavaco. Noticia o JN que, quando lá chegou, esfalfou-se para tentar explicar aos colombianos a diferença entre o pastel de nata e o pastel de Belém. O ministro dos negócios estrangeiros precisa de mudar de assessores. Então não houve uma alminha que lhe dissesse para levar fotografias? Bastava mostrá-las e dizer: olhem, o pastel de nata é o da esquerda. Os colombianos  teriam percebido logo a diferença. 

Coito à Vontade do Freguês

O deputado do CDS Michael Seufert escreveu no seu blog "À Vontade do Freguês", que  o PREC "trouxe muito lixo para a Constituição".
Dias depois, no meio do Atlântico, levantou-se a voz do deputado Coito Pita (porta-voz do PSD-M) a concordar com o Freguês, dizendo que a Constituição é lixo
Que saudades da Natália Correia! Não tenho dúvida que já teria respondido em rima, parodiando esta  sintonia de opiniões entre um deputado madeirense de nome bizarro e um deputado centrista que pretende uma Constituição à Vontade do Freguês.