quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O exemplo destes jovens deixa-me mais descansado em relação ao futuro!



Isto passa-se na Guarda ( durante as praxes académicas).Europa. Século XXI. Inimaginável!

É muito difícil acreditar que esta gente vai um dia estar à frente de turmas de crianças ou de jovens, à frente de serviços públicos ou de empresas. Ou sentada na mesa de um tribunal. Ou nas cadeiras da Assembleia da República. Ou dos destinos das autarquias. No Governo, já não custa tanto a imaginar.

"...Os caloiros são obrigados a comprar leite, farinha, ketchup, maionese, ovos, etc. Levam com papas k contêm urina, fezes, vomitado e por aí adiante... É mt mt mt vergonhoso! A maioria das vezes praxam os caloiros no chafariz da Dorna por ser um sitio escondido..." - (num post de Maria Helena Dias Loureiro)
Roubado no FB 
PS: São estes jovens que vão para as Universidades de Verão das Jotinhas ouvir tipos como este dizer que andam a ser roubados pelos velhos?

11 comentários:

  1. É realmente muito desconsolador...
    Esperemos que cresçam, aprendam e se tornem individuos decentes.xx

    ResponderEliminar
  2. As praxes deveriam ser proibidas de todo!!!

    Além destas parvoíces próprias ainda vão ser endoutrinados por idiotas com Alexandre RElvas, amigo pessoal do reformado que ocupa o lar de Belém sem fazer nada de útil!!

    Bons sonhos

    ResponderEliminar
  3. Os caloiros não são obrigados a entrar nessas praxes, se o fazem é de livre vontade.
    Há muitos estudantes que recusam as praxes.

    Proibir (tempo de Salazar) não é uma solução: o fruto proibido é o mais apetecido.

    Penso como a Papoila: eles crescerão , aprenderão e tornar-se-ão individuos decentes.

    Já esquecemos o que fizemos na nossa juventude?

    ResponderEliminar
  4. ematejoca,
    Eu NUNCA fiz estas barbaridades.
    Praxe académica não é isto.
    A praxe académica, boémia, saudável, com imaginação, é divertida, é saudável, não é para proibir, São.
    Esta barbárie não é praxe académica nem nada que se pareça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me lembra de haver praxes no meu tempo, mas como estudei em Düsseldorf, talvez seja essa a razão do meu esquecimento.

      Mas ainda me lembra é que o consumo de drogas, especialmente, na Escola de Belas Artes do Porto era ENORME!!!

      Eliminar
  5. É atroz! "Pequenos" criminosos se ensaiam.

    O meu repúdio por estas práticas é enorme. É legítimo perguntar por onde andaram os educadores desta "gente"? Todos eles.

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho um familiar que anda nessas cobóiadas, e os pais não o podem proibir, porque ele é um adulto.

      Não acredito que ele mais tarde seja um criminoso!!!

      Acredito sim, que mais tarde seja líder do PS.

      Eliminar
  6. Cá na terra , onde há um Politécnjco com baixíssima frequência , é igual ou pior.Entram com médias negativas , no liceu levavam anos e anos a fazer por exemplo matemática e depois até tiravam 14....Aqui predominam as bebedeiras...é horrível , é degradante , tanto eles como elas.. Por onde passam a caminho das residêncis universitárias ( pagas por todos nós) , partem tudo ..campaínhas de portas , caixas de correio , entram nos jardins das casas tiram vasos , partem e até os vão colocar no meio da avenida , partem acessórios de carros estacionados , partem vidros de casas fechadas etc. etc. Que esperar destes vândalos ? Que cultura demonstram ? E mais teria para dizer .M.A.A.

    ResponderEliminar
  7. Junto-me ao Pedro Coimbra: isto não é praxe. E quem participou em praxe a sério não a confunde com isto.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Brutidades e selvajaria... custa acreditar que se trate de gente esclarecida! Assusta-me saber que um dia serão eles que irão decidir o meu direito a um lar da misericórdia...isto se ainda existir Misericórdia para quem não tem uma pensão de velhice...

    ResponderEliminar