sexta-feira, 8 de março de 2013

As coelhinhas

Nenhuma destas faz parque do rancho das coelhinhas do Pedro


As mulheres promovidas por Pedro Passos Coelho representam, na sua maioria, o aspecto mais negativo das mulheres. Deputadas como Francisca Almeida Leite ou a Barata Tonta, vice-presidentes como Teresa Leal Coelho, ou girls como a Milú ( a super coelhinha entretanto promovida para o Turismo de Portugal) são exemplos de mulheres ocas e desprovidas de qualquer predicado, para além de possuírem o cartão do partido. 
Essa é, porém, a face mais visível do coelhismo. Na Administração Pública, prolifera a incompetência elevada ao nível das chefias e até há uma Direcção Geral conhecida como "A Gaiola das Malucas"!. 

Fará sentido celebrar o Dia Internacional da Mulher?


Desde que criei o CR, todos os anos tenho dedicado o mês de Março às mulheres.  Já aqui escrevi sobre  a origem  desse dia, sobre a evolução dos direitos cívicos e das condições de trabalho das mulheres, sobre mulheres portuguesas e internacionais que  se destacaram na luta  pela igualdade de direitos. 
Este ano limito-me a fazer uma vez mais a pergunta:
Ainda faz sentido celebrar o Dia Internacional da Mulher?
Quando escrevi a Carta à Mulher Portuguesa dei a resposta, mas quem a não leu, pode relembrar seguindo o link.
Actualmente, o grande problema que se coloca às mulheres ocidentais já não é o da desigualdade no acesso ao ensino ou ao mercado de trabalho. É a violência doméstica.
Sendo um flagelo que, em vez de diminuir, parece ter tendência a aumentar em tempo de crise, merece ser  ldebatido neste dia.
No momento actual, talvez fizesse mais sentido falar do Dia Internacional da Solidariedade entre as Mulheres. Um dia em que as mulheres fossem solidárias com as que ainda não conseguiram alcançar um estatuto de igualdade com o homem no plano cívico e dos direitos humanos, e vivem num plano de subalternidade. Dir-me-ão que esse é o sentido do DIM. Será, mas não é o que a prática nos mostra, principalmente desde que a sociedade de consumo ocidental se apropriou da data e a transformou em mais um pretexto para consumir o desperdício.
Com efeito, se a Mulher ocidental conseguiu, através da sua luta, obter direitos laborais e de cidadania, o mesmo não acontece com as mulheres árabes e africanas.  Seria talvez oportuno que nesse Dia Internacional da  Solidariedade entre as Mulheres, em vez de se  recordar as  que se distinguiram nesta ou naquela área, se  destacassem exemplos de mulheres que lutam para que as  mulheres  de todo o mundo tenham os mesmos direitos das ocidentais. 

Entretanto, depois da fotografia que hoje dediquei a todas as leitoras, é altura de lembrar, a quem ainda lá não foi, que  pode ir aqui recolher uma flor

A mulher do ano



Quase ninguém- mesmo no Brasil - acreditava nas suas capacidades e duvidava mesmo que fosse capaz de manter uma liderança na esteira de Lula.
Ao longo do seu mandato, Dilma Roussef tem calado muitas vozes críticas e demonstrado que a escolha de Lula foi acertada.
O seu estilo pode não ser mediático, mas Dilma vai conseguindo impôr-se graças à sua consistência programática.
A morte de Chavez talvez lhe dê espaço para se afirmar como líder latino-americana, apesar de alguns anti-corpos patentes na sua relação com Cristina Kirchner. No entanto, muito irá depender da postura do sucessor de Chavez. A relação com Maduro ( se vier a ser ele o escolhido pelos venezuelanos) não será  provavelmente tão empática como era com Chavez mas, se a ligação com a Venezuela esfriar, Dilma não deixará, certamente, de assumir um papel de liderança. 
A seguir com atenção os próximos episódios das relações de poder na América Latina

Yoani Sanchez



Yoani Sanchez, a jornalista e  blogger cubana supostamente ao serviço da CIA, aproveitou a liberdade que o regime lhe deu para sair do país e iniciou uma visita de propaganda por várias cidades e países do mundo, para promover o seu livro "Desde Cuba com Carinho".
A primeira escala escolhida foi o Brasil. Ao contrário do que esperaria, não teve uma recepção entusiástica. Muitos manifestantes, exibindo notas de dólar, receberam-na com apupos e acusações de traidora, denunciando a sua ligação à CIA.
A recepção a Yoani Sanchez provocou  grande polémica no Brasil. A oposição acusou o governo de Dilma Roussef de orquestrar a animosidade contra a dissidente cubana obrigada a refugiar-se, durante a estreia de um filme sobre atentados à liberdade de expressão, para não ser agredida por manifestantes pró Cuba.
Não está provado que Yoani Sanchez esteja ao serviço da CIA, mas a verdade é que esta viagem, autorizada pelo governo de Havana, serve na perfeição os interesses de Washington. Numa altura em que se tornou evidente o interesse dos EUA em entregar o poder de Caracas aos seus aliados, a promoção de Yoana Sanchez serve  para desviar as atenções.

Sou um privilegiado: já li Roteiros VII


Cavaco Silva e D. Maria no momento em que entravam na Emissora Nacional, para participarem no concurso "O Par Ideal"


O nosso queridíssimo presidente da república, quiçá acompanhado pela sua chiquérrima esposa, irá apresentar amanhã  mais um volume dos seus  Roteiros.
O CR divulga aos seus leitores  o conteúdo de Roteiros VII ( Não confundir com isto”!)
Na primeira parte vai explicar que preside em duodécimos, pois é assim que lhe pagam a pensão.
Na segunda parte, Cavaco fala da sua experiência de uma década como primeiro-ministro e sete anos como PR e extrai uma conclusão: como já perceberam, a experiência não vale de nada, caso contrário, depois de ter  forçado a demissão do Sócrates, não me faltavam pretextos  para demitir o dandy da Porcalhota.
Na terceira e última parte de Roteiros VII, Cavaco explica finalmente como  um PR deve agir em tempos de crise: fazer tudo para ser feliz, vivendo num palácio com uma miserável reforma de 10 mil euros. Para o conseguir, aprendam uma coisa: o silêncio é de ouro! Se eu soubesse o que sei hoje, tinha lá deixado ficar o Sócrates. Eu até queria, mas o meu partido não deixou!

Foto do dia 23 (Especial Dia da Mulher)



Elliott Erwitt ( Nova York 1953)