segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Um pedido aos eleitores laranja

Defenestração do traidor Miguel de Vasconcelos


Se isso vos faz felizes, continuem a acreditar que a crise portuguesa é da nossa exclusiva responsabilidade e que os alemães, nossos amigos, estão muito preocupados com a situação  do país; 
Continuem a acreditar que a Merkel  e o sacana do paraplégico nos querem ajudar a sair da crise;
Continuem a pensar que todos os números que vão saindo a público, nestes últimos dias, indiciam a recuperação (e nada têm a ver com as eleições autárquicas que se aproximam);
Continuem a acreditar que a troika adiou a sua vinda a Portugal para fazer a 8ª e 9ª avaliações, por meras razões técnicas ( que nada têm a ver com as eleições alemãs e com as medidas de austeridade  que o governo vai anunciar depois das nossas autárquicas);
Acreditem no que quiserem- até na fábula do Durão Barroso, preocupado com Portugal- mas, por favor, leiam isto e abram os olhos. 
Pelo menos façam um esforço para perceber quais são os interesses de Pedro Passos Coelho, Maduro e outros ministros e ministeriáveis, quando saem em defesa dos pobres países do Norte que andam a pagar os vícios dos malandros do sul. Por muito menos, um punhado de valentes defenestrou o traidor Miguel de Vasconcelos. 
Já agora, meus caros ingénuos laranjinhas, ainda não perceberam a razão de o vosso amado líder ter acabado com o feriado do 1º de Dezembro?

5 comentários:

  1. Se há coisa que não entendo neste país, é o facto de qualquer cidadão reclamar, e muito bem, quando compra algum artigo que não está conforme o publicitado e exigir um artigo em condições ou a devolução do cacau. Já o mesmo não acontece quando os politiqueiros lhes prometem uma coisa antes de serem eleitos e fazerem outra depois quando estão no poleiro. Porque será?

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Barbosamigo

    Este é que vale, pois o que retirei tinha uma frase mal redigida. Peço-te desculpa e aos que (ainda) me lêem...

    Recordo aqui o nariz do Pinóquio colocado na cara do Sócrates; um nariz de gozo que se ia estendendo à medida das mentiras que se dizia que o homem ia dizendo.

    Mas, ainda não vi um qualquer nariz na cara do Coelho. Se lá o pusessem ele já não daria para ser esticado mais. É como a água que fica saturada de sal. Pergunto-me como é possível ouvir o suposto chefe Passos que, perante os números assustadores do INE, tem o descaramento de apregoar que o Estado está a gastar menos.

    Má gente, a nossa; maus nós os Portugueses. Já nem é preciso recordar o Miguel de Vasconcelos; arranje-se sim - um Buíça.

    Abç

    Henrique

    ResponderEliminar
  4. Deixa-me cá ver porque será que ele quer acabar com o 1º de dezembro?!? Ora, será para que o povo se esqueça que em tempos os traidores eram defenestrados? Hummm... é capaz de ser por aí! :P

    Já tinha lido a notícia, em viès, mas não foi novidade nenhuma para mim. Afinal, laranjas, para mim só aqueles que crescem nas árvores e são doces e sumarentas, das podres nem vê-las!

    ResponderEliminar
  5. Carlos, Veja, se não viu, um documentário da BBC - The Party is Over.
    está lá bem explicadinho quem ganhou (muito!) com esta crise.
    Os países produtores e aforradores - Alemanha, China, Japão.

    ResponderEliminar