segunda-feira, 15 de abril de 2013

Os elefantes sabem nadar?

Cavaco partiu hoje para a Colômbia e Perú. Na comitiva, leva meia centena de empresários. Enquanto o país se afunda, Cavaco faz turismo. Tratando-se de uma viagem transatlântica, há  esperança de o elefante não saber nadar.

A semana promete muita animação


Ainda hoje a semana começou e já promete ser animada
A Grécia exige o pagamento de dívida de guerra à Alemanha. São só 162 mil milhões de euros… A Alemanha não quer pagar o calote e o assunto vai parar aos tribunais internacionais.
O presidente do Eurogrupo- aquele holandês de nome impronunciável que teve a brilhante ideia de taxar os depósitos dos cipriotas-  também falsificou as suas habilitações. O ministério das finanças holandês diz que foi erro involuntário.
Marcelo diz que Gaspar é vingativo. Lendo isto, percebe-se porquê…
A troika chegou a Portugal e na quinta feira o governo irá anunciar uma nova etapa no genocídio dos portugueses. Funcionários públicos e pensionistas serão os primeiros a entrar na câmara de gás criada na S. Caetano à Lapa.
O insuspeito New York  Times critica a política de austeridade e dá como exemplo Portugal. 
Depois de ter sido ignorado por Passos Coelho na  substituição  de Relvas, Portas pediu a Pires de Lima para insistir na necessidade de uma remodelação.  Foi assim que reagiu ao facto de ter passado a nº 4 do governo?
Os tribunais dizem que Meneses não se pode candidatar à CM do Porto. O próximo episódio já se adivinha, só que desta vez sem o apoio do CDS...
Por razões ainda não esclarecidas - talvez radiquem em eleições agendadas para 2016 -  os barrosistas começaram a disparar sobre o governo. Aguiar Branco foi a ultima vítima. Qual será a próxima?
No conselho de ministros vão passar a ser  13 sentados à mesa. Et pour cause, o mais velho e o mais novo  vão sentir-se pouco  confortáveis. Todos tentarão adivinhar em que lugar está sentado o Judas.
Cavaco diverte-se na América do Sul com a sua Maria
Este mês de Abril continua tempestuoso. Aumentou a temperatura meteorológica e política, mas mantêm-se as nuvens negras a pairar no céu e sobre o executivo. Um dia destes vai chover! Resta saber se haverá inundações em S. Bento….

O herdeiro inábil





Sem surpresa, Nicolas Maduro venceu as eleições na Venezuela. O que poucos esperariam era que a vantagem sobre Capriles fosse tão curta ( menos de 300 mil votos), motivando o pedido de recontagem do escrutínio pelo líder da direita venezuelana.
Maduro tinha tudo a seu favor para alcançar uma vitória esmagadora, mas a sua campanha roçou o ridículo. Ver Chavez em passarinhos,  ou atribuir ao falecido presidente a escolha do Papa, foram apenas dois episódios que transmitiram aos eleitores a certeza de que Maduro não tinha ideias próprias, nem propostas sérias. Reclamar a herança de Chavez e anunciar-se como o herdeiro do líder bolivariano é muito curto como programa de governo.
Logo após a morte de Chavez escrevi que Maduro era um  candidato fraco que não teria condições para se aguentar muito tempo à frente do poder. Surpreendeu-me que Chavez tenha dado indicações claras aos venezuelanos para, no caso de vir a falecer, elegerem Maduro . Não acredito que Chavez desconhecesse as fraquezas do seu vice presidente. Sabia, obviamente, que não tinha capacidade para ser presidente.Pretendeu, em minha opinião, reconhecer a lealdade de Maduro, mas esqueceu-se de lhe dar algumas ideias para o seu programa.
 A guerra da sucessão está aberta na Venezuela  e Capriles tem legítimas aspirações a ocupar o palácio de Miraflores a curto prazo. Se isso ocorrer, não será uma boa notícia para a Venezuela, nem para a América Latina, nem para Portugal. Pior ainda, porém, será Maduro, consciente da sua fraqueza, enveredar por um caminho de manutenção no poder a todo o custo, criando cenários de convulsões e ameaças da direita, que justifiquem a tomada de medidas excepcionais e inviabilizem a democracia.
É sempre bom lembrar que a Venezuela tem um longo historial em matéria de governos caudilhos. Maduro nunca será um caudilho, mas tem todas as características para se converter num daqueles ditadores latino-americanos, popularizados e ridicularizados por filmes canhestros produzidos em Hollywood.   Capriles é também especialmente dotado nessas vertentes . Sendo  amigo dos americanos, que sempre apreciaram e apoiaram os ditadores latino-americanos, desde que sejam de direita, não deixará de ter o apoio de Washington. Ora, se isso vier a acontecer, outras convulsões são previsíveis, alastrando a todo o subcontinente sul americano. 

A explicação dos pássaros


Sinceramente, não me espanta  que Pedro Passos Coelho tenha convidado para o governo um ministro ( Poiares Maduro) que ainda recentemente  pedira um governo de iniciativa presidencial para o substituir. Na mesma linha, não me surpreende que tenha sido empossado um secretário de estado (Pedro Lomba) que várias vezes zurziu no primeiro ministro.
O que verdadeiramente me espanta (mas não devia, porque há muito sei que o poder é afrodisíaco) é que pessoas tão críticas do actual  governo aceitem fazer parte dele. Não se trata de um problema de coluna vertebral. É, certamente, um problema de falta de virilidade. Ambos  tiveram  necessidade de recorrer  a afrodisíacos para elevarem a sua auto estima.