quarta-feira, 21 de agosto de 2013

É público e é bom? O governo estraga!


Quatro universidades portuguesas entraram no ranking de Xangai, o mais importante a nível mundial. São todas públicas.
Que faz o governo dois dias depois da notícia? Dá apoio às universidades públicas, para que sejam ainda melhores? Não! Ressabiado com o facto de não constar da lista nenhuma universidade privada, Passos Coelho dá ordens a Crato para cortar ainda mais  15 milhões de euros.
O ódio deste PM a tudo o que é público já é uma ignomínia. Quando chega ao ponto de favorecer claramente o privado, obrigando os contribuintes a pagar as escolas dos meninos ricos que depois vão para a Comporta brincar aos pobrezinhos, entra-se no campo da canalhice.Ou do roubo e da vigarice. 
Só apetece dizer palavrões!

10 comentários:

  1. Vi consiglio di leggere la mia lezione di scrittura creativa "COMO ESCREVER POESIA ERÓTICA".
    Saluti,
    Architteto Dolce Filiberto di Savoya, PhD

    ResponderEliminar
  2. Não gosto de dizer palavrões, mas neste caso inadmissível, apetece-me mesmo!!!

    ResponderEliminar
  3. Carlos
    Ao ver o comentário anterior deu-me uma vontade de rir que perdi o raciocinio e já não sei o que é que queria escrever.
    No fundo era mais ou menos isto. Sou oriundo de uma família de operários vidreiros pelo menos até ao meu Avô paterno. Eu próprio o fui durante 13 anos. O palavrão era corrente e os hábitos ficam (ou sobrevivem). Quantas vezes estou para aqui a ler notícias e lá sai um. Alguem que anda por aqui perto não gosta muito. Paciência é a forma de aliviar a raiva que me vai "crecendo nos dentes".
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  4. Quando referi o comentária anterior não era ao da Ematejoca que entretanto se meteu no meio.

    ResponderEliminar
  5. Também não sou dada a palavrões mas a minha paciência está por um fio!
    O que vale é o Victan que vou pondo debaixo da língua!

    ResponderEliminar
  6. Nem palavrões, em toda a sua majestosa dignidade, servem para descarregar a raiva e a fúria contra os inqualificáveis patifes que ainda têm quem os defenda!!!

    Sócrates é -apesar de todos os erros e defeitos - um patriota, que tentou a todo o custo evitar este drama da Troika, mas que Passos quis porque - não se importando com a sua manifesta impreparação - só pensou em si e nada mais!!

    Amigo, tudo de bom

    ResponderEliminar
  7. Eu estou totalmente de acordo consigo, meu amigo.
    Mas o povo está demasiado "acomodado"!!!
    Veremos se depois das férias arrebita!!!
    O Passos Coelho quer destruir tudo o que é público e vai ter
    tempo para isso com o ámen de Cavaco.
    Bjs.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  8. Acabam de chegar de férias, retemperados, e começam logo a fazer das suas. O que sabem fazer melhor: destruir o país e as suas gentes.

    Já agora, deixe-me apresentar, porque sou sua admiradora há anos, aqui na blogosfera: Maria Alice. Como acabei de "parir" um blogue, sinto-me agora mais à vontade para comentar. Cumprimentos ao autor e aos comentadores habituais.

    ResponderEliminar
  9. e, eu que frequento uma delas lamento porque, os edificios já envergonham, institutos fechados por falta de pessoal também...A quase nula perspectiva de investimento para investigação nas áreas menos lucrativas no imediato como são farmácia, quimica...mas, que a longo prazo deviam ser prioridade num país quase sem industria porque são áreas próximas à cultura e ao turismo - pelo investimento na literatura, história, património... podiamos apagar a ideia que têm muitos estrangeiros de que Portugal não cuida de si atraindo investimento... e, sem querer ofender seja quem for, tenos que admitir que o nosso corpo docente necessita de ser 'remoçado' ou renovado até agora só tive uma professora com menos de 45 anos e a maioria dos restante já era licenciado ou aluno universitário aquando do 25 de abril, o confronto de gerações/visões faz falta...à áreas onde colocar dinheiro não é gastar é investir!

    ResponderEliminar
  10. O mesmo fenómeno a que se assiste por aqui, Carlos.
    As instituições de ensino superior, públicas (Universidade de Macau, IPM, IFT) são marginalizadas face a algumas instituições privadas, de muito duvidosa qualidade (estou a ser muito simpático)

    ResponderEliminar