quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Resumo do dia: foi só miminhos

António José Seguro, acossado pelos inúmeros movimentos uninominais e unipessoais que alegre e por vezes inconscientemente pulverizam a esquerda e dão trunfos à direita, estava a precisar de miminhos. Olhou em volta e, não vendo ninguém disposto a suprir-lhe as carências, aceitou o colinho de Passos que em troca, só lhe pediu: assina aqui a redução do IRC que eu dou-te miminhos até ao final do ano e, se te portares bem, ainda te deixo assinar o programa cautelar.
Quem também andava a precisar de miminho depois do relatório PISA e do fracasso da prova de avaliação dos professores era Nuno Crato. Telefonou a Poiares Maduro e ele prometeu-lhe uma entrevista na RTP. Nuno lá foi, todo lampeiro e, perante um super indulgente José Rodrigues dos Santos, disse as mentiras e patacoadas que bem entendeu, enquanto o jornalista escritor lhe afagava suavemente os caracóis.
Terminou pois, em verdadeiro espírito natalício, um dia que já tinha começado bem, com a polícia a entrar nas escolas para dar miminhos aos professores. Um hábito que remonta ao Estado Novo, com a única diferença de, à época, a polícia ser mais culta: entrava nas Universidades e só dava miminhos aos estudantes.
O dia só terá começado mal para quem leu  o DN ao pequeno almoço.Deparar  com o descabelado Braga de Macedo a proferir do alto da sua infinita arrogância, uma série de dislates, não é coisa que se recomende. E, muito menos, dizer  que os juízes do TC não são ajuizados.
Desejo-vos  uma noite cheia de miminhos e colinhos, para que este espírito natalício se prolongue durante a quadra festiva.
Amen!

6 comentários:

  1. Rodrigues os Santos, escritor?? Que faz investigação, isso faz...mas dispenso totalmente as suas obras.

    Desculpa, mas depois do que ouvi essa luminária que é Braga de Macedo dizer no estrangeiro acerca do Estado de Direito português, recuso-me a mergulhar naquele oceano de estupidez!!

    Seguro é o que é e a Esquerda também, para mal dos nossos pecados!

    Dorme bem, amigo meu

    ResponderEliminar
  2. Face ao exposto, posso concluir que o espírito natalício encarnou na casta politiqueira deste nosso Império. Temos um Seguro carente, ou será antes incoerente? Temos também um Crato pouco, ou melhor, nada convincente que descarrega frustrações e recalcamentos numa classe despojada de dignidade que este e outros srs. se encarregaram de denegrir de forma indigna e humilhante e temos toda uma seita empenhada em destruir uma Constituição... Posto isto, já nem nos vale chorar pois não há colo nem "maminha" que nos valha...

    ResponderEliminar
  3. As coisas chegaram a tal ponto que já não vejo alternativa, nem saída. Não sei mesmo aonde é que vamos parar.

    ResponderEliminar
  4. Só quando se acabar com esta bosta, as moscas desandam... Se enxotarmos estas, viram outras...

    ResponderEliminar
  5. Carlosamigo

    Há quem se encaminhe para um beco sem saída; nós já estamos nele.

    Há quem esteja à beira do precipício; nós já saltámos;

    Há quem se suicide; nós já fomos suicidados...

    Há quem esteja à beira de um ataque de nervos; nós já usamos colete de forças, e um destes dias estaremos nas forcas. Isto se não houver quem dê resposta às antigas mininas do Parque Mayer: Vai um tirinho freguês?

    Abç

    ResponderEliminar
  6. Ouvi o Braga de Macedo e nem queria acreditar...Sempre o achei "aluado" , mas agora refinou.Vamos ver o que "sai" hoje do TC...Esta gente dá em doida...ou acabam conosco ou alguem tem de acabar com eles. M.A.A.

    ResponderEliminar