sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Olhó robô!



O Gaspar já se estatelou contra a parede um número indeterminado de vezes, mas continua com aquele ar sorridente que nunca abandona. Só pode ser um robô. Made in BCE, obviamente.
Há, no entanto, uma alternativa... pode ser como a hiena que ri e ninguém sabe porquê!

Puseram-lhe alguma coisa no chá!...

Em Viena, meia dúzia de portugueses convidou PPC para beber uma cerveja e o PM acabou por os convidar para tomar chá (além de ser curiosa esta preferência pelo verbo tomar, compreende-se que PPC tenha optado pelo chá. É uma coisa de que tem falta desde pequenino!).
Rezam as crónicas que a conversa foi agradável, mas omitem que os portugueses terão posto alguma coisa no chá. Logo após a divulgação das previsões da Comissão Europeia que prevêem o dobro da recessão e o aumento do desemprego em 2013, PPC falou aos jornalistas em Viena.
Só a ingestão de alucinogéneos explica estas declarações do dandy da Porcalhota

Seguro foi a Belém anunciar moção de censura?.



Depois da cena de Costa " Agarrem-me senão eu ainda me candidato", Seguro surge remoçado e, esta semana, foi ele a marcar a agenda política.
É certo que beneficiou da desorientação- e até indignação, como ontem Paulo Rangel e Marques Mendes deixaram claro- que grassa nas hostes laranja, depois de Gaspar ter batido contra a parede ao assumir mais uma vez o erro das suas previsões ( Alguém acredita que um dia será capaz de acertar?), mas a  missiva à troika foi reconhecida à esquerda e à direita como uma cartada bem jogada. 
Seguro não só  mostrou ter percebido que o nosso futuro se joga no tabuleiro da política europeia, como marcou pontos ao ser recebido por Durão Barroso. Esquivou-se também, de forma hábil, à tentativa de aproveitamento do PSD que pretendeu aproveitar a oportunidade para restabelecer o diálogo com Seguro.
Hoje, por esta hora, está a ser recebido por Cavaco e não me parece que tenha ido a Belém para tomar chá. Sendo certo que nada se irá saber da conversa entre Seguro e Cavaco ( o líder do PS deve ter um grande poder  de persuasão, para conseguir dialogar com um morto...), é legítimo fazer especulações e eu arrisco-me a fazer a minha. 
Além de apresentar a sua perspectiva sobre a situação política em Portugal,Seguro irá pedir a Cavaco o mesmo que  Miguel Ângelo pediu à estátua de Moisés: FALA!  ( obviamente  não dirá como o escultor, Fala, ou que a peste te leve! mas vontade certamente não lhe faltará)...
O mais provável é Cavaco responder-lhe que falará quando entender e Seguro aproveitará para anunciar que chegou a hora de apresentar uma moção de censura. Obviamente que em nada contribuirá para derrubar este governo, mas marcará pontos cá dentro e também perante a troika que já terá percebido a necessidade de ouvir as reclamações do maior partido da oposição, porque a queda do PSD é apenas uma questão de tempo.
Nessa altura, glosando Cavaco, Seguro dirá "Eu tinha avisado!"
O problema é o que virá depois...

A lei do álcool explicada aos totós

Tratando uma vez mais os portugueses como totós, o governo veio "explicar" o tratamento diferenciado entre a cerveja, o vinho e as bebidas espirituosas, previsto na lei do álcool, dizendo que se deve ao facto de ser "totalmente diferente beber um copo de vodka ou dez cervejas"
Nem me dou ao trabalho de pedir ao governo para fundamentar a sua afirmação, porque isso seria pedir demasiado a quem  anda a enganar os tugas ou não percebe rigorosamente nada do assunto. Peço apenas que não nos tratem por totós!
De qualquer modo, este tema não tem qualquer interesse, porque se trata de mais uma lei que ninguém vai cumprir, como acontecia com a que já está em vigor. Só quem nunca entrou numa discoteca depois da 1 da manhã é que nunca viu jovens de 12, 13 e 14 anos completamente bêbados.
Assim sendo, recomendo que emoldurem a lei num gabinete da Gomes Teixeira, ou perguntem ao Viegas se tem uma melhor solução.

Foto do dia (15)