domingo, 10 de novembro de 2013

A um Homem ímpar!



Não há celebração que possa assinalar, com a dignidade merecida, esse grande Homem que foi Álvaro Cunhal. Foi porém bonita a festa de homenagem a Álvaro Cunhal, hoje no Campo Pequeno.Por lá estiveram muitos dos que ainda acreditam que continua a valer a pena lutar e baixar os braços nos conduzirá inevitavelmente à derrota.
Ficará para sempre na nossa memória aquele que foi um dos mais ilustres portugueses do século XX. A sua história confunde-se com a nossa História. Pela sua perseverança, coragem, dignidade e lucidez, foi um Homem ímpar antes e depois de Abril.
Como já aqui escrevi a propósito da magnífica exposição que esteve aberta ao público no Patio da Galé, embora nunca tenha pertencido ao PCP sei distinguir um patriota ( Cunhal) de um grupo de homúnculos traidores liderados por Cavaco, Coelho e Durão Barroso.
Cunhal sabia perfeitamente o que queria para o país e para os portugueses. Mesmo que se discorde do  modelo que defendia, há que louvar a sua pertinácia, a sua verticalidade, a sua postura de Homem íntegro.
Cunhal nunca quis nada para si. Não enriqueceu à custa dos portugueses. Enriqueceu-se no contacto com os portugueses.E enriqueceu quem com ele aprendeu a defender os seus direitos e a lutar pela sua dignidade.
Cunhal é irrepetível e, devo confessar, tenho muita pena, porque Portugal precisava de um grupo de bravos, coerentes e despojados da sede de poder, que nos libertasse desta apagada e vil tristeza. Precisávamos de um grupo de Homens que amassem Portugal e por ele estivessem dispostos a lutar, com coragem, coerência e espírito patriótico de Cunhal.
Infelizmente, já não há Homens assim.

12 comentários:

  1. Há HOMENS assim
    para todos os amanhãs

    ResponderEliminar
  2. Os sons eram raízes, o coro era a harmonia semeada de bandeiras vermelhas e foi-me reforçada a convicção: há mortos que jamais morrerão!

    (e o Campo foi Pequeno para acolher os enriquecidos. Os homens nunca se repetem, os exemplos deixados sim!)

    ResponderEliminar
  3. É verdade, Carlos, um grande Homem, um grande Político.

    ResponderEliminar
  4. Para não dizer que discordo quase totalmente deste texto assinalo apenas que, ao contrário do que diz o CBO penso: ainda bem que a nossa história não se confunde nada com a história de Cunhal e proposta por ele aos portugueses.

    ResponderEliminar
  5. Podemos não concordar dom Cunhal nem com o modelo que defendia para Portugal, mas . ao contrário do bando que está no Poder, era um Homem que pretendia o melhor para o país e que sempre teve prncípoios e valpres.

    Também o lembrei.


    Bom serão, amigo

    ResponderEliminar
  6. Um Homem que nunca traiu os seus ideais e que foi um modelo de lutador por esses ideais!

    ResponderEliminar
  7. Um Homem que merece e merecerá sempre a nossa admiração e respeito.

    beijinho meu amigo

    ResponderEliminar
  8. Uma justa homenagem, a que faz a um homem que marcou a história de um país.

    ResponderEliminar
  9. Tem razão, Carlos: precisávamos de um grupo de homens com o seu carácter, cultura, dignidade, honestidade e perseverança, mas que lutassem por um modelo democrático. Infelizmente, parece que não existem... :P

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  10. Não faço parte dos devotos de Cunhal, nem partilho de boa parte do seu ideário, mas reconheço que foi um Homem com grande inteligência, coragem e coerência.

    ResponderEliminar
  11. Posso subscrever integralmente o comentário do Francisco Clamote?
    Aquele abraço e votos de boa semana!

    ResponderEliminar
  12. Cunhal foi um homem íntegro - espécie que, hoje em dia, é difícil encontrar a quem detém poderes neste mundo!
    A festa de aniversário, ontem, foi emocionante. E o Campo, pequeno para tanto abraço, tanta bandeira e tanta determinação!

    ResponderEliminar