sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Paris em Lisboa



Na Avenida Duque de Ávila está  patente ao público, até ao próximo domingo,  uma exposição fotográfica de Paris. Ou melhor. Do Paris moderno e sustentável que se preocupa com os cidadãos e com o ambiente.
Nos últimos tempos, as mudanças têm sido profundas mas, apesar de ir lá todos os anos, não me tinha ainda apercebido de uma grande parte delas.
Enquanto via as fotografias e constatava  que, paulatinamente, Paris vai roubando espaço aos carros para o devolver aos cidadãos, lembrei-me das dificuldades que António Costa tem sentido para fazer algo semelhante em Lisboa.
Não sei se houve uma reacção muito adversa dos parisienses às transformações na cidade, que tornam a vida dos automobilistas cada dia mais difícil, mas lembrei-me do burburinho levantado em Lisboa pelas alterações na Rotunda, especialmente por uma direita retrógrada, conservadora e autista, que continua a imaginar uma cidade feita para os carros.
Pouco lhes importa que as alterações ao trânsito no centro da cidade tenham  por objectivo melhorar a vida dos lisboetas e evitar uma pesada multa por infracção das normas comunitárias de meio ambiente urbano.  Os lisboetas gostam de ir às compras de carrinho, jantar fora ou tomar um copo montados nas  suas  vaidades e ir trabalhar apoiados no comodismo.
Os lisboetas têm de perceber que as cidades modernas são feitas para peões e não para automóveis. Só assim se preserva a qualidade de vida de quem as habita. Não perceber isso é ficar cristalizado no tempo.
Fazia  bem aos lisboetas irem ver a exposição na Duque d’Ávila!
E se é um apaixonado por Paris, não lhe faltam por estes dias oportunidades de observar algumas das afinidades entre Lisboa e a bela capital francesa, visitando esta outra exposição.

5 comentários:

  1. Ai, gostaria de voltar a Paris, embora não seja a minha cidade de paixão e eu tivesse que andar à chuva quase todo o tempo em que lá estive...

    Quanto ao resto , concordo contigo, amigo.

    Bom final de semana, que eu irei à Ponte amanha

    ResponderEliminar
  2. Lisboa é um mundo e eu aqui desterrada há 39 anos neste sítio atrás do sol posto! Mau! Muito mau!

    ResponderEliminar

  3. Andar em Lisboa não é fácil. As ruas são estreitas, os passeios mais estreitos são, evidentemente, e, ainda por cima, todo esse estacionamento selvagem que para além de ser perigoso para os peões dão um aspeto desolador à cidade.
    Mesmo assim tantas saudades que tenho de Lisboa...

    ResponderEliminar
  4. E eu que andei por aí tão perto para ir ver um filme ao Instituto Francês não dei por ela...:(
    E já não vou a tempo porque vim até à santa terrinha!

    ResponderEliminar
  5. Se tivéssemos transportes públicos verdadeiramente alternativos e acessíveis teríamos opção, assim vai dar banho ao cão...
    Em relação á poluição, há alternativas não poluentes que deviam ser equacionadas, mas o peso dos senhores dos combustíveis fósseis é enorme, estes ainda são os donos do mundo. Aliar o conforto das pessoas com a preservação do ambiente, não dá dinheiro a estes crápulas.

    ResponderEliminar