sábado, 30 de novembro de 2013

Uma ideia que merece ser ponderada.

Eu ia poupar imenso dinheiro se alguém abrisse por cá um restaurante destes

É tão simples...

Só quem não sabe a ponta de um corno sobre a História da Europa, ou finge não perceber o que se está a passar, se indigna  com  os avisos de Mário Soares sobre  um crescendo da conflitualidade social que poderá acabar numa escalada de violência.
Mário Soares falou para dentro, mas sabe bem o que se está a passar um pouco por toda a Europa, onde a actuação da classe política e casos como o de Philippe Varin  têm o efeito de bombas ao retardador.
O Papa falou para o mundo. Só aí  reside a diferença entre as palavras de Soares e do Papa Francisco.
Poderá não se gostar de Mário Soares ( eu, apesar de alguns erros que lhe reconheço, gosto e estou certo que a História um dia lhe fará justiça), mas acusá-lo de estar, neste caso, a pensar no seu interesse pessoal é, no mínimo, injusto. Faz no entanto parte de uma manobra orquestrada visando descredibilizá-lo, cujas origens são facilmente localizáveis.

Já não se costura assim...

Madame Yevonde
Costureira no Verão de 1937

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Sinais

O sonho das mulheres japonesas


As japonesas são mal  agradecidas. Ora digam lá se não tenho razão…
O governo de Tóquio pretendia garantir, até 2020,a presença de mulheres em 30% dos cargos de responsabilidade do Estado. 
Pensam que as japonesas rejubilaram e foram  para a porta da sede do governo fazer véneas de agradecimento? Estão muito enganados…
Em resposta a um estudo  de opinião, uma em cada três japonesas solteiras  disse que o governo podia manter os homens em cargos de responsabilidade porque o seu grande sonho, quando casarem, não é  trabalhar para o Estado. Nem para  empresas privadas. O grande sonho de 33 por cento das mulheres japonesas, depois de casadas, é ser dona de casa. 
Toma e embrulha!
Em tempo: Enquanto isto, o PE quer 40% de mulheres em cargos de direcção nas empresas até 2020

Querem mesmo fazer a reforma do Estado? Juram? (10)

Então determinem  que os curricula publicados no DR, acompanhando a nomeação de boys e girls em concursos faz de conta, passem a ser fiscalizados por uma comissão independente que avalie a sua veracidade.  É que por vezes leio curricula publicados no DR, de gente que conheço, e dá-me vontade de rir!
Não sei se a avaliação curricular é um  item de ponderação obrigatória na classificação dos candidatos a concursos  mas, se for, então  o que se passa actualmente é  que quem melhor conseguir aldrabar júris de concursos com um curriculum fantasiado, terá mais  possibilidades de sucesso.

Those were the days (40)


 Jaipur ( Índia)

Ah, pois, as gerações futuras...

Este governo preocupa-se muito com as gerações futuras, como se pode aqui confirmar

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Diário de um idiota (6)




Bruno Carvalho foi almoçar a Braga e, em circunstâncias que não consegui ainda apurar ( terá sido no final da refeição?)   disse " quando quiserem começar a resolver os problemas de Portugal é fácil: tiramos o vermelho da bandeira e é tudo nosso"
Eu sei que não passou de uma "boutade´, de imediato desvalorizada por alguns sportinguistas ilustres. como Vasco Lourenço ou o embaixador Seixas da Costa,  mas se a frase tivesse sido proferida pelo presidente do Rio Ave, ou do Vitória de Setúbal, a indignação teria sido imediata e, muito provavelmente, alguns dos que agora tentam desculpar Bruno de Carvalho, já estariam a pedir  severa punição pela ofensa à bandeira nacional.
Lamento, mas as declarações de BC não têm qualquer lógica, por isso, hoje o idiota é mesmo ele.

O regabofe das reformas

Estou farto de ouvir os argumentos do governo sobre a necessidade de fazer a convergência das pensões entre público e privado. 
Sou dos que  concorda com a convergência, mas não que ela se faça à bruta e, ainda por cima, ludibriando as expectativas de gente já reformada. Muitos aceitaram reformar-se antecipadamente  mediante a garantia de que lhe seriam pagos complementos de reforma, mas o governo que se proclama defensor da equidade decidiu roubar-lhos.
O mesmo governo que  não tem  coragem, nem ética, para  terminar com gritantes casos de iniquidade na atribuição de pensões de reforma que chegam a roçar a indignidade. Não me refiro apenas  a casos como  Mira Amaral ( para dar só um exemplo) com reforma superior a 15 mil euros e apenas um ano de descontos, ou outros, como Jardim, que asseguraram  reformas milionárias (transmissíveis aos descendentes!!!) que ultrapassam os 150 mil € mensais e   incluem avião particular e segurança  privada.
Refiro-me a casos mais comezinhos que, à luz da situação actual, justificavam mais atenção, antes de o governo optar pelos cortes cegos e sem  outro critério que não seja o de roubar o mais possível, ao maior número de pessoas.
Quando era primeiro-ministro, Cavaco Silva permitiu  aos funcionários públicos ( não sei se também aos trabalhadores do sector privado)  acrescentarem até cinco anos à sua actividade profissional, desde que declarassem ter trabalhado durante esse tempo, no sector privado, sem fazer descontos. Feita a declaração,  e assumido o pagamento dos descontos em prestações mensais, esse tempo passava a contar para a reforma.
Não vivia em Portugal na altura, mas afiançaram-me que o processo era extremamente simples. Bastava alguém apresentar-se nos serviços da Segurança Social com uma testemunha que confirmasse a veracidade das declarações prestadas. Depois, passava a descontar no seu vencimento uma percentagem para pagamento desses anos. Conheço casos de pessoas que, sem nunca o terem feito, declararam  ter começado a dar explicações aos 16 anos...
Garantem-me que nessa época era comum as pessoas perguntarem umas às outras”Então quantos anos compraste?”
Graças a este processo, houve muita gente que conseguiu reformar-se com 50 e poucos anos e partir para uma nova vida, com uma reforma no bolso por inteiro. Não sei se ainda com Cavaco, mas seguramente com António Guterres, outra medida veio facilitar o processo de reformas dos funcionários públicos e torná-las mais atractivas. Quem, nos últimos 3 anos antes da reforma, ocupasse, por exemplo, um lugar no Conselho de Administração de uma empresa pública, ou certos cargos de chefia, na Administração Pública, poderia reformar-se praticamente com a totalidade do vencimento auferido nesses três anos, graças a uma fórmula adoptada para as reformas, que privilegiava os últimos anos de carreira. Também os notários podiam reformar-se com o valor obtido no último mês de actividade, engordando assim substancialmente a sua reforma.
Foi assim em anos de “vacas gordas”. Manuela Ferreira Leite acabou com estas prebendas e congelou os salários. Mas repor a situação normal já não era suficiente para assegurar as reformas e pensões dos portugueses. Por isso Sócrates teve de cortar a direito, alargando progressivamente a idade da reforma para os 65 anos e aumentando o número de anos de trabalho.
Ninguém nos governos responsáveis por este regabofe foi responsabilizado por tomar medidas que puseram em risco a sobrevivência das pensões das gerações futuras. Hoje, a idade da reforma é cada vez mais alargada e as retribuições são cada vez mais pequenas.
As desigualdades são gritantes. Enquanto alguns funcionários públicos se reformaram com pouco mais de 50 anos de idade e 35 anos de serviço, recebendo a reforma por inteiro,a maioria assinou contrato com o Estado na expectativa de se reformar ao fim daquele tempo mas vai ser obrigado a trabalhar 40 anos, e mais, para receber reformas mexerucas.
Entretanto, há cerca de dois anos, foram descobertos dois funcionários da segurança social que arranjavam esquemas que permitiam aumentar os anos de exercício de actividade profissional, garantindo uma reforma mais temperana e rentável. Cobravam até 500€ por ano “acrescentado” fraudulentamente. Não sei o que lhes terá acontecido
.E ainda há quem diga que somos todos iguais...

Fala quem sabe...

"Quando o povo tem fome tem direito a roubar"
Veja quem disse, seguindo o link

Grandes autores (30)


Alberto Moravia ( 1907-1990)

Em dois registos diversos, dois livros de Moravia que me fascinaram: "Uma Ideia da Índia" ( que escreveu depois de uma viagem que lá fez  na companhia de Pasolini) e " Os Indiferentes"

Notícias da Irlanda

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Ena tantos submarinos!

Ainda sou do tempo em que Pedro Passos Coelho dizia que com o seu governo era tudo muito transparente. Ora vejam lá  os exemplos dessa transparência que o governo deu hoje:
- Recusou a ida do chefe das secretas ao Parlamento para explicar eventual cooperação com a NSA ( agência de segurança americana)
- Recusou a ida de Miguel Macedo ao Parlamento para se explicar sobre a manif dos polícias e consequente demissão do chefe da PSP
- O Presidente do IGCP recusou-se a dizer  quanto é que o governo conseguiu poupar com a liquidação/ renegociação dos contratos swaps.
Se acrescentarmos  a opacidade nos processos de privatizações e o "mistério" que envolve a venda dos CTT em bolsa, temos aqui um belo caldinho para quem vier a seguir. ( Ainda vamos ter mais casos como os dos submarinos... ai vamos, vamos!) 

Aos nossos amigos chineses


A China anunciou que vai lançar, na primeira quinzena de Dezembro, uma sonda espacial em direcção à Lua. A expedição tem o objectivo de deixar no nosso satélite  um veículo teleguiado que os chineses baptizaram de "Coelho de Jade".
Eu gostava de informar os nossos amigos chineses que por cá não temos coelhos de jade mas, com muito gosto, cederíamos o  nosso coelho dos Infernos. É um exemplar muito obediente- ao gosto do poder chinês- e um predador nato quando se trata de atacar animais indefesos. Tem um ódio visceral a trabalhadores, principalmente quando têm a mania de reivindicar direitos,a velhos e funcionários públicos, mas é extremamente dócil quando lhe acenam com uma cenoura em forma de molho de  notas.  Torna-se então servil e consegue mesmo rastejar, sendo por isso muito admirado por banqueiros e outros animais da alta finança. Gosta especialmente de corruptos.
Eu sei que este coelho dos Infernos tem um pequeno defeito genético: um problema mental - que toda a gente finge ignorar - tornou-o um animal vingativo, capaz de matar.
Como reconheço que produtos com defeito devem ter um desconto,  proponho-me custear  a viagem do animal até Pequim e entregá-lo em boas condições físicas para ser testado antes de o enfiarem na vossa nave espacial e o deixarem apodrecer no solo lunar.
Aceitem a proposta, vá!

Ó Portas! Não te esqueceste de ninguém?



"Uns dedicam-se  às exportações, outros a manifestarem-se"  disse Paulo Portas, o irrevogável aldrabão, aos jornalistas. 
Parece-me que Portas- agora preocupado em ser arrogante para desviar atenções  da sua infame falta de vergonha-  se esqueceu de mencionar outros casos relevantes de gente que não se dedica às exportações.Como os que se dedicam a roubar quem trabalha, os aldrabões como ele e ainda, por exemplo, os que gostam de ir à noite para o Parque Eduardo VII engatar travestys. ( Com ou sem cabeleira loira...)
Enfim, Paulo, cada um é p´ró que nasce e come do que gosta, por isso devias  pensar um bocadinho antes de cuspir para o ar porque, na queda, pode entrar-te alguma coisa no olho!

Those were the days (39)

Lou Lim Iok ( Macau)

Resumo do dia: os carcereiros

Os deputados da maioria comportaram-se hoje com o cinismo do carcereiro que chicoteia o condenado e lhe pede para sorrir.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Marcelo diz que o Papa Francisco é tonto!



Na sua homilia dominical do último domingo, Marcelo Rebelo de Sousa classificou as palavras de Mário Soares na Aula Magna como uma tonteria.
Ora, hoje mesmo, o Papa Francisco veio dizer que a exclusão e a desigualdade social "provocarão a explosão da violência".
Facilmente se infere, então, que Marcelo considera o Papa Francisco um tonto. Trata-se de uma acusação grave do devoto cristão Marcelo, pelo que se presume que amanhã, quando for à missa diária para expiar  os actos e ditos sacripantas que diariamente comete, o professor seja obrigado a confessar-se e pedir perdão pelo sacrilégio. Bondoso, o padre mandá-lo-á em paz e no próximo domingo Marcelo dirá, na TVI, que as palavras do Papa Francisco não são comparáveis às de Mário Soares.

Sem surpresa, mas com apreensão: a caminho da Idade Média!



O Tribunal Constitucional declarou , com 7 votos a favor e 6 contra, a constitucionalidade da Lei das 40 horas de trabalho dos funcionários públicos.
Se alguma coisa me surpreendeu, nesta votação, foi o equilíbrio. Esperava uma vitória clara a favor da constitucionalidade. Não sendo, obviamente, entendido em matérias constitucionais, sempre me pareceu óbvio que este diploma passaria no crivo dos juízes do Palácio Ratton. 
Esta Lei é um retrocesso civilizacional sem precedentes e, por isso, muito gostaria que António José Seguro esclarecesse desde já ( como fez com as pensões) se a vai revogar no caso de vir a ser primeiro- ministro.
Alguns dirão que a declaração de constitucionalidade deste diploma é uma prova de que as pressões sobre o Tribunal Constitucional estão a surtir efeito.
Por agora, prefiro não ir por aí. Digo apenas que o retrocesso civilizacional que representa me deixa preocupado, por inúmeras razões, mas ainda mais torço o nariz, quando leio os argumentos invocados pelos juízes.
Não se pode invocar a equiparação do horário de trabalho dos funcionários públicos aos do sector privado, porque isso é uma redonda mentira. Tenho imensos amigos que trabalham 35 a 37 horas semanais no sector privado e usufruem de regalias inexistentes na função pública.
Os funcionários públicos, para além de não terem aumentos há quase uma década ( os aumentos de 2009 foram retirados meses depois) viram reduzidos os dias de férias, aumentado o horário de trabalho e, a breve prazo, terão os seus salários brutalmente reduzidos.
Escrevo "terão" porque, depois de ler os fundamentos invocados no acórdão, me parece muito provável que sirvam para declarar a constitucionalidade do corte dos salários e das pensões. Se isso não acontecer haverá uma contradição...
Com efeito, se os juizes consideram que  "a tutela constitucional da confiança, por sua natureza, não pode ser considerada entrave a qualquer alteração legislativa passível de frustrar expectativas legítimas e fundamentadas dos cidadãos”.
ou  que a medida se insere num
  “pacote de medidas de contenção de despesa pública que constam da Sétima Revisão do Programa de Ajustamento para Portugal constante do Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica”, visando “a diminuição da massa salarial do sector público através de restrições ao emprego e a redução da remuneração do trabalho extraordinário e de compensações”.
Ou ainda  que
não foram violados nem o princípio da confiança, nem o da proibição de retrocesso social.
e, ó surpresa absoluta!....
 há que ter presente que o grande prejuízo que as normas impugnadas lhes trazem ( aos funcionários públicos) é de tempo: tempo disponível para si mesmos, para as suas famílias e para o exercício de um conjunto de direitos fundamentais consagrados na Constituição".
Face a este juízo, não é expectável que  o corte das pensões, ou a redução dos salários ofereça quaisquer obstáculos à  declaração de constitucionalidade pelos doutos juízes.
Se o TC considerar constitucionais o corte de salários e a convergência das pensões, o governo ficará com as mãos livres e o caminho aberto para novos cortes que atingirão também os trabalhadores e reformados do sector privado. Nessa altura, poderemos dizer "Bem vindos à Idade Média!"  Quando é que os senhores juízes autorizam a canga?

Mais um passo rumo ao abismo



Um grupo de cerca de 130 deputados que se fez eleger com base na mentira, na infâmia, no amiguismo e  na manipulação, traiu uma vez mais o país e os seus eleitores, votando a favor de um OE que condena Portugal e os portugueses a uma miséria nunca conhecida depois do 25 de Abril. 
O povo generoso e ordeiro baixa as orelhas, vai a Fátima  agradecer a graça de ainda poder comer uma sopa por dia.
A maioria dos deputados que traíram o povo continuará a ser gente  cuja única profissão é a política, porque nada mais sabe fazer do que abanar com a cabeça ao chefe, baixar as calças e oferecer-se em troca de um lugar na AR.
O povo de carneiros está muito feliz por viver em paz e se ter livrado dos comunistas, por isso continua a pagar  os ordenados e restantes mordomias a pessoas que os roubam todos os dias, alegando que estão a defender a democracia e a independência nacional .
Os deputados traidores do povo continuarão a ter vencimentos que nunca aufeririam se alguma vez trabalhassem na vida. 
O povo analfabeto ( ou será crente?) ainda não percebeu que está a perder todas as regalias de Abril ou,   porque não lutou para as conquistar, considera normal que lhas retirem?
Os deputados que votaram a favor do OE vão agora comemorar com opíparos almoços em restaurantes onde a maioria dos portugueses nunca entrará.
O povo amorfo, quiçá cobarde, assiste a tudo isto com um encolher de ombros resignado, enquanto come a sopa do dia a que tem direito. 
Talvez esse povo tenha o que merece!

Hoje, no Palácio Galveias.


O meu amigo António Manuel Venda vai lançar a reedição do seu livro de contos com o curioso título " Quando o Presidente da República Visitou Monchique por Mera Curiosidade"
Será na Biblioteca do Palácio Galveias estando a apresentação a cargo do jornalista Fernando Alves.
Soube de fonte segura ( confesso, do próprio autor)que haverá deliciosas iguarias, providenciadas pela Confraria da Empada e pela Junta de Freguesia de Monchique (o local de nascimento do António) que as fará chegar a Lisboa hoje mesmo.
Se não conhecem a obra do António, têm hoje uma boa oportunidade para estabelecer o primeiro contacto. Se conhecem, vão lá conhecê-lo pessoalmente e confirmarão que é uma simpatia.
Infelizmente não poderei estar presente, por motivos de saúde, pelo que envio daqui o grande abraço que gostaria de lhe dar ao vivo. 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Diário de um idiota (5)


Pedro Lomba

Desde que acabaram os briefings, fiquei com curiosidade em saber qual a tarefa que o Maduro atribuiu ao Lomba. 
Soube, antes de me anestesiarem, que lhe tinha sido atribuída a supervisão do ACIDI ( Alto Comissariado para a Imigração). Quem me deu a informação disse-me que a primeira ideia que ele teve foi transformar aquilo numa direcção geral o que, a ser verdade, demonstra que nem ele nem ninguém no governo sabe qual é o trabalho ( meritório, diga-se) do ACIDI.
O pior, porém, não é isso. É a notícia de que Loba está apostado em cativar a vinda para Portugal de técnicos do PALOP, altamente qualificados. Ou seja... o governo mandou emigrar milhares de licenciados portugueses, altamente qualificados, e agora pretende "importar" quadros dos PALOP para os substituir, por outros que trabalhem com salários mais baixos.
Tem lógica... eu é que sou idiota!

No comments

Israel adopta medidas para expulsar imigrantes africanos.
Nem comento... chamo apenas a vossa atenção para os argumentos invocados. Depois, tirem as vossas conclusões

Ai Maria!

Será que vai apresentar queixa por ser vítima de violência doméstica? A culpa é do marido!

Conversas com o Papalagui (72)

- Ó tuga, explica-me lá a diferença entre o segundo resgate e o programa cautelar!
- Tás a ver um restaurante com Menus do Dia  muito maus, mas  onde o cliente escolhe a sobremesa?
- Sim,conheço um, mas nunca lá entro, porque não vou pagar uma refeição só para comer a sobremesa.
- Pois... um programa cautelar  é um Menu do Dia  com direito a escolher a sobremesa.

Grandes autores (29)

Emile Zola (1840-1902)



" A Besta Humana" e "Nana" foram os livros que li de Zola. Suficientes para o incluir neste top 50



domingo, 24 de novembro de 2013

No escurinho do cinema



Os cinemas de Lisboa continuam a fechar a bom ritmo. As salas  livres de pipocas, colas e arrotos, frequentados por gente civilizada que se sabe comportar em público, não têm  espaço neste país.
Depois do encerramento do Londres, no Verão, chegou agora a vez do King, 
Das salas tradicionais resta o Nimas  e, a espaços, o S. Jorge. Ambos com programações direccionadas para públicos específicos. 
Problemas económicos da empresa Castello Lopes provocaram o encerramento do Londres. A nova Lei das Rendas - feita com os pés- obrigará Paulo Branco a encerrar o King.
Não faltará muito tempo até que as pessoas da minha geração tenham perdido todas as salas de referência da juventude. 
Os mais velhos não têm dinheiro para ir ao cinema, ou não estão dispostos a  partilhar o mesmo espaço com cheiros nauseabundos a pipocas e gente imbecil que nem sequer sabe sentar-se numa cadeira sem por as patorras nas costas da cadeira da frente. 
O cinema de centro comercial triunfou, mas ainda há esperança que exemplos como o do renovado Alvalade possam salvar o prazer de ir a uma sala de cinema cheia, onde as pessoas ainda sabem comportar-se. 

E o resto é conversa!

Já fui  muito crítico do CR 7 da selecção e, por isso, considerei Messi o melhor jogador do mundo até 2011. Actualmente, Cristiano Ronaldo é, sem sombra de discussão e a grande distância de Messi, o jogador mais valioso. Compará-lo a Ribery é um insulto. Ou cegueira...
Após este interlúdio, voltemos a concentrar-nos no que é importante e deixemos o futebol em paz até Junho.
( Sou um lírico, eu sei...)

Le premier bonheur du jour

Pintura de Paul Signac
                                                                      

sábado, 23 de novembro de 2013

E por falar em flores...

A propósito do post anterior, sobre rosas e papoilas, penso que é oportuno encarar  com especial atenção estas propostas, aplicáveis a todo o tipo de flores 
Além de revelarem  um espírito empreendedor - digno de registo -  demonstram que a criação de uma disciplina de empreendedorismo, proposta por Pires de Lima, é  absolutamente desnecessária e despesista. O empreendedorismo ( como o desenrascanço) é algo que nasce connosco e não precisa de nos ser ensinado.

Falemos então de papoilas


O estado deprimente a que chegou o PS justifica plenamente a recusa de Rui Tavares em ser confundido com a agremiação da Rosa, integrando as suas listas ao PE. Não duvido que há por aí muito boa gente, devota socialista, que vê com grande expectativa o Partido Livre e está apenas à espera de alguns sinais para trocar o partido da Rosa, pelo partido da Papoila.  
O grande problema da papoila é durar pouco tempo. Além disso, reage muito mal a ventos fortes.Será que o Rui não se importa que elas desapareçam no final de Maio?

Alegorias no Palácio

No Palácio Nacional de Siena

Alegoria do Bom Governo




Alegoria do Mau Governo



sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Resumo do dia:os Metralha não fariam melhor...

A receita fiscal do Estado aumentou 2,2 mil milhões nos 10 primeiros meses de 2013, sendo que  2,19 milhões resultam de receitas do IRS.
Ou seja: o governo agiu como qualquer Metralha principiante. Precisando de verba para as suas estroinices,  mas sem grande imaginação e nem um pingo de vontade para trabalhar, recorreu ao método mais simples: todos os meses  fica à espera que os trabalhadores portugueses vão levantar o salário e, à porta do banco, aponta-lhes uma pistola e saca parte do dinheiro.



Por outras palavras:o interesse nacional é o de Cavaco!

Mas isso era em Março de 2010. Agora, Cavaco acha que está tudo porreiro.


Como era expectável, as palavras de Cavaco sobre a manif dos polícias orientaram-se pela vacuidade discursiva habitual :"não vi, não sei, ainda não falei com o PM" . Depois apelou à serenidade ( traduzido para Cavaquês: tenho de concertar a posição com o Pedro, ele é porreiro e para me evitar mais problemas,até vai pagar as dívidas do presidente do Benfica ao BPN
A propósito da lei sobre a convergência das pensões Cavaco reafirmou que não cede a pressões e analisa todos os diplomas com muito rigor mas, no momento de decidir, se está nas tintas para a Constituição e só vê o superior interesse nacional.
O problema é que, para Cavaco, o interesse nacional confunde-se com os seus próprios interesses.
Em 2010 dizia que os portugueses já não aguentavam mais sacrifícios e incitava escolas, pais e professores a rebelarem-se contra o governo ( chamou-lhe sobressalto cívico, lembram-se?) porque só tinha em mente entregar o governo ao seu partido.
Três anos depois, protege os seus interesses aguentando o governo que lhe dá garantias de silenciar tudo em torno do BPN e dos seus ex-compinchas na governação. Em troca, permite  que este governo aplique todas as medidas de austeridade que bem entenda;  esquece o juramento de cumprir e fazer cumprir a Constituição; aprova o estatuto do ensino particular e cooperativo, com medidas ainda mais gravosas do que as que  condenou ao governo Sócrates, sem cuidar que se trata de um enorme cambalacho de Crato e vai custar o futuro a pelo menos, uma geração, mas encher os bolsos a algumas "famiglia".
Interesse nacional, o tanas! Interesses de Boliqueime, dos vizinhos da Quinta da Coelha e do bando do BPN.  São esses os únicos interesses que movem Cavaco

Os Ser(m)ões de D. Benta


Agora que Fernando Moreira de Sá veio esclarecer aquilo que muita gente nos jornais sabia, mas fazia de conta não saber, há quem se atire ao homem por se ter calado tanto tempo. Há  quem o acuse de cobardia, delação e revanchismo.
Não vou discutir os epítetos. Interessa-me apenas  reflectir  sobre o comportamentos  dos que agora  se mostram indignados com o envolvimento de alguns jornalistas em todo o escabroso processo de promoção de PPC.
Espanta-me ver a indignação de jornalistas que trabalhavam ao lado de alguns desses energúmenos. Como é que eles desconheciam a actuação de seus colegas de redacção, se cá fora isso era discutido entre jornalistas e em jantares de bloggers?
Estranho, também, que os holofotes apontem, acusadores,  Fernando Moreira de Sá, mas simultaneamente  tenha caído um  manto de silêncio sobre o líder  e mentor da escumalha, ( onde - é sempre bom não esquecer- se integram indivíduos como Rodrigo Moita de Deus e Luís Paixão Martins) cujo nome é Pedro Passos Coelho, por acaso , actual PM.
Com excepção de Fernanda Câncio, ninguém parece dar muita importância ao papel desempenhado pela dupla Coelho/Relvas na manobra de intoxicação dos portugueses, levada a cabo graças à participação INTERESSADA de muitos jornalistas.
Não me espanto que assim seja.  Fernando Lima inventou - certamente com a conivência de Cavaco- a famosa intriga das escutas e o assunto caiu rapidamente no esquecimento da comunicação social.( Mas não de Belém, como se viria a provar, meses mais tarde, com os sucessivos ataques discursivos  do “okupa”, que acabariam  com o afastamento de Sócrates  e a ascensão de PPC).
Em vez de desferir sucessivos ataques a FMS, os indignados deviam interrogar-se sobre  o papel de alguns desses jornalistas noutros casos.  Resumiu -se à “entourage” de PPC, ou tem ramificações com os que inventaram a homossexualidade de Sócrates, criaram a inventona das escutas a Belém, alimentaram  e forjaram “provas” no caso Freeport, ou  divulgaram listas de “pedófilos”  no processo Casa Pia, onde constavam o nome de alguns políticos?
 E, já agora, poderiam ir mais longe e investigar  a participação de alguns desses jornalistas no processo de ascensão de Seguro à liderança do PS. 
Um dia- talvez mais cedo do que muitos esperam-  estas perguntas vão  ter respostas. Muito provavelmente voltará a haver muita gente indignada e o cerne da questão continuará por responder: quais são os interesses que utilizam PPC como  marionete na sua estratégia de estilhaçar o Estado Social? Que lugar ocupam na comunicação social? Quais são os jornalistas que  desempenham o papel de pivôs  destes interesses, em alguns  jornais, e qual a sua proeminência e visibilidade, no espaço televisivo?
A quem interessa fingir que a comunicação social portuguesa  não está envolvida, até ao tutano, com interesses económicos e financeiros que controlam o Centrão e o apêndice  Portas? Por que razão, já agora,  Pedro Correia enviou uma carta à Visão  a fingir-se de virgem ofendida? Querem ver que foi aos almoços enganado pela escumalha? Bem, mas mesmo assim, sem nada ter feito ( excepto o apoio expresso à manif  dos camisas brancas, indignados com a  asfixia democrática e os ataques de Sócrates à liberdade de expressão) foi contratado pelo Relvas. E nessa qualidade, por acaso, não terá servido de mensageiro em alguns encontros? Vá lá, Pedro, precisas que te avivem  a memória...
Ah, é verdade... eu já vos  disse que estranho a omissão dos nomes de Rodrigo Moita de Deus e Luís Paixão Martins? Já? Então agora apenas acrescento que as empresas destes senhores têm ganho balúrdios em ajustes directos com os governos. 
Resumindo: a intoxicação continua, apenas alguns protagonistas trocaram de posições. PPC continuará a ser promovido pelos do costume, com a amplificação  dos  media do costume, que utilizarão os argumentos do costume. São os mesmos que intoxicavam a opinião pública com o papão da asfixia democrática, no tempo de Sócrates, e  agora se remetem ao silêncio nos casos de Nuno Santos e Ana Leal, excomungados por...Delito de Opinião.
Já cá ando há muito para distinguir entre uma Virgem e uma prostituta de luxo, cujos encontros amorosos se rodeiam do máximo sigilo e discrição.

E o Aníbal? Será que fala?



Ontem, podia ter havido uma reedição do Secos e Molhados. Não houve, porque os polícias de serviço demonstraram, claramente, que estavam ao lado dos manifestantes.
Ficou o aviso ao governo. Não gostei,precisamente por isto...
Momentos depois, na Aula Magna, Vasco Lourenço reforçou o aviso. "Ou saem a bem ou saem à paulada"
A bem, todos já sabemos que não saem, porque estão protegidos pelo patrão Aníbal. Quando começa a paulada?
Do paralítico de Belém,já que não se mexe, espera-se uma palavrinha em relação à manif dos polícias. Inócua, displicente e fora do contexto, como habitualmente. Um mero proforma para aliviar a consciência e autoconvencer-se que não é ele o principal responsável pela situação do país.

Those were the days (38)


Cidade das Artes ( Valência)- 2012

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Toma lá que é democrático!

Escusam de se andar a esgadanhar, por causa de um jogo de futebol e de uma jogada publicitária de muito mau gosto.Fiquem as meninas a saber que neste blog nem Coca, nem Pepsi, excepto se não houver bebidas alternativas.
Ó Cristiano! Quando é que assinas pela Coca-Cola?

Moro num país tropical (não) abençoado por Deus



Pensas que vives num país tropical quando recebes o subsídio de férias em Novembro, olhas através da vidraça e vês o brilho exuberante do sol ( mas não saias à rua, para não te desiludires com as temperaturas).
Pensas que o país tropical onde vives pertence ao grupo dos ricos, quando olhas para o recibo do salário e constatas que mais de metade do teu salário foi para impostos.
Começas a desconfiar que podes estar enganado em relação à riqueza, quando vais à farmácia, pagas as propinas do teu filho, marcas uma consulta no hospital, ou precisas de algum apoio social.
Avolumas as suspeitas quando sais à rua e constatas que  está  um frio do caraças, apesar de o sol brilhar e o céu estar limpidamente azul.
Cais na real e percebes que  estás  num país  de jagunços, quando lês os jornais, vês televisão e ouves uns gajos que se proclamam  presidente e primeiro ministro, dizer que são defensores da democracia,mas se marimbam para  a Constituição e para a jura que fizeram de a defender.

Tens a certeza que te enganaste e afinal vives num país africano, pobre e de reduzidas dimensões, quando percebes que o  gabinete do vice-primeiro ministro  fica no Jardim Zoológico ( paredes meias, vá lá…)  e que para ocupar esse gabinete, o titular do cargo vendeu a alma ao diabo e traiu um povo inteiro.

Grandes autores (28)



                                                                  Jules Verne (1828-1905)

Um mestre da ficção que abriu os olhos a muita gente da minha geração, ajudando-a a sair do casulo e a sonhar.
Nenhum dos seus livros terá sido "Livro da minha vida", mas foi um autor da minha vida e as listas fizeram-se para conter excepções. Escolher entre "Viagem ao Centro da Terra", "Cinco Semanas em Balão", "20 Mil Léguas Submarinas" , ou "A Volta ao Mundo em 80 Dias" é tarefa ciclópica que deixo à consideração dos leitores.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Diário de um idiota (4)



A máxima deste governo passou a ser “É tão giro ter um mini”!
Depois de criar os mini empregos, os  mini salários e as mini pensões , as mini cabeças criaram os mini cursos.
 São cursos superiores de curta duração, à la Relvas.
Tem lógica… eu é que sou idiota!

Sejamos realistas!

Não é por deixarmos  de escrever sobre futebol que os tugas deixam de se alucinar. Não é por deixarmos de falar sobre futebol, que o tuga vai deixar de se alienar com os sucessos do seu clube ou da sua selecção
Já dei para o peditório dos “educadores do povo”, da “grande luta da classes operária”, “da campanha  de higienização mental”. Fui tão ingénuo, que até creditei que as campanhas de dinamização cultural-  nas quais me orgulho de ter participado- iriam contribuir para esclarecer e educar o povo.
Hoje já sou mais crescido e não tenho ilusões. O povo é, normalmente, reacionário. Ou , se preferirem, de direita, pronto, mas  há uma coisa que qualquer governo sabe, seja de direita, de esquerda ou do centro: o povo não se educa politicamente. O povo aliena-se com futebol, show bizz e consumismo, para que não questione o poder.
 Importante, para que possa ser diferente, é dar-lhe  condições para evoluir culturalmente , facilitar o acesso ao ensino e ao debate  de ideias para, então, fazer livremente as suas escolhas.  Tudo isto já Marx sabia, mas não sei se  gostava de futebol…

Cabrão é que não, sff!

"Quando é que percebem que na frase "És o maior, caralho!", proferida por Bruno Alves, o último vocábulo não corresponde a um palavrão, mas sim ao complemento circunstancial de felicidade, uma espécie de fogo de artifício da língua portuguesa?"
(Barbara Baldaia in FB)

É isso mesmo!  Podia aplicar-se o mesmo de “filho da puta” e outras expressões  utilizadas para exprimir felicidade, frustração, desgosto. Mas, por favor, nunca  chamem cabrão a um gajo do Norte! Isso sim, é insulto!

Those were the days (36)

Ilha da Boavista - 2013

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Resumo do dia: o suave milagre

Eufórico com a vitória de Portugal e consequente apuramento para o Brasil, Pedro Passos Coelho telefonou a Marco António Costa.
- Estamos safos, pá! Até Julho podemos continuar a fazer o que quisermos, porque a malta só pensa em futebol.Querem lá saber
- Já telefonaste à D. Maria?
- Por que raio havia de telefonar? Não suporto a mulher!
- É melhor telefonares a agradecer...
- Agradecer o quê?
- Ela esta manhã teve uma visão e passou o dia a pedir a Nossa Senhora de Fátima que Portugal se apurasse para o Brasil e o Ronaldo marcasse três golos
- Não me digas que ela também acha que o apuramento de Portugal foi um  milagre!
- Não só acha, como quer que tu vás agradecer a Nossa Senhora.
- ( Gargalhadas) Não me digas que ela quer que eu vá a Fátima a pé...
- Não é preciso tanto, pá. Basta que marques o próximo conselho de ministros para Fátima.
- Eh pá, prefiro ir tomar um pequeno almoço com o Ronaldo!


O mais importante é conhecer a besta

Já me indignei aqui com as declarações do energúmeno César das Neves. Subscrevo as criticas, como esta que lhe têm sido feitas.
Não pactuo é com quem lhe quer cortar a voz e exige que o DN  deixe de lhe dar espaço para escrever as diatribes próprias de um louco.
César das Neves é um chulo dos contribuintes que tem vivido à sombra do poder? Muito provavelmente... Mais importante, porém, é conhecer as palavras das bestas. Silenciar gente de extrema direita é dar-lhes pretextos para se vitimizarem. Para melhor nos defendermos, o melhor é sabermos o que eles pensam e do que são capazes, não é varrer as suas opiniões para debaixo do tapete e  fingirmos que não existem. Pelo contrário, devemos dar-lhes  espaço para mostrarem a sua índole. Esta é a solução mais acertada.

E tu também acreditas na Branca de Neve?


Sérgio Monteiro – secretário de estado dos transportes e comunicações- afirmou há dias, num congresso,  que acredita em Portugal como “ um país meritocrático e não tachocrático”
Pois, pois… basta ler as longas listas de nomeações no DR e o perfil dos nomeados, para  ver que o Sérgio Monteiro  pensa que  nós  também acreditamos na Branca de Neve!
Ora vejam só este exemplo de meritocracia...

É como comparar merda com mousse de chocolate...

" É preciso cortar nos salários e nas pensões, como fez a Irlanda, para ter o mesmo sucesso". São palavras de PPC que, de seguida, invectivou o PS a aceitar o OE 2014 sem pestanejar.
Eu não sei se o PM é burro, ou "só" nos quer fazer passar a todos por burros, ao ignorar a economia e comparar os cortes dos salários e pensões dos irlandeses,  com  os que pretende aplicar aos portugueses. As diferenças estão explicadas aqui
Confundir as duas coisas, é o mesmo que confundir merda com mousse de chocolate. Eu não sei se PPC faz muitas vezes confusões semelhantes, mas  começo a admitir que muita desta malta andou, no mínimo, a comer gato por lebre. Partindo do princípio que a sobremesa era salada de frutas, claro...

Grandes autores (27)

Jorge Amado (1912-2001)
Li muitos livros de Jorge Amado mas "Capitães da Areia" ( o primeiro que li) entrou directamente para "os livros da minha vida"

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Diário de um idiota (3)



No país mais justo que o animal  garante estar a construir, o ministério da educação guarda  19,4 milhões de euros para oferecer às escolas privadas e tira 14 milhões ao orçamento destinado ao ensino dos deficientes.
Tem lógica… eu é que sou idiota!

Pois, pois... e eu acredito em contos de fadas!




Não li o relatório do FMI mas, segundo os jornais,  quatro das exigências da troika são:
- redução dos salários no privado;
-redução do salário mínimo dos jovens;
- redução das indemnizações por despedimento ilícito;
-  criar medidas que desincentivem  os trabalhadores despedidos sem justa causa, a recorrer   aos tribunais.
Lê-se e não se acredita que os técnicos do FMI sejam tão incompetentes e idiotas, para aconselharem medidas como estas.
Sinceramente, não acredito e só tenho uma explicação. Se elas foram colocadas no relatório do FMI, foi a pedido do próprio governo, que precisava de mostrar aos portugueses que sabe dizer não à troika.
Isto é tudo  muito pueril  mas, dados os exemplos de infantilismo da maioria dos membros deste governo, não me custa nada acreditar que alguém se tenha lembrado deste estratagema, para ficar bem na fotografia. 
Como não acredito em contos de fadas, esta é a única explicação que encontro para tanto disparate, por parte de técnicos do FMI.

Última hora! Governo dá ( ainda mais) prémios a quem pedir factura

Como é sabido, a partir de janeiro o governo irá premiar semanalmente, entre os consumidores que pedirem facturas, magníficos automóveis  apreendidos a quem não os pode pagar.  Esta é a parte da notícia que o leitor já sabia.  Agora, a novidade!
Por proposta conjunta de Pires de Lima e Nuno Crato,  o sorteio semanal vai atribuir  um segundo prémio: dez  mini cursos superiores com certificado a ser emitido no final das manhãs de sábado. Os minicursos superiores engendrados pela dupla  terão inicio às 9 da manhã e concluirão ao meio dia e meia, para que o ministro a quem competir entregar os certificados, possa almoçar em sossego com a família.
Outra novidade, é os mini-cursos poderem ser trocados por certificados obtidos na frequência deste curso rápido

Those were the days (35)

De Cafayate a Salta (Andes argentinos)- 2009

domingo, 17 de novembro de 2013

O escroque



Quando Pedro Passos Coelho não tem coragem para dizer certas coisas, pede ajuda a intermediários. Hoje, pediu a João César das Neves para dizer que aumentar os salários é suicida e a maioria dos pensionistas não é pobre.Finge! 
Ainda tenho esperança de ver esta escumalha presa e a morrer à fome!

Eu também vejo...

... a luz ao fundo do túnel mas não gosto do que vejo. É demasiado aterrador!

Le premier bonheur du jour

Eu não gosto de viajar em grupo, mas reconheço que pode ter as suas vantagens!
Tenham um bom domingo

sábado, 16 de novembro de 2013

Eu explico, mas você complica...

Vejam se percebem tudo direitinho, tá?

Como é que não me lembrei disto?

Devo reconhecer, perante todos os leitores, que tenho sido injusto ao desvalorizar os hossanas dos que rejubilam com o fim da troika . A verdade é que se eles se referem a esta troika, têm todo o meu apoio!

Dia do Desassossego (2)

Neste Dia do Desassossego, convidei o meu estômago a desassossegar-se comigo e vou estar, com mais 119 pessoas, no almoço (com lotação já esgotada) da Confraria do Bucho Raiano. Depois de saborear este pitéu irrecusável, voltarei a pegar no livro e, ao fim da tarde, estarei aqui, para alimentar o espírito:
Tenham um excelente Dia do Desassossego!

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Dia do Desassossego (1)

Amanhã, dia 16, é Dia do Desassossego. Uma iniciativa da Fundação José Saramago, para assinalar o aniversário do nascimento do nosso Nobel da Literatura.
Responda ao convite. Saia para a rua com um livro na mão, entregue-se à leitura em locais públicos e participe num (ou mais) dos muitos eventos que constam do programa. (clique na imagem para ampliar).
Desassossegue-se!

Isto penso eu, que sou um perverso do caraças!

O Papa Francisco tem muito a fazer em Portugal. No momento em que lança um inquérito aos católicos
sobre questões de sexualidade e família, a Confederação Episcopal Portuguesa  marca a sua posição assim
Não me espantaria se o objectivo destas declarações for exigir a revogação da legislação, oferecendo a Igreja em troca, um discurso mais benevolente - quiçá mesmo de apoio, como já ensaiou D. Policarpo- em relação às medidas de austeridade do governo e suas consequências.
Talvez seja perversão minha, mas não seria a primeira vez que assistiríamos a transacções pouco claras entre a Igreja e o poder político em Portugal.

Quando as putas se fingem de virgens, acaba-se na violência doméstica


Ontem foi o  Dia dos Arrependidos.  No DN, André Macedo divulgava um encontro conspiratório com Gaspar, onde esteve presente, destinado a delinear uma estratégia concertada de ataque oa governo de Sócrates. Estas reuniões em off  vulgarizaram-se de tal forma, que já não espantam ninguém.As revelações de André Macedo podem causar alguma surpresa mas, não mais do que isso. 
Na Visão, Fernando Moreira de Sá  fez-me lembrar João Carlos Santos ( até nos arrependidos os partidos do  Centrão se equivalem)    ao divulgar, em entrevista, aquilo que há muito fora revelado nas redes sociais.
Da entrevista de Fernando Moreira de Sá,  penso mais ou menos o mesmo que a Fernanda.  
Apesar de tudo recomendo a leitura da Visão. Principalmente àqueles ingénuos  que acreditam em fadas.
A orquestração da campanha contra Sócrates, visando aplanar o caminho de Coelho até ao pote, foi nojenta e toda a gente sabe quem participou nela. Na blogosfera e nos jornais. 
O DN foi o  centro operacional. Entre o  batalhão de jornalistas afectos a Coelho alguns eram pivôs da conspiração ( todos falam do FAL mas esqueceram-se , por exemplo, de Maria de Lurdes Vale?) que se comportaram como fanáticos, manipularam ou fabricaram notícias e desprestigiaram o jornalismo.
Esses jornalistas estão identificados há muito e a notícia dos almoços  e das reuniões  conspiratórias não são novidade nenhuma.  Triste, é assistir ao espetáculo de um  dos intervenientes nesse complô vir  agora fingir-se de virgem, como se nada tivesse a ver com o assunto e só tivesse passado pelos almoços para comer à borla. Esperava mais dignidade de Pedro Correia, apesar de...

Entraram no túnel errado!



Os patuscos do pote andaram dois anos a dizer que Portugal não era a Grécia, mas sim a Irlanda e lá para Junho, depois do remake de 1640, iríamos dar provas de que podíamos ter um programa cautelar igual ao da Irlanda.
 Ainda ontem de  manhã, animados por uns laivos de crescimento, vieram todos dizer que já viam luz ao fundo do túnel e confirmar a concretização do milagre.
Talvez por estarem fartos das mentiras e comportamentos pueris ( apesar de obscenos em relação ao povo)  da trupe de patuscos, os fazedores de milagres mandaram uma mensagem a dizer que não havia milagre para ninguém e não gostavam de bons alunos batoteiros que, para obterem boas notas, copiavam pelo parceiro.  
Os milagreiros deram um empurrãozinho à Irlanda  para se desenvencilhar sozinha e os nossos meliantes ficaram sem farol que lhes servisse de guia e entraram no túnel errado. 
O mais provável é que, depois de se perderem por atalhos, acabem por se encontrar com a Grécia num qualquer cruzamento. Temo é que, nessa altura, a Grécia não nos ligue nenhuma, por já ter encontrado o caminho certo e se estar a borrifar para nós.
Nesse dia, os meninos bem comportados deviam ser fuzilados, por terem seguido uma luz e desdenhado a experiência de um cão guia. 

Grandes autores (26)

José Mauro de Vasconcelos(1920-1984)

"O Meu Pé de Laranja Lima". Quem não leu , levante a mão. Quem não gostou, levante as duas.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Diário de um idiota (2)

Helder Rosalino (Sec Estado Adm Pública)


O governo está empenhado  em criar condições para diminuir drasticamente o desemprego jovem. Nessa medida, empurra os funcionários públicos mais jovens para as rescisões amigáveis, mas  veda-as aos que tenham mais de 59 anos. Será porque são mais produtivos, ou porque se podem mandar mais facilmente para o caixote do lixo da mobilidade especial, que fica mais barato?
Tem lógica… eu é que sou idiota!

Os embusteiros dos números

Andam por aí uns comentadores a esgrimir, como prova da recuperação do país, o facto de estar  a diminuir   o número de insolvências e a aumentar o número de criação de empresas. Alguns comentadores  afiançam mesmo que  em média, estão a ser criadas duas empresas por cada uma em processo de insolvência  e/ou falência.
Não é preciso ser economista para perceber a falácia que este juízo esconde.  Cingindo-me ao factor emprego, lembro que para manter a estabilidade dos números  de desemprego,  a relação de 1 para 2 implicaria, no mínimo, que por cada empresa de 100 trabalhadores que encerre, seriam constituídas 2 que criassem, cada uma, 50 postos de trabalho. Ora, como é facilmente perceptível através de uma análise da tipologia das empresas que encerram e as que são criadas, essa proporção está muito longe de ser alcançada. A maioria das empresas criadas são micro-empresas que  empregam entre 2 a 10 trabalhadores. 
Os comentadeiros ao serviço do governo também não se preocupam em saber a dimensão económica das empresas, nem muito menos o seu ramo de actividade. A maioria são empresas de serviços  com pouco capital e geram pouco valor acrescentado à economia.
Estes comentadeiros gostam é de números, mas não lhes interessa saber o seu significado. São embusteiros ao serviço de Sua Majestade.

Por cá, o governo também antecipou o Natal

Anda por aí toda a gente a rir, porque Nicolas Maduro decidiu antecipar o Natal e obrigar as lojas a vender os produtos a preços baixos, mas esquecem-se que por cá também já estamos em plena quadra natalícia.
Não o digo porque os centros comerciais estão todos engalanados com iluminações natalícias. Refiro-me a coisas mais palpáveis.
Ainda há dias vi o Pai Natal na televisão. Também se chama Maduro, como o venezuelano, e trouxe-nos a Boa Nova: o pior já passou! 
Dias depois veio o chefinho Portas confirmar: estamos a caminho do sucesso e o Machete este ano vai ser o Burro do Presépio!
Outra prova de que também por aqui se antecipou o Natal, é que em vez de fazer como o Maduro venezuelano e obrigar os supermercados a baixar os preços, o nosso Coelho preferiu descer os salários dos funcionários públicos e cortar nas reformas dos pensionistas, antes de ir  com o Pai Natal ao circo.
Não sou parvo e não me vou deixar enganar pela Estrela que eles me puseram no caminho, para me desviar do caminho de Belém. Quero lá chegar, tirar das palhinhas  o trapaceiro que anda a fazer-se passar por Menino Jesus  e a dizer que nasceu para nos salvar e depois afifar-lhe duas chapadas!


Buraco Negro


O relatório do FMI vem confirmar aquilo de que já suspeitávamos. Estamos enfiados num buraco negro de que não conseguiremos sair nas próximas décadas.
O FMI não se limita a dizer que o regresso aos mercados é muito difícil.Duvida da possibilidade de baixar o IRS nos próximos tempos; exige a redução dos salários no sector privado;  considera como dado adquirido que os cortes salariais dos funcionários e das pensões são permanentes; lamenta que o TC seja um obstáculo; avisa que não quer crises políticas; também não quer que os trabalhadores recorram a tribunais se forem despedidos sem justa causa (ainda alguém acredita que vivemos numa democracia e num  esatdo de direito?)Informa-nos que o governo se comprometeu a apresentar, até final do ano, um relatório sobre flexibilidade salarial.
Que o governo anda a mentir aos portugueses, quando anuncia milagres económicos, o fim da crise e o regresso aos mercados.
 Ficamos agora a saber, pela reacção do governo ( diz estar disposto a fazer tudo o que a troika quiser) que a escumalha, enquanto lambe as beiçolas e abana a cauda, vai congeminando com os nossos credores medidas que nos empobreçam ainda mais. Não há um único Homem neste governo, que defenda o país e o povo da política ensandecida dos troikanos? São todos uns traidores?  Abrem as pernas e baixam as calças perante as exigências da troika e convidam-nos a servirem-se à vontade?
Que os troikanos são uma corja de  chulos e nos tratem como escravos, não me espanta. Que tenham o apoio dos energúmenos que nos governam é, no mínimo, chocante.
E o que faz o Okupa de Belém? Assobia para o lado, como se não fosse nada com ele. Com a chegada do Inverno, põe  a mantinha em cima dos joelhos e toma uns chazinhos com a rapaziada. 
Os portugueses? Que é que eu tenho a ver com isso? Desenrasquem-se, porque com a reforma que recebo não tenho tempo, nem paciência, para me preocupar com isso.

Those were the days (34)

Pipa (Brasil)

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Diário de um idiota (1) *


Foto do "Público"

Pedro Passos Coelho afirmou, esta manhã, "estamos a construir as bases de um país mais próspero e mais justo"
Eu não sei onde é que este c..... vive, mas certamente que anda a comer cogumelos mágicos.
* O idiota sou eu, que não percebo nada de política nem tenho biblioteca. 

O Suave Milagre


Há dias Pires de Lima deu os parabéns às empresas pelo importante papel que têm desempenhado na recuperação do país. Na segunda feira Paulo Portas  imitou-o. Felizmente que as empresas estão a  ser o motor da nossa economia e nos vão tirar do atoleiro. O problema é que perante casos como este apetece mais dizer "Então parabéns à prima"

Meine Liebe Merkel, estou contigo!

Ainda não percebi...se este tipo é estúpido, cobarde, ou está na fase lambe botas, porque precisa de arranjar emprego daqui a uns meses.
Uma coisa é certa: estou ao lado da Alemanha. Se ninguém quer esclarecer por que razão os multimilionários estão a aumentar escandalosamente a sua riqueza à custa da crise e da miséria de milhões de famílias, mas ninguém se importa com isso, porque raio está a Comissão indignada com o enriquecimento da Alemanha?

Telegramas de Varsóvia (2)

Bem pode pregar Moreira da Silva, sobre a necessidade premente de Portugal enveredar por um  desenvolvimento sustentável e fazer uma aposta na economia verde. Cristas- a ministra mãe - já garantiu  ano passado que a Reserva Ecológica Nacional tem os dias contados e, ontem, o correligionário das cervejas veio anunciar este belíssimo investimento na economia verde.
Depois desta demonstração de verdura, até tremo quando leio que o mesmo Pires de Lima quer criar uma disciplina de empreendedorismo no ensino obrigatório. Deve ser para formar empresas de bombeiros!
Alguém me explica o que foi Portugal fazer a Varsóvia?

A prova de que Cavaco não é palhaço

Se Cavaco fosse palhaço seria uma pessoa normal e  já teria percebido que a única solução para o país, neste momento, é ir a votos. O homem que se passeia por Belém, fazendo-se passar por PR, não é  palhaço. É um superdotado!
Ele foi - até ao momento- o único primeiro ministro que soube escolher para o seu governo homens com capacidade de empreendedorismo suficiente para criarem um banco com  potencialidade para o enriquecer e lhe dar uma casa nova.
Cavaco é a única pessoa em Portugal a acreditar que o melhor para o país é continuar neste processo de  empobrecimento e destruição até 2015.
A réplica de Américo Tomaz em versão protodemocrática tem a sageza suficiente para perceber que dar a voz ao povo em eleições legislativas antecipadas, seria dar a oportunidade aos portugueses de o humilhar, rejeitando o governo que ele impôs ao país.
Há quem diga que Cavaco é um visionário e sonha com o regresso ao Estado Novo. As visões que ele tem, não sei, mas partindo do princípio que Cavaco não tem os mesmos hábitos do Mayor de Toronto, só podem ser resultado da intromissão de uma entidade satânica no seu sempre iluminado espírito.

Grandes autores (25)

Mark Twain (1835-1910)

Quem não se deixou apaixonar pelas aventuras de Tom Sawyer ou Hucklberry Finn?

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Those were the days (33)

Nha Trang (Vietname - 2006)

Telegramas de Varsóvia


Não sei qual foi o critério da ONU ao escolher Varsóvia como anfitriã  da Cimeira sobre o clima mas, desde logo, se me coloca uma questão: o país anfitrião deverá ser um dos que mais resistências vai oferecer a  um acordo que permita estancar a escalada do aquecimento global.
Quase 90% da electricidade consumida na Polónia é proveniente do carvão,  e  a localidade de Belchatow, onde existe uma jazida, é o local da Europa  que produz mais carbono para a atmosfera. 
A Polónia tem sido o país, no seio da União Europeia,  que tem oferecido mais resistência à tomada de medidas que visem reduzir, de forma permanente, a emissão de gases com efeito de estufa.
Não se espera, por isso, que Varsóvia seja mais do que uma escala técnica para a Cimeira de Paris em 2015. Nem os efeitos devastadores do tufão  Hayian- classificado como a maior catástrofe climática de sempre – que matou pelo menos 10 mil pessoas e deixou milhares de desalojados, nem o lancinante apelo e a greve de fome do representante das Filipinas parecem demover  a maioria dos delegados  presentes, em representação de 189 países.
Todos estão conscientes que as catástrofes naturais tendem a aumentar de intensidade e a ter efeitos cada vez mais devastadores, mas poucos são os que pretendem por um travão ao modelo de crescimento insano e insustentável.
Efeitos do aquecimento global em menos de 80 anos
Os  EUA continuam inflexíveis. Recusam o controlo das medidas por eles próprios definidas e rejeitam um acordo impositivo, com metas fixas.
A China é um dos países que melhor conhece os efeitos do desenvolvimento caótico dentro das suas fronteiras.  O aumento galopante de doenças respiratórias ( só em Pequim, as vítimas de cancro do pulmão aumentaram 50% na última década); o ar irrespirável em muitas cidades; a o manto de poluição que cobre umas outras quantas, impedindo o sol  de brilhar 350 dias por ano , são apenas alguns exemplos. Não suficientes, porém, para evitar uma decisão  do Comité Central do PC chinês, que vai agravar a situação. Ao permitir que seja o mercado a controlar a economia, a RPC está a dar um sinal claro de que não está disposta a fazer grandes concessões para travar a aceleração das alterações climáticas.
A UE continua mergulhada nas suas contradições e não fala a uma só voz, sendo claras as divergências entre a Grã Bretanha e a Alemanha, por exemplo, sobre as medidas a tomar e os prazos para a sua aplicação.
O único sinal positivo parece vir da América Latina. Liderados pelo Brasil, os países latino americanos  exigem medidas  que permitam estabelecer um acordo vinculativo com efeitos a partir de pelo menos 2015( o Quoto 2), rejeitando que o impasse se prolongue até 2020.
Consciente da urgência das medidas e as indecisões euro americanas e asiáticas, o Brasil avançou com uma proposta: que todos os países auscultem as suas populações – a través das organizações empresariais, sociais e laborais –  sobre as metas que devem ser  estabelecidas em Paris em 2015.

Já todos parecem ter percebido que as esperanças de consensos são ténues. Mas enquanto dentro do estádio os delegados fazem esforços por um acordo, nas ruas de Varsóvia milhares de simpatizantes da extrema direita aproveitaram as comemorações do Dia da independência para atacar a embaixada da Rússia com slogans como “Vamos bater na escumalha vermelha com a foice e o martelo” e exigir ao governo polaco a expulsão dos imigrantes.
O mundo está perigoso e não é só em termos climáticos. Lentamente, a extrema direita europeia vai afiando as suas garras e Marine Le Pen, em França, exulta com a possibilidade (cada vez mais real) de ter um resultado retumbante nas eleições europeias de Maio.