quarta-feira, 31 de julho de 2013

Farinha do mesmo saco

A querela entre Rio e Meneses continua, mas está a subir de tom. Vejo por aí muita gente entusiasmada com a entrevista de Rui Rio à RTP. 
Nunca gostei de Rio e não esqueço o que ele fez (de mau) ao Porto. Meneses transformou Gaia, mas criou um gravíssimo problema à autarquia para as próximas décadas. Talvez isso seja suficiente para iludir os eleitores portuenses mas, se Meneses vier a ser eleito, vão-se lembrar dele durante muito tempo, pelas piores razões.
Rui Rio e Meneses são farinha do mesmo saco.

Gosto de ver casais felizes


Ontem, na AR, era notória a alegria do casal  antes de partir para viagem de núpcias, digo, férias!

Quando acordarem, pode ser tarde...


A tribo de idiotas e gananciosos que governa a Europa – acolitada por exemplares tugas como Coelho,Gaspar e Marilú-  está tão preocupada em vigiar os cofres, que  não vê o que se está a passar em seu redor.
 Enquanto a Alemanha finge que está empenhada na solidariedade europeia e grupos manhosos de tecnocratas continuam a apostar na punição dos países gastadores do sul, Marine Le Pen vai  somando argumentos para que votem nela, explorando episódios como este.


Há melhor ambiente?


Não tenho dados suficientes que me permitam ter opinião formada sobre o trabalho desenvolvido por Assunção Cristas  à frente do megaministério MAMAOT.  Sei, porém, que com ela os problemas ambientais desapareceram da discussão pública, sendo apenas conhecida uma medida logo no início do seu mandato: dispensar os funcionários do uso de gravata, para poupar electricidade com o ar condicionado. Para além desta medida risível e inócua, não conheço nenhuma outra que tivesse o objectivo de garantir a sustentabilidade ambiental.
Admito que desprezar as políticas ambientais tenha sido uma  decisão do governo ( É bom lembrar que uma das empresas geridas por Passos Coelho acumulou processos por crimes ambientais, o que deixa perceber a importância que ele dá a este temática).
Tendo sido o despedido Álvaro  o primeiro a anunciar que as preocupações com o ambiente eram secundárias e não podiam pôr em causa o emprego e estando Assunção Cristas assoberbada  no MAMAOT  com medidas tão esdrúxulas como a Lei do Arrendamento, aceito sem qualquer rebuço que tenha  apenas esquecido  os problemas ambientais. Ou melhor… que os tenha reduzido à preocupação de destruir as estruturas de fiscalização e investigação na área do ambiente, porque é preciso poupar.
Felizmente, durante os dois últimos anos, não há conhecimento de alguma ocorrência grave em matéria ambiental ( Eu sei que houve incêndios devastadores, mas isso até deve ter sido  encarado como positivo num governo dirigido por um pirómano apostado na destruição do tecido social) e os portugueses -analfabetos funcionais em matéria  ambiental e assoberbados com uma crise financeira que lhes devastou a bolsa – nem se lembraram mais desses ridículos  problemas ecológicos com que os governantes e uma meia dúzia de maluquinhos, em tempo de vacas gordas, lhes atazanavam os ouvidos.
Graças a esta indiferença popular, ninguém se interrogou  sobre as causas  do encerramento de várias praias da Linha e da Costa da Caparica.
Vi na televisão, aliás, um elevado número de banhistas a ignorar a bandeira vermelha com a  mesma displicência com que  cerram os olhos perante os avisos de “Afaste-se desta zona PERIGO de DERROCADA”. Para esses banhistas não há perigo nenhum, é tudo alarmismo. Se uma pedra cai e mata alguém acusam as autoridades porque não fiscalizam e  continuem as férias, porque a vida são dois dias. 
No caso das urticárias que levaram ao encerramento das praias, os tugas lavaram-se com água da torneira e … siga a rusga, toca mas é a reabrir as praias que a água está tão quentinha!
O governo obedeceu de bom grado. Abrir as praias fica mais barato do que encerrá-las  para tentar descobrir a causa  das irritações cutâneas. Além disso, evitam-se os protestos de comerciantes que deixam de fazer negócio numa época crucial para a salvação de muitos estabelecimentos.
Morreram uns golfinhos e deram à costa milhares de peixes mortos, sem se conhecerem as causas senhora ministra!
Que querem que eu faça? – Não há dinheiro para investigar. Se alguém tivesse morrido, ainda se podia fazer uma autópsia, mas foram só peixes… azar, não vamos gastar dinheiro a autopsiar peixinhos!

Depois chamou o assessor de imprensa e ordenou-lhe:
- Diga aos jornais que se calem com isto. Que maçada! Não vêem que eu estou grávida e não tenho tempo nem paciência para me preocupar com as comichões dos banhistas , nem com os peixinhos que deram à costa?

Irritada  telefonou a Portas e exigiu que lhe tirassem a mixordice do Ambiente do seu pelouro.
Portas obedeceu.
Moreira da Silva agradeceu, desconfiado. Afinal já tinha sido convidado para a pasta e depois desconvidado, com este chefe, nunca fiando.
A verdade é que o MAMAOT foi dividido e Moreira da Silva lá tomou conta do pelouro. Ambiental. Para o compensarem da desfeita de 2011, ofereceram-lhe também a Energia. Um problema a menos para Pires de Lima e a Energia até casa bem com o Ambiente. Pena que este governo não goste das renováveis, por ter sido uma aposta de Sócrates. Como o Magalhães ou as Novas Oportunidades.
Se O Magalhães afinal foi um sucesso, porque é que a Energia casada com o Ambiente  não poderá ser uma boa ideia? – alvitrou Portas.
E pronto… temos agora um ministro conhecedor e com boas provas dadas no Ambiente, mas num ministério com as estruturas  e recursos técnicos esfrangalhados . Se conseguir reconstruí-lo, já não será mau.  Se voltar a dar ao Ambiente o protagonismo e eficácia que necessita, ainda melhor. Se descobrir as causas das urticárias, então será ouro sobre azul. Se conseguir recuperar para o seu ministério a pasta do consumo seria um triunfo civilizacional.
Eu confio neste ministro. A maioria dos portugueses é que nem desconfia o que poderá estar escondido por baixo das comichões que se eclipsaram, depois de  lavadas  com água da torneira. Nem eles sonham que, desde 2010, está suspensa a monitorização dos sistemas de saneamento.
Quando as  alterações climáticas provocarem a ira das águas do mar e começarem a inundar as zonas ribeirinhas, os nossos governantes vão pensar que é urticária a atacar o cimento e vão mandar lavar as casas ( ou o que restar delas...) com água da torneira.

Imposto(re)s

O governo insiste na redução drástica do IRC nos próximos 5 anos, passando de 23 para 17%. Hoje, na farsa da AR, o protagonista garantiu que quer ir ainda mais longe até 2020.
Todos estarão de acordo que a redução do IRC pode trazer benefícios à economia, mas todos estranharão o silêncio do governo quanto à redução do IRS, o que prenuncia não ser grande preocupação aliviar os portugueses  do "enorme aumento de impostos"
 Portas e Coelho já se terão esquecido que "a carga fiscal sobre as famílias portuguesas é intolerável", ou estão à espera de 2015 para uma golpada eleitoralista?
Mas, pior do que tudo isto, é prever que a redução do IRC terá como contrapartida cortes nas funções sociais do Estado.

terça-feira, 30 de julho de 2013

La Fiesta


Foto "Público"
Que rebaldaria foi esta hoje na AR? Estavam tão eufóricos como os putos  que ganharam um jogo de futebol porque jogaram sozinhos. E tão mal comportados,como uma turma inteira em véspera de ir para férias.

As crianças não têm culpa



Esta não me parece uma boa notícia. Muito menos, quando fica a sensação  de que os governos querem fazer passar uma mensagem errónea sobre a lei que protege a maternidade. Não é um abuso das mães gozarem quatro ou cinco meses de licença de maternidade. É um direito das crianças, de que nenhuma mãe deveria poder abdicar
.Não deixa de ser curioso que tenha sido o CDS a propor, em 2007, o aumento do período de licença de maternidade, na linha do que acontece na quase totalidade dos países europeus

Apresentado o embrião da União Nacional




A imprensa parece ter aceitado bem a sugestão de Pedro Passos Coelho e hoje, em véspera de recomeço dos briefings diários, combinou mostrar a Maduro o seu apreço pelo remoçado SNI, fazendo  em uníssono, nas suas capas, um louvor ao governo, com o qual escondem a desgraça de milhares de famílias portuguesas.
Milhares de funcionários públicos vão ser despedidos sem justa causa mas o que os três jornais destacam, em primeira página, é o facto de poderem continuar a usufruir da ADSE.
O que mais me revolta nestas capas, é (não) terem sido pensadas por mentes ocas e ignorantes. Estas  abencerragens apresentam a notícia como se usufruir da ADSE fosse um benefício. Esquecem, ignoram (ou fingem ignorar?) que muitos funcionários públicos despedidos já descontaram para a ADSE durante décadas pelo que o Estado estaria obrigado a devolver-lhes o dinheiro, no caso de  os privar do sistema.
Volto a lembrar esses ignorantes com carteira de jornalista, que os funcionários públicos descontam uma percentagem  suplementar do seu ordenado ( 2,5% a partir de 2014)  para usufruirem da ADSE. Como acontece com alguns trabalhadores do privado que têm regimes especiais ou complementares de saúde.
Perceberam seus ignorantes? 

Moção de (des)confiança

O governo apresenta hoje, na AR, uma moção de confiança. Tendo uma  maioria  parlamentar a suportá-lo, apresentar uma  moção de confiança é como chegar diante de um espelho e perguntar: espelho meu, há alguém mais bondoso do que eu? Perante o silêncio do espelho o próprio inquiridor dá a resposta.
Sabendo-se rejeitado pela opinião pública, o governo optou por reunir os amigos que vivem à sua custa e perguntar-lhes se tinham confiança nas suas políticas. Obviamente que a resposta foi positiva e a consulta serviu para  o governo dizer – pela segunda vez em menos de 15 dias- que a sua legitimidade está reforçada. Porém, todos os dias, ao levantar-se e ver-se ao espelho, percebe que se anda a enganar a si próprio escondendo o essencial:
Quando alguém  precisa de saber se pode ter confiança em si próprio,  é porque não tem auto-estima ,  um problema de personalidade  incapacitante e limitativo que coloca em risco as possibilidades de sucesso. Quem não tem auto confiança tende também a evitar contactos com as pessoas em seu redor- chegando mesmo a repeli-las-  e a exacerbar  as suas capacidades, para  disfarçar a sua falta de auto-confiança. Foi o que aconteceu, por exemplo, com Relvas, e acontece com este governo na generalidade.
Este governo está morto, o povo não o suporta, mas teima em fingir-se de vivo, porque há uma alma penada  em Belém, que lhe vai dando alguns estímulos.

Notícias do novo ciclo (3)



Mais de 90% dos alunos do 4º ano chumbam a português

Qual é o espanto? O primeiro ministro também diz "estÊjamos" e "sejEmos"

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Homengem a Tommaso Buscetta na AR

Hoje, um grupo de preguiçosos, inúteis , desprovidos de honra e dignidade, movidos apenas por interesses pessoais  e acoitados nos grupos parlamentares do CDS e PSD,  votaram uma lei que aumenta para 40 horas semanais  o horário de trabalho dos funcionários públicos e envia milhares deles para o desemprego
Nada melhor para aqueles que nada fazem e vivem à custa do contribuinte, do que aprovar uma lei que põe os outros a dar o corpo ao manifesto. Hoje, foi o dia em  que os deputados  do PSD e do CDS  homenagearam  Tommaso Buscetta!

Olha para o que eu digo...

O Pedrinho    afifou um sopapo no Zequinha  por atirar pedras à janela do vizinho.
No dia seguinte, quando estavam os dois no recreio, o Pedrinho pegou numa pedra e arremessou-a contra a janela do vizinho e disse:
- Tu não podes atirar pedras, mas eu posso.
Dois dias depois escreveu uma redacção que começava assim:
" É muito feio atirar pedras às janelas do vizinho"

E se investigasses, Miguel? Talvez não fizesses essa pergunta...

… Noutro restaurante  de praia próximo, contei nove empregados e apenas dois eram portugueses. No vizinho do lado eram sete empregados, dos quais dois eram portugueses.No negócio de aluguer de gaivotas, pranchas, ski e motos de água, eram todos estrangeiros e até um dos nadadores-salvadores era ucraniano. Onde estão, então, os portugueses do Algarve a trabalhar? Resposta: no subsídio de desemprego. Eu sei que este discurso não é politicamente correcto e até pode conduzir-nos por caminhos perigosos. Mas lá que é assim, é. E dá que pensar.”
( Miguel Sousa Tavares, Expresso, 27 de Julho 2013)

Pois dá, Miguel.Ao ler isto, até me fizeste lembrar o puto Martin, tão incensado empreendedor do salário mínimo. Os argumentos dele são muito idênticos aos teus, Miguel. Ele também acha que pagar o salário mínimo é melhor do que estar a sobrecarregar o Estado com o pagamento do subsídio de desemprego. Desculpa lá, Miguel, mas vou pedir-te para desceres à terra durante dois minutos e ouvires o que tenho para te dizer.
 Eu, que percorro este país de lés a lés vezes sem conta, já me interroguei muitas vezes sobre isso, quando vi brasileiros, ucranianos, africanos ou moldavos, a trabalhar numa perdida aldeia alentejana, ou num recôndito lugarejo da Beira ou Trás os Montes. Como não queria deixar a pergunta suspensa  na minha dúvida, durante essas viagens  fui procurar a resposta. Sabes o que descobri, Miguel?
Que muitos desses  estrangeiros trabalham sem  horário, sem contrato e não recebem sequer o salário mínimo. Alguns vivem em instalações fornecidas pelo empregador, em condições que nem podes imaginar. A maioria é descartada pelos empregadores ao fim de alguns meses, porque  por cada despedido , está pelo menos uma dezena de imigrantes em fila de espera.
Pergunta a esses imigrantes, aí pelo Algarve, quanto ganham, em que condições vivem e o que lhes vai acontecer em Setembro, quando terminar a época turística.  Depois falamos, ok?

Um futuro pouco risonho

A Rússia ocupa o segundo lugar entre os BRIC. É, pois, um país emergente, símbolo de pujança e futuro.
 Será este futuro  de intolerância que eles querem construir? 
(Via Ana Matos Pires- Jugular)

Notícias do novo ciclo (2)

Neste novo ciclo passamos a ser um país desenvolvido.
Segundo Pedro Passos Coelho, é aquele que manda os funcionários públicos para  o desemprego.
E eu a pensar que um país desenvolvido procurava fazer uma reforma do Estado onde os funcionários públicos que"fazem o que não é preciso" ( seja lá o que isso for), fossem requalificados e integrados socialmente, em vez de serem enviados para o desemprego!
Sou muito antiquado...

domingo, 28 de julho de 2013

Passos Coelho está a gravar um disco para oferecer à Marilú



                                                                         Ora oiçam! 

Uma pergunta inocente. Ou talvez não..

Depois de ler isto e ouvir Passos Coelho dizer que mantém total confiança em Maria Luís Albuquerque, ocorreu-me perguntar:
- Se PPC vir um  ministro bater na mulher, houver registo de imagens do hediondo acto e a comunicação social as divulgar, o nosso PM  continuará a manter a confiança no ministro agressor? 
Desculpem lá  a pergunta idiota... é só cá por umas coisas...
( Recorte do "Público", roubado ao Arrastão)

Notícias do novo ciclo (1)



Pedro renegou Cristo três vezes.
Nos últimos dias, por três vezes, Pedro Passos Coelho apelou à União Nacional

Le premier bonheur du jour

Desejo-vos um domingo com muita adrenalina e muito salero.
Como não consegui carregar o video, sigam o link, por favor

sábado, 27 de julho de 2013

Liberdade para os prisioneiros

Muito bom - a merecer leitura atenta e subsequente reflexão- o artigo/reportagem hoje publicado no "Expresso" sobre prisioneiros que recusam a liberdade, porque não querem enfrentar o desemprego, ou simplesmente não têm dinheiro para pagar as multas.

Conversas com o Papalagui (69)

- Explica-me lá uma coisa tuga. Afinal porque é que o Portas se demitiu?
- Incompatibilidade de feitios, Pa!
- Ah sim? Com quem? Com o Pedro?
- Não! Com a ministra das finanças.
- ....
- Ficaste sem pio, Pa?
- Pois fiquei... nunca pensei ver o Portas demitir-se por incompatibilidades com uma mulher! Como é que ela se chama?
- Luís
- Ahhhhhhhhhhhhh!

Sob o signo de Amadeo



Muitos raras vezes se lembram dele, outros tantos  já se esqueceram que ele existe. A verdade, porém, é que o Centro de Arte Moderna (CAM) comemora este ano o 30º aniversário  e, para assinalar a data, inaugurou, no dia 25,  a exposição  “Sob o signo de Amadeo”. É uma homenagem a Amadeo de Souza Cardoso a figura de cartaz da exposição que abriu as portas do CAM em 1983.
Os trabalhos de  Amadeo preenchem mais  de metade das 300 obras em exposição, mas nem só do talento  do artista amarantino se faz a exposição.  O CAM pretendeu  fazer uma retrospectiva de movimentos marcantes do último século, com especial destaque para a pop art, representada por nomes como Howard Hodgkin, Peter Blake, Emília Nadal ou René Bertholo.
Uma exposição que vale a pena ver, pela diversidade e qualidade dos artistas apresentados. Fica a sugestão.

Ora é isso mesmo...

sexta-feira, 26 de julho de 2013

O crescimento começou hoje

Gaspar disse há umas semanas que tinha chegado o momento do crescimento. Portas exigiu crescimento e Coelho prometeu que essa seria a aposta deste governo daqui em diante.
Empossados esta tarde os secretários de estado, o elenco ficou completo e Coelho pode dizer, sem mentir,  que começou hoje a cumprir a promessa. Cresceu o número de ministros, secretários de estado, assessores, secretárias, especialistas e demais apêndices dos gabinetes.
A vida está  boa para os boys.

O novo ciclo, afinal, é uma golpada para derrotar as forças de bloqueio



Falhada a tentativa de amarrar o PS a um compromisso que o obrigava a aprovar incondicionalmente o OE 2014,  Passos Coelho contou com a colaboração de Cavaco para criar a ideia, na opinião pública, de que o governo vai mudar de rumo e entrar na fase de crescimento.
Persiste, porém, um  problema. Sem a anuência do PS ao acordo, é mais difícil  condicionar o TC  na decisão sobre normas inconstitucionais que o governo se prepara para introduzir no OE 2014.  Entrou então em acção o novo Relvas e “o Sol”, na sua edição de hoje, começou a fazer o trabalho de sapa ( ver capa) . 
O semanário do arquitecto aspirante a prémio Nobel noticia que o governo vai avançar com os cortes e alterar as regras de aposentação dos pensionistas do Estado.  No núcleo duro do ‘passismo’ há plena consciência de que os cortes nas pensões do Estado representam uma enorme dificuldade, desde logo no plano constitucional” escreve o Sol.
O semanário tem ainda o cuidado de informar que “o governo não tem opções, no caso de haver dois ou três chumbos do TC”. 
É esta frase que deixa perceber a golpada que Passos terá congeminado com Cavaco.
Em primeiro lugar, colocar a toda a hora, nas televisões e imprensa, comentadores do regime a enaltecer este governo e a entrada num novo  ciclo, de modo a criar na opinião pública a sensação de que finalmente temos um governo credível, apostado no crescimento e em amenizar as medidas de austeridade.
Se, daqui a uns meses, o TC chumbar algumas medidas do OE, o governo demite-se alegando que o TC não o  deixa governar. Está assim criada a “força de bloqueio” , imagem tão cara a Cavaco.  
Demitido o governo  e convocadas novas eleições, a campanha eleitoral dos partidos da coligação assentará na vitimização:
 Estão a ver ?  Agora que  íamos começar um novo ciclo de crescimento, o TC opõe-se a que apliquemos as medidas necessárias para o conseguir. Quem fica a perder são os portugueses, vítimas dacegueira dos juízes, amarrados à Constituição e incapazes de perceberem os problemas do país. Precisamos de uma vitória claríssima nas próximas eleições, para impedir o PS de vir estragar aquilo que construímos ao longo destes dois anos com muito esforço e muitos sacrifícios dos portugueses, que não terão  valido de nada se  o PS vencer as eleições.
No governo há muita gente que aposta nesta estratégia. E se tiverem razão?

Juca Chaves era um visionário


Há dias escrevi um post a anunciar que o paraíso estava mesmo ao virar da esquina. Não esperava era encontrá-lo tão depressa, nem  saber  a notícia durante uma viagem de metro.
Com efeito, quando ontem abri o jornal Metro, deparei com a notícia:
País é “paraíso” da infidelidade.
 Fui de imediato ver qual era o país e, surpresa, não é que é mesmo Portugal? Somos os campeões dos/as cornudos/as e, o que é mais importante, gostamos.
Uma sondagem  revela  que 56% das mulheres e 68% dos homens portugueses são danadinhos por umas facaditas matrimoniais.   Para os interessados há um site que dá uma ajuda, incentivando os relacionamentos extra conjugais . O mercado português é, segundo a mesma fonte, um dos mais procurados para as cerimónias do encornanço, estando o site a ter imensa procura.
Na opinião de Noel Biderman, fundador do Ashley Madison, esta apetência deve-se à acrise “ causadora de insatisfação e mal estar entre os casais, o que leva ( os cônjuges) à procura de novos estímulos” ( para se sentirem mais felizes).

Razão tinha o Juca Chaves quando há mais de 50 anos cantavaesta canção. Era um visionário!

Miguel Relvas deixou crescer a barba e...



... está com ar betinho, mas o discurso é o mesmo: o elogio da javardice, o jogo de palavras, a desculpabilização da mentira, a chicana. Poiares Maduro não tem dignidade, nem honra, nem pinta de vergonha na cara. É mais um dos garotos sem coluna  vertebral que conspurca as instituições e delas se serve única e exclusivamente por interesse pessoal.
Com que então não interessa se a loira mentiu numa Comissão Parlamentar, srMaduro?
(Foto Via Vaivem)

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Ela não mente! Só tem um contencioso com a verdade...


Ainda ontem garantia, na AR, que nunca tinha mentido sobre as swaps. Que azar, Maria Luís, a  verdade ter ficado gravada em e-mails.  
Aproveito para lembrar que, mais uma vez, foi a LUSA a divulgar tudo. Não era por acaso que o Relvas a queria privatizar...




Divórcio amigável



Muitos comentadores, referindo-se à crise governativa  e sua putativa resolução, usaram a imagem do casal que se separa, mas depois se reconcilia, por perceber que afinal pode ser feliz para sempre. 
Tretas! O putativo casal  continua desavindo, mas pretende um divórcio amigável, depois de repartir os bens. 

O brinquedo: uma novela a seguir com atenção



Há duas semanas, Manuela Ferreira Leite disse que Portas fez birra por ter ficado sem o brinquedo e eu até lhe dei  razão.
Esta noite vou estar muito atento à prestação semanal  da  D. Manuela na TVI 24. Agora que o menino já tem o brinquedo e o PSD está domesticado, o que irá ela dizer?

Inevitável...



Embora  com grande esforço, devo  reconhecer que já estava a afeiçoar-me ao Álvaro e ao seu ar bonacheirão. Com o tempo, tornou-se o único ministro  não  alienígena  deste governo. O homem ria com sinceridade.Quando estava a mentir topava-se à légua. Quando queria assumir um ar institucional, eu desatava a rir face à sua falta de jeito para a função.  
Não consigo entender a razão que levou Passos Coelho a escolher Álvaro Santos Pereira para ministro. Sendo o PM uma pessoa de plástico, mais falsa do que uma nota de 5€ fabricada numa cave da Porcalhota, não foi normal a escolha. No momento do convite, o neurónio de PPC devia estar de férias, porque a postura do Álvaro nada tem a ver  com a do homem de Massamá. 
O despedimento  surge, também, num momento muito infeliz do neurónio de PPC ( lá está, no Verão o tipo vai de férias e deixa o PM  a pensar sozinho. Ou, pior ainda, com a ajuda do Relvas e do Cavaco).
Bem, mas como  dizia,  aliás, escrevia, o despedimento do Álvaro deve-se precisamente ao facto de ter uma faceta de ser humano. As gargalhadas  na AR, durante o episódio do Borda d’Água, foram genuínas e não atingiram apenas Gaspar. Atingiram, como setas, o primeiro ministro. Era óbvio que uma pessoa com a falta de carácter de PPC não toleraria aquele episódio. Foi nesse dia que o destino de Álvaro ficou traçado.
Deve dizer-se que saiu  sem trabalho visível realizado, mas com mais simpatias do que quando entrou. Na nossa memória vai perdurar  aquele salutar episódio na AR. Até ao dia em que Álvaro abra a boca e comece a escrever na coluna do Haver, as respostas a Gaspar, Coelho e Portas.

O tutor

Convidado de última hora e com três horas para decidir se aceitava o convite, Rui Machete foi a surpresa da maquilhagem  governamental. 
 Para a esmagadora maioria das pessoas foi uma boa surpresa, mas poucos terão percebido que a função do novo MNE não será assegurar a diplomacia económica, mas sim servir de tutor e estabelecer a ordem no recreio, onde é previsível que os putos Pedro e Paulo continuem a rasteirar-se mutuamente.
É por isso ainda mais difícil perceber a razão  que o levou a omitir, no curriculum, as ligações ao BPN. Uma explicação haverá certamente...
 Até para esconder um cuco, há sempre uma explicação, mais ou menos credível


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Noites de cinema



Há dias falei-vos das sessões de cinema ao ar livre no Parque das Conchas.
Hoje, é a vez de lembrar que a partir de amanhã e até domingo, haverá cinema na Mouraria seguidos, na sexta e sábado, de  espectáulos de Stand up comedy.
Embora o programa não seja tão convidativo como o do parque das Conchas, é sempre um bom pretexto para visitar a  remoçada Mouraria,- um bairro cada vez mais apetecível e acolhedor.
Para além dos filmes ( onde se destaca Para Roma com Amor de Woody Allen, no dia 28) pode também comer uns petiscos para animar o palato e passear-se pelo bairro para descobrir as novidades.

Marilú, uma mulher de sorte!



Em apenas cinco dias, Maria Luís Albuquerque conseguiu fortalecer os cofres do seu ministério com seis milhões de euros, graças a dois portugueses que acertaram no primeiro prémio do Euromilhões. ( Como sabem, desde o início do ano que o governo cobra 20% do valor dos prémios superiores a 5 mil euros, pelo que o valor indicado diz apenas ao valor  gamado cobrado aos dois totalistas)
É razão para dizer que a ministra nasceu com o dito virado para a Lua pois, melhor do que ela, só o Valentim Loureiro que ganhou três vezes a lotaria num curtíssimo espaço de tempo. Curiosamente, enquanto comprava uns terrenos que dias depois venderia por um preço muito mais elevado, mas quem tem sorte na vida arrisca-se a estas coincidências...
O CR sabe que amanhã, em conselho de ministros, vai ser discutido se o dinheiro que está a cair com regularidade no ministério das finanças é caído do céu, ou obra do diabo. A discussão promete ser acalorada. A ala mais crente, liderada por Paulo Portas,  garante que este dinheiro caiu do céu  mas os agnósticos, sustentados na sabedoria popular,   garantem que "dinheiro do jogo é dinheiro do diabo".
Os defensores desta teoria têm ainda um outro argumento de peso, mas só o utilizarão no caso de a sua teoria estar em risco de ser derrotada. Dizem eles que, sendo conhecidas as mentiras de Maria Luís Albuquerque na AR, ela só pode estar a ser protegida pelo Chifrudo.


Sagres ou Superbock? A guerra não acaba aqui...



Com a ida de Pires de Lima para a Rua da Horta Seca ( curioso que um homem ligado às bebidas, vá trabalhar para uma rua com este nome),  a Superbock marca pontos na guerra das cervejeiras.  
Depois de a Sagres ( Central de Cervejas) ter colocado o seu ex-presidente,Alberto da Ponte, à frente da RTP, a Superbock (UNICER) reagiu e conseguiu "nomear"  Pires de Lima  para a pasta da economia. 
Adivinha-se uma guerra das cervejas nos círculos do poder que se pode alargar às águas. Alberto da Ponte representava a água do Luso, presente em todas as mesas de reuniões do executivo até ao momento mas, com a entrada para o governo de Pires de Lima, talvez se comece a ver mais a Vitalis e a Caramulo, do grupo de Pires de Lima. Nas reuniões de conselhos de ministros mais tensas, Pires de Lima pode mesmo sugerir a alguns ministros obrigados a engolir sapos, água de Vidago ou Pedras Salgadas.
Uma coisa é certa:  Alberto da Ponte e Pires de Lima não entrarão em guerra nas "águas correntes". Com os dois a viver em Lisboa, será a EPAL a fornecer-lhes  água para os "pipis"  e para se lavarem após alguns actos menos límpidos.

A alforreca

Aniquilar um Torquemada, vá que não vá, agora derrubar uma alforreca é tarefa hercúlea

terça-feira, 23 de julho de 2013

Governo vai aumentar salários e eliminar sobretaxa das pensões



Depois de ter passado a noite de domingo a celebrar a vitória eleitoral que Cavaco lhe concedeu na secretaria, Passos Coelho foi a Vila de Rei ainda muito ensonado e com resquícios de ressaca. Não espanta, por isso, que tenha tirado esta brilhante conclusão ( ver oráculo na imagem).  Com todo o merecimento, será premiada com o prémio Escorpião de Ouro, para a frase do  ano, que este Rochedo volta a atribuir em 2013, por altura do Natal, como prova de que também o seu administrador está confiante na recuperação económica que Pires de Lima irá promover.
Ciente de que PPC se irá tentar adaptar à realidade, após ter chegado àquela brilhante conclusão, o CR está em condições de revelar que o governo decidiu aumentar os salários dos funcionários públicos em 2014 e, por pressão de Portas, eliminar a sobretaxa aplicada aos pensionistas. Teme-se, no entanto, que no próximo ano, durante uma visita a Manta Rota,  PPC volte a dizer que estamos todos a viver acima das nossas possibilidades, pelo que será preciso mais austeridade, para combater o despesismo.
Lembro todos os leitores que Vila de Rei é o centro geodésico de Portugal, razão porque o PM a escolheu para primeira visita após o anúncio de Cavaco, na noite de domingo. Fonte próxima de S. Bento garantiu ao CR que o corpo de PPC se adaptou bem, recuperando o equilíbrio, mas os neurónios, infelizmente, tiveram mais dificuldade, sendo eles os únicos responsáveis pelo assertivo pensamento de PPC.

Estamos salvos. Que bom!


Em apenas 12 minutos, Cavaco terminou com a instabilidade que ajudou a criar durante duas semanas  e comunicou ao país que tinha encontrado o caminho da nossa salvação.
O nosso amado presidente da república, depois de uma arriscada  expedição às Selvagens, garantiu a todos os portugueses um lugar na corte celestial.  
Respirei de alívio.
Já não preciso de me agarrar ao Twitter e  seguir a peregrinação do Papa para obter a indulgência.
Como conseguiu então sua excelência salvar-nos?
 É certo que o acordo  por ele defendido como caminho para a salvação não se concretizou, mas  a noite em que confraternizou com as cagarras e os calcamar mostrou-lhe o caminho da salvação: o melhor era deixar tudo como estava.
Foi assim que o senhor presidente da república nos salvou. Entregou-nos aos bichos.
O caminho é estreito, mas há indicadores de melhoria sustentados  na Fé.   É certo que, entre Agosto de 2011 e Junho de 2013, o desemprego subiu  de 12,6 para 18,2; a taxa de crescimento passou de +1,2 para menos 2,3; as exportações desceram de 6,5 para 0,8; o investimento , que crescia 2,2  em 2011é agora de menos  7,7;   em Agosto desse mesmo ano, o consumo privado  diminuía 0,5, em Junho de 2013 afundava 3,5; a dívida pública passou de 107,3% para 122,9%; o défice estrutural ,em  % do PIB  era de 0%, está agora em 3,2 e o défice orçamental  passou de 3 para 5,5% ( Dados do Jornal de Negócios , via Câmara Corporativa).
Face a estes dados, podemos ter esperança. Pelo menos enquanto  esta senhora se mantiver no governo a mentir com quantos dentes tem na boca ( Já ouvi dizer que  usa placa, porque  em três semanas de mandato perdeu os dentes todos, pois não há dia em que não vá alguém à AR dizer que ele mentiu).
Obrigado por nos ter salvo, senhor presidente. Agora pode voltar para as Selvagens.

Marques Guedes anuncia alterações no funcionamento do conselho de ministros

A partir de agora, todas as reuniões do conselho de ministros vão iniciar-se com uma colecta a favor de Assunção Cristas e Álvaro Santos Pereira ( até ser substituído por Pires de Lima)
 Marques Guedes irá dizer, no final da próxima reunião ministerial, que esta é uma forma de mostrar aos portugueses que o governo está coeso e é solidário.

Quem avisa, amigo é...

Ó Álvaro, se eu estivesse no seu lugar mantinha a reserva para o voo de regresso a Vancouver e avisava a Universidade para contar comigo no próximo ano lectivo. Olhe que estes tipos não são de fiar...

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Traduzindo por miúdos...

Preparem-se, porque vem aí mais austeridade. Pensionistas e funcionários públicos, esperem o pior. A  culpa é do Paulo Portas

Recapitulando: Cavaco escavou mais fundo, encontrou um cadáver, resuscitou-o e ainda encontrou vestígios do BPN



Vale a pena recapitular o que se passou nestes 21 dias, que culminaram com o recuo  de Cavaco e o reforço deste governo e de Pedro Passos Coelho.
No dia 1 de Julho, Vítor Gaspar demite-se e torna pública a carta de demissão, onde reconhece todos os seus erros e a sua incompetência, mas lança graves acusações a PPC.
O primeiro-ministro não desarma e nomeia de imediato Maria Luís Albuquerque para substituir Gaspar.
Paulo Portas faz birra, escreve ao PM a dizer que não concorda com a nomeação de MLA e anuncia que se demite. IRREVOGAVELMENTE!
No dia seguinte PPC  faz voz grossa, puxa as orelhas a Portas em público e diz que não aceita a demissão.
Cavaco zanga-se, chama os putos à sala e exige-lhes  que tenham juízo.
No dia 6, numa cerimónia fúnebre, PPC anuncia que Portas será vice primeiro ministro com poderes reforçados. Portas revoga a sua palavra, que é aquilo que melhor tem feito durante toda a  vida. Quer como jornalista, quer como político. Desta vez, teve uma razão acrescida: PPC acenou-lhe com uns contratos dos Pandur que Portas assinou depois de o governo ter sido demitido por Cavaco. O Correio da Manha foi chamado para assistir ao acto e publicou a fotografia no dia seguinte.
Na fotografia,  PPC até parece modesto. Cede o poder a Paulo Portas. Para si – e para o seu partido-  ficam as migalhas das privatizações, o verdadeiro tesouro no fundo do pote.
Cavaco volta a zangar-se e no dia 10 pede aos putos que chamem Seguro para brincar com eles. Convence-os que, deixando Seguro entrar na brincadeira, o líder socialista também será responsabilizado quando partirem os vidros da vizinha. Para convencer Seguro, oferece-lhe um brinquedo: eleições em 2014.
No dia 12, durante o debate do estado da Nação na AR, o PCP usa Heloísa Apolónia como menina das alianças e manda-a entregar uma moção de confiança ao governo, disfarçada de moção de censura. Os dois putos ficam muito gratos e Seguro percebe que está a mais naquela brincadeira. Em vez de se retirar de imediato, decide entrar no jogo. Há quem veja nesta generosidade de Seguro, um sinal de boa índole. Outros acreditam que ele só mais tarde percebeu que Cavaco e PPC só queriam que ele entrasse na brincadeira, para condicionar a decisão do TC, no caso de o próximo orçamento contemplar medidas inconstitucionais.
Entre 14 e 18 de Junho, os meninos brincam no recreio  mas, nesse dia,o puto Pedro aproveita a presença de Cavaco nas Selvagens para o encostar à parede e obrigar a aceitar as suas condições.
Chateado, Seguro abandona a brincadeira no dia seguinte.
Cavaco acaba de regressar das Selvagens, onde foi anilhar uma cagarra e brincar com os calcamar, recebe a notícia que os putos se uniram para expulsar Seguro. Zanga-se. Prepara-se para anunciar ao país que vai deixar que os putos continuem a brincadeira até 2014, quando recebe um SMS de PPC a explicar-lhe por que seria boa ideia Cavaco aceitar as suas condições.
Cavaco recebe PPC em Belém. Vão os dois escavar um buraco e encontram o cadáver de Paulo Portas, segurando o governo por um fio e, na outra mão, vestígios do BPN. Cavaco ressuscita-o.
No dia 21, Cavaco comunica ao país que deixa os putos continuar a escavar. Até eliminarem todos os vestígios do BPN e  uma boa parte dos portugueses ter morrido à fome.
Tenho um palpite que a história não acaba aqui... mas para conhecermos o verdadeiro epílogo, ainda temos de esperar mais uns meses. Quando o TC se pronunciar sobre novas inconstitucionalidades no OE 2014

O Paraíso é já ali...

No Conselho Nacional do PSD, Passos Coelho anunciou que estávamos quase a chegar ao Paraíso, como sempre prometeu durante a campanha eleitoral.
Ontem Cavaco, depois de ter dito há dia que este governo não tinha credibilidade, voltou atrás e reconheceu que este governo é a melhor solução para o país. Na verdade, tem razão.
Em 2011, o líder do PSD garantia que no final do seu mandato Portugal estaria irreconhecível e está a cumprir. Estamos ainda a meio e já estamos muito perto do  paraíso que nos prometeu:
- Somos o segundo país da OCDE onde o poder de compra mais diminuiu;
- Somos o terceiro país da UE com mais alta taxa de desemprego;
- Somos um dos países do mundo onde mais diminuiu a empregabilidade;
- Somos o sétimo pais da OCDE onde é mais fácil despedir.
Se o governo PSD/CDS conseguiu tudo isto em apenas dois anos, é bem provável que até 2015 ainda consiga colocar Portugal entre os três países europeus com maior taxa de mortalidade infantil; onde as reformas são mais tardias; onde se recebem as reformas mais baixas; o país  da OCDE onde há maior desigualdade social.
A cereja em cima do bolo será termos os administradores bancários mais bem pagos da Europa e o país onde  uma maior percentagem dos impostos dos cidadãos é canalizada para os bancos.
Continuemos pois a suportar este calvário, porque estamos no bom caminho para atingir a salvação eterna!

(Im)pressões a Martelo

Entre os comentadores e gente com carteira de jornalista que tem como propósito servir os interesses do governo cresce, viçosa, a ideia de que Seguro cedeu às pressões dos notáveis do partido e por isso recusou assinar um acordo com  Casmurro e o Irrevogável.
Claro que esta mesma trupe, com Marques Mendes e Marcelo na liderança,  não falaria de pressões do PR e do governo, se Seguro tivesse assinado um acordo que reduzisse o PS à expressão mínima e afundasse ainda mais o país. Nesse caso, os mesmos comentadores e os abutres com carteira de jornalista que fazem vénias ao governo, elogiariam o sentido de responsabilidade do líder do PS.
Daqui a um mês, porém, estariam a esturricar Seguro e a exigir que ele cedesse ainda mais, em defesa dos interesses do capital país PSD.
O que Cavaco, PSD e comandita queriam, era ter o PS como alibi da sua incompetência e co-responsabilizá-lo pelo segundo resgate que vem aí.
Não há pachorra para esta escumalha!

domingo, 21 de julho de 2013

Humilhado


No dia 10 de Julho o governo  de iniciativa presidencial PSD/CDS estava morto e desacreditado. Cavaco Silva saiu então em defesa da sua dama e jogou forte para a salvar. Deu uma cenoura a Seguro, mas exigiu-lhe que assinasse com o seu governo um acordo que, na prática, retiraria ao PS a possibilidade de ser alternativa. 
Ao tentar este acordo, Cavaco apenas pretendia recuperar a sua credibilidade junto dos portugueses e fugir à humilhação de ficar na História como pior PR da democracia portuguesa e aquele que, deliberadamente, contribuiu para o pedido de resgate e suportou até à exaustão um governo da sua iniciativa.
Acredito que  PPC e Seguro tenham dado garantias a Cavaco de tudo fazerem por um acordo, mas nenhum deles terá entrado de boa fé  neste espectáculo que manteve o país suspenso até hoje.
Na quinta-feira, PPC fez questão de mostrar ao país que tinha metido Cavaco no bolso. À tarde na AR e à noite na patética comunicação ao país durante o Conselho Nacional, anunciou claramente que não assinaria nenhum acordo e qual seria a decisão de Cavaco.
Derrotada a sua estratégia, Cavaco só tinha duas opções: ou demitia-se ou fazia o que Passos Coelho lhe exigia. Convocar eleições antecipadas significaria ter de conviver com um novo governo PS e o reconhecimento de mais uma derrota.
Foi penoso ver Cavaco esta noite. Como um palhaço que vê o seu número suscitar indiferença nos simpatizantes e pateada nos seus detractores, o PR fingiu que estava a ser aplaudido por todos. No seu íntimo, porém, sabe que todos o apupam.  Ainda ensaiou o número de que a partir de agora, vai ser ele a impor a política que o governo deve seguir. Pobre coitado! Não sabe que as regras constitucionais do circo, não lhe permitem essa veleidade.
A humilhação de ser obrigado a manter em funções este elenco, sem sequer ter o alibi de ter conseguido o tão propalado consenso com o PS, foi o preço que teve de pagar por ter afrontado PPC. Mas nem tudo será mau. Resta-lhe a consolação de o caso BPN continuar remetido a um silêncio ensurdecedor. Caso contrário, a humilhação poderia ser ainda maior...

Adenda: Vale a pena rebobinar estes 20 dias e recordar alguns episódios que já terão caído no esquecimento de alguns. Amanhã, depois de regressar a Lisboa, tentarei esse exercício de memória.

Um Anjo desceu sobre Belém

Cavaco bem rezou, mas desta vez não houve milagre de Nossa Senhora de Fátima. No entanto ontem, durante a sesta do presidente, um anjo desceu sobre Belém e deixou-lhe esta mensagem. 
Cavaco meditou bastante,rasgou o discurso que tinha preparado para a noite de sábado e preparou um outro para hoje.
Decidiu perdoar as ofensas de Passos, desistiu de se vingar de Portas e vai aceitar a remodelação que guindará o líder do CDS a vice primeiro ministro. Só ainda não decidiu é se vai ser por um ou dois anos...

O benefício do infractor

Por estes dias alguns comentadores comportam- se  como os juízes do Dubai.

Le premier bonheur du jour

Neste domingo deixo-vos com Eduardo Galeano.
Tenham um bom domingo e, se tiverem tempo, pensem durante uns minuto nas suas palavras, porque todos temos direito ao delírio e à utopia.

sábado, 20 de julho de 2013

Eles deviam ter visto isto...



Eu sei que esta intervenção tem mais de um ano, mas não é por isso que perde actualidade. Cavaco devia ter pedido a David Justino para a exibir antes das reuniões entre os partidos da troika lusa. Ele próprio a devia rever, antes de tomar a decisão de empossar o governo reciclado que Coelho lhe apresentou.
Já agora, também não lhe fazia mal ver também este bocadinho, para perceber  como vai ficar o  país, com a política  seguida por estes lacaios da troika.

What now my love?


E agora, senhor presidente? Jogou, arriscou e perdeu. Deixe lá, não está sozinho. É apenas mais um a cair nas armadilhas de Coelho. Primeiro foi Portas, depois Seguro, agora é a sua vez.  
 Como vai justificar ao país o impasse destas  três semanas?
Alegando que foram forças ocultas que minaram o acordo e o senhor até tinha avisado desde as Selvagens o que se estava a passar?
Depois vai lembrar que o PCP fez mais uma vez um grande favor à direita, mandando o seu satélite apresentar uma moção de censura, cujo único objectivo era entalar o PS?
Ó senhor presidente! Isso era tudo tão previsível, que ninguém vai aceitar essa justificação.
O senhor vai dar posse a um governo de almas penadas - revitalizado pelo PCP/PEV, é certo- mas putrefacto e sem futuro? É isso que nos vai dizer daqui a umas horas, não é?
Desta vez sou eu a avisá-lo. Vai tentar corrigir um erro com outro erro maior e isso não vai dar bom resultado. Daqui a um ano, vai ter um problema muito mais grave entre mãos que não terá capacidade para resolver pela via democrática.
Pense nisso, está bem? E não esqueça que, se a sua jogada visava recuperar o seu prestígio, perdeu em toda a linha. Os portugueses não lhe vão perdoar este erro e  o senhor seria bem avisado se percebesse  e renunciasse, por ter sido incapaz.

O CDS é um sujeito passivo?

Desculpem lá a pergunta.
Já conhecemos as propostas do PS. Já percebemos que o PSD apenas queria que o PS caucionasse as suas propostas, prolongando a sua política ate 2018.
Só ainda não percebemos o que andou o CDS a fazer durante estes dias. Apresentou propostas, ou assumiu-se como um sujeito passivo?

Olhai os lírios do campo!

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. director.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas.
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de excepção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de agradar às mulheres, etc.
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare.
- Não quero saber do lirismo que não é libertação.

(Manuel Bandeira)

sexta-feira, 19 de julho de 2013

A fotografia


Alguém me explica o que está Rui Vilar a fazer neste filme?
Fizeram bem em contratar a filha da Maria João Avilez. É a cara da mãe chapada, como se vê na foto, mas espero que não seja  tão " C'órrorrr!!! Não me toques que me sinto porca" !

Aprendam com ele como se faz...



Enquanto os partidos políticos andam a engonhar e a vigiar-se mutuamente a ver quem ataca primeiro, Rui Costa não é de modas. Deu ao pedal, atacou e chegou ao cimo da montanha em primeiro, vencendo a segunda etapa neste Tour de France.
Ele mostra como é, mas a nossa classe política não lhe dá ouvidos e continua a brincar ao Portugal Sentado

O Estadista

Ontem, as televisões foram no engodo e transmitiram em directo a intervenção de Pedro Passos Coelho no Conselho Nacional. Uma intervenção prenhe de má fé e recados envenenados a Cavaco e a Seguro ( quiçá também a Portas, mas isso só o líder do CDS saberá) que teve como único objectivo condicionar os adversários.
Hoje, Seguro respondeu com a melhor arma: o apelo ao silêncio. Por uma vez, Seguro esteve bem. Deixou o estadista ( deixem-me rir!)  a falar sozinho.
Há quem tenha ficado inebriado com o discurso de Passos. Felizmente, ainda há gente de bom senso que o topa 

Um cenário possível


Muito se tem especulado sobre o que fará Cavaco,se os partidos anunciarem que não foi possível chegarem a acordo. Está na hora de fazer a minha especulaçãozinha, partindo do pressuposto que não há acordo. Então aqui vai:

1- Recebida a notícia do rompimento do acordo, Cavaco  convoca o Conselho de Estado, dirige-se ao país, manifesta a sua desilusão por não ter sido ouvido pelos partidos, lembra novamente o perigo de eleições antecipadas, mas decide convocá-las para setembro, porque  os partidos a isso o obrigaram. Aproveita para lembrar aos portugueses que tinha avisado para os riscos e perigos de eleições antecipadas. Terminada a mensagem ao país, vai celebrar com a Maria, por se ter finalmente visto livre do Passos e do Portas. " O Seguro? É já a seguir!"-  garantiu a Maria, alvoroçada com a ideia de ter de aturar o coelho cor de rosa

2- Em Setembro o PS vence as eleições sem maioria absoluta, o PSD é segundo, o CDS quase desaparece, deixando de ser partido charneira, porque os seus deputados não chegam para garantir uma maioria nem com PSD, nem com PS.
BE e PCP aumentam significativamente a sua votação e qualquer um deles pode formar governo com o PS. O PCP recusa liminarmente, para grande alívio do PS e o BE impõe condições que Seguro prontamente rejeita. 
Seguro assina um acordo com Passos Coelho que, apesar de ter perdido as eleições, conseguiu segurar a percentagem do PSD próxima dos 29%, graças aos descontentes com Portas. Põe-se em marcha o bloco central, que toma posse três semanas depois do acto eleitoral.

3- Uma semana depois de Seguro tomar posse,  o PCP  começa a exigir a demissão do governo. Um mês depois o BE exige eleições antecipadas ou convergência da esquerda. Em Fevereiro de 2014 o governo do bloco central anuncia que Portugal vai pedir um segundo resgate.

4- Em Maio de 2014,  após as eleições europeias, Rui Rio compra um carro novo ( ao fim de 45 anos desfez-se do Simca)  e em Junho vai fazer a rodagem a Viseu, onde se realiza o congresso extraordinário do PSD.  Sai de lá aclamado como líder, mas Pedro Passos Coelho não se demite do governo, porque garante que tem legitimidade para continuar.
Após a aprovação do OE para 2015, Cavaco dirige-se ao país e comunica que, sendo necessário garantir estabilidade, no período pós troika, decidiu dissolver a AR e convocar eleições antecipadas para a primavera. 

Cenário alternativo
Há a hipótese de Cavaco não marcar eleições. Aceita a remodelação  e dá posse ao governo PSD/CDS. Nessa altura a vitória de PPC será em toda a linha, até porque Cavaco não terá justificação para antecipar as eleições para 2014. 
A vitória total de Coelho seria, porém, uma derrota para Cavaco e os portugueses interrogar-se-iam por que razão andou Cavaco a fazer estas fitas durante três semanas, se era para deixar tudo na mesma.
Bem, mas será bom nunca esquecer  que Cavaco anda em maré de nos surpreender...

quinta-feira, 18 de julho de 2013

As coisas ficaram hoje mais claras. Ou talvez não...

Hoje foi um dia rico em recados.
Começou na AR, durante a discussão da moção de confiança  censura ao governo apresentada pelos Verdes.
Na sua intervenção, PPC deu um puxão de orelhas ao PS e procurou- uma vez mais- condicionar o PR apresentando como facto consumado a remodelação combinada com Portas.Seguro não respondeu à altura. Pelo contrário...calou-se. Falou Carlos Zorrinho que se mostrou ofendido com a tentativa de PPC condicionar a decisão do PS e a acção do PR.
Logo de seguida, Cavaco falou desde as Selvagens. Não só para dizer que estava muito confiante num acordo entre os partidos, mas também para reafirmar que não haverá governo de iniciativa presidencial.  Quer isso dizer que vai engolir o que PPC lhe apresentar à frente? Tudo indica que sim...
À noite, na intervenção no Conselho Nacional -  transmitida em directo pelas três televisões- PPC voltou a mandar recados ao PS, deixando no ar a ideia que ou Seguro aceita o que ele quer, ou então não há acordo. Pelo caminho, mandou uma ferroada a Cavaco, criticando a hipótese de eleições em 2014.
Não deixa de ser curioso este bate bola entre Cavaco e Coelho, mas só encontro uma explicação: Cavaco terá obtido da parte de Seguro um compromisso de que é possível chegar a um acordo e Passos Coelho sabe-o.
No PS estalou definitivamente a guerra e Seguro- que já estava entalado- ficou emparedado. Se assina o acordo, o PS esfrangalha-se.  Não só porque Seguro será ainda mais contestado internamente,  mas também porque ficou claro que o PSD elevou a parada e qualquer acordo que venha a aceitar, resultará de uma cedência do PS.
 Se não assina, tem de explicar de modo muito convincente,as razões que levaram ao rompimento. Tarefa que não será fácil, até porque os comentadores estão maioritariamente ao lado do governo.  Tem no entanto um trunfo. Recorrer às declarações dos parceiros sociais que exigem uma alteração de rumo, que o governo se recusa a fazer.
Ou consegue explicar muito bem isso aos eleitores, ou o PS será fortemente penalizado em eleições. Sejam elas em 2013, 14, ou 15.


Allô, Lisboa? Aqui Selvagens!

Cavaco falou aos portugueses a partir das Selvagens ( ver post anterior). No seu discurso falou dos malefícios de ratos e coelhos e, quanto ao resto, mostrou estar ada vez mais parecido com o Thomaz. Diz que está confiante num acordo entre o PS e os partidos do governo
 Podia ter sido pior. Imaginem que esta manhã tinha acordado a falar sueco?

Voando sobre um ninho de cucos


Às 18 e 30, Cavaco vai falar ao país a partir das Selvagens. O CR  teve acesso ao discurso, que começa com um agradecimento aos portugueses e termina com uma breve análise da crise:

Obrigado, portugueses!
Foi muito gentil da vossa parte terem-me pago esta viagem às Selvagens. eu sei que foi cara, mas devo dizer-vos que valeu a pena o vosso esforço, pois estou deliciado. Depois do sorriso das vacas dos Açores, não esperava entusiasmar-me, ainda mais, com o sorriso das carragas. 
Quero dizer-vos que vir aqui é mais ou menos como visitar, num só dia, o Jardim Zoológico em Lisboa, o ZooMarine de Albufeira e o Fluviário de Mora. Algo, portanto, que está ao alcance de quase todos os portugueses. 
Não queria deixar de vos relatar  a experiência que hoje vivi na Selvagem Pequena e em muito se assemelha àquela que me tem ocupado nos últimos tempos aí por Lisboa. Espero que os senhores jornalistas que me acompanham vos relatem e mostrem a forma como anilhei uma cagarra. Todos ficaram muito surpresos pela minha destreza, porque não sabiam que eu andei a treinar em Lisboa, antes de vir. Foi um segredo que quis revelar-vos em primeira mão.
Treinei-me a anilhar  um coelho de focinho laranja  e um papagaio de porta, falta-me só anilhar um calca-mar  cor de rosa, mas se o David Justino ainda não tiver conseguido fazer isso por mim, amanhã eu trato do assunto quando chegar a Lisboa. Aliás, a primeira coisa que fiz esta manhã foi conversar aqui com um desses simpáticos e comoventes animais, para me adaptar à espécie que é facilmente domesticável. Basta falar-lhes de eleições antecipadas, que põem logo o rabinho a dar a dar.

Análise da crise

Não estou aqui, neste arquipélago maravilhoso, rodeado de todos estes animais amigos ( neste momento a câmara foca Alberto João Jardim e a restante comitiva presidencial)  para vos falar do país. Quero, com estas palavras, apenas mostrar-vos que tenho estado sempre com o ipad ligado, para me manter em contacto com o Justino, que me vai relatando todos os pormenores.
Confesso-vos que estou muito satisfeito com o que vou sabendo. Ainda há minutos, ouvi a intervenção do senhor primeiro ministro na AR e percebi que o país mudou muito em apenas 24 horas. Sei que amanhã, quando regressar a Lisboa, vou encontrar uma cidade e um país irreconhecíveis, mas o senhor PM teve a amabilidade de mo apresentar em directo e estou-lhe muito grato por isso. Assim, não terei nenhum choque.
( O resto do discurso parece um questionário de escolha múltipla. As frases estão entrecortadas por espaços em branco que serão preenchidos em função das notícias que o PR for recebendo ao longo da tarede, a partir de Lisboa. Terão, por isso, de esperar pelas 18 e 30, para saber o que Cavaco irá dizer. Ou talvez não...)
( Em actualização)

Dar a mão em vez da bóia



Conhecem aquela história do homem que, vendo outro a afogar-se  lhe deu uma mão para o salvar? Acabou por ser puxado para a água pelo homem que estava a afogar-se.
Alguém podia ter contado esta história ao Seguro e recomendado que lançasse a bóia ao governo, mas nunca lhe estendesse a mão...

Sinais

Mário Soares está muito confiante e nem lhe passa pela cabeça que o PS possa assinar um acordo com a direita. Em que alicerça ele a sua convicção? Num encontro que teve com Alegre e Seguro, onde o líder do PS garantiu aos dois fundadores que "não cederia nos valores e princípios do PS". 
É preciso andar muito desatento, ou ser muito bem intencionado, para acreditar que Seguro conhece os valores e princípios do PS!
Mais atento parece estar Cavaco que, a caminho das Selvagens, transbordava optimismo em relação a um acordo entre os três partidos. 
Parece-me que Cavaco estará mais próximo da realidade. Seguro estará a ensaiar vários números circenses para explicar aos portugueses como o seu contorcionismo lhe permitiu chegar a um acordo recorrendo a malabarismos que darão aos portugueses a ilusão de que o PS conseguiu  vergar a maioria e alcançar um excelente acordo para salvar o país.

Cavaco já escolheu mediador, para recurso de emergência

O CR sabe que Cavaco tem de prevenção dois mediadores, para o caso de as negociações entre PS e partidos do governo borregarem. 
Como o PR já adiantara, são duas pessoas da sua confiança. O primeiro a avançar será Dias Loureiro, ex -ministro de um dos seus governos. Caso não tenha sucesso seguir-se-á um outro homem de absoluta confiança de Cavaco: o seu ex -secretário de estado Oliveira e Costa.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Quer uma boa sugestão para as suas férias?

Vá até à Grécia. Nem precisa de sair de casa!

Tripas à moda do Porto

Confesso que ao ver a capa do JN de hoje, a minha primeira reacção foi de repulsa. Mesmo não tendo qualquer consideração pela ministra, considerei o título uma brejeirice que desprestigia o jornalismo.  
Depois  pensei melhor e reconsiderei.
A questão é esta: veríamos a mesma reacção indignada nas redes sociais, se o título fosse " Vítor Gaspar foi mostrar o buraco?"
Vá lá, sejam sinceros! O problema se calhar, além de revelar algum machismo encapotado, é mesmo aquele que a Ematejoca coloca num comentário a este post!

E as Berlengas?

Não tinha ficado mais barato ir passar a noite às Berlengas, senhor Presidente?

Xeque-mate? Talvez não...



Graças à inabilidade de Seguro, o PS deixou-se entalar por Cavaco, aceitando negociar com os partidos do governo. 
Com o objectivo de entalar ainda mais o PS, o PCP mandou os Verdes avançarem com uma moção de censura.  Claro que uma moção de censura neste momento foi muito bem vinda pelo PSD e CDS, porque ficaram desobrigados de apresentar uma moção de confiança, que poderia criar clivagens com Cavaco.
O PCP e Os Verdes sabem  que estão a fazer um favor ao governo, mas isso não os incomoda absolutamente nada, porque o seu único objectivo é atacar o PS, encostando-o à direita.  PCP/PEV terão pensado que o PS não resistiria a abster-se, mas aqui os socialistas estiveram bem, não se deixando cair na armadilha. 
O anúncio de que o PS votaria a favor da moção de censura foi logo aproveitado à esquerda e à direita para acusar o PS de  incoerência.
Não vejo as coisas assim. O PS pode sempre argumentar que está contra este governo, mas não enjeita conversar com os partidos que o integram, no intuito de melhorar as propostas apresentadas pelo governo e pressionar a troika para aliviar a austeridade dos portugueses. Poderá mesmo acusar PCP e BE de terem recusado sentar-se à mesa, repetindo assim "a cena" de 2011.
Na hora em que o PCP se preparava para avançar com uma torre e dar xeque-mate ao PS, o BE veio  a jogo. 
Apercebendo-se que a jogada do PCP/PEV  poderia deixá-los também numa situação delicada, o BE decidiu convidar PCP e PS para se sentarem à mesa e negociarem um governo de esquerda. O PS aceitou de imediato, mas  foi só para picar o ponto. Logo de seguida  arranjou diversos argumentos  para descartar um acordo à esquerda.
É evidente que o PS não pode agora começar a exigir que o memorando de entendimento seja rasgado. Seria uma atitude irresponsável que só beneficiaria os partidos do governo. Obviamente que o memorando terá de ser renegociado, mas atirá-lo para o lixo, neste momento, seria garantir a reeleição deste governo. PCP e BE sabem isso perfeitamente e estão apenas a tentar tirar dividendos, pelo facto de o PS ter aceite sentar-se à mesa com PSD e CDS.
A estratégia até pode dar resultado nas próximas eleições por isso, para Seguro evitar o xeque-mate, resta-lhe conseguir um bom acordo. Isso passa obrigatoriamente por rejeitar o corte de 4,7 mil milhões, a redução das pensões dos funcionários públicos e os despedimentos no Estado.
Não conseguindo isto, qualquer acordo será um xeque-mate  a Seguro e o aparelho do PS não deixará de reagir, convocando eventualmente um congresso extraordinário para escolher um novo secretário geral.


Controlo positivo

Eu pensava que o problema era meu e por isso nunca contei nada a ninguém... mas afinal este vício e estas sensações não são só minhas.
E ontem valeu mesmo a pena. Não tanto pela paisagem, mas pelo resultado final...

terça-feira, 16 de julho de 2013

O Moedinhas

Oliveira e Costa: Ó Dias Loureiro! Achas que alguém nos vai comprar aquelas moedinhas do Euro 2004?
Dias Loureiro: Não tenhas dúvidas. Vês aquele tanso?
Oliveira e Costa: Quem é o gajo?
Dias Loureiro: É o Vítor Gaspar! Vamos fazer do gajo ministro das finanças e sacamos-lhe para aí uns 27 milhões de euros
Oliveira e Costa: Estás mas é maluco!
Dias Loureiro: Acredita em mim, pá, o Relvas é meu amigo e trata disso num instante, vais ver

Novas caixas multibanco começaram hoje a ser instaladas

Via Facebook

O Vigilante e o Pau de Cabeleira

O PR decidiu enviar um vigilante para assistir às reuniões entre os partidos.
 Não sei o que me provoca mais urticária: a decisão do PR de controlar as conversas, ou a aceitação - sem aparente contestação -por parte dos partidos desta vigilância, que atesta a sua menoridade democrática.
O comportamento dos partidos face à decisão de Cavaco,  mostra bem a qualidade e a índole de quem nos governa e de quem se apresenta como alternativa. 
O papel de David Justino será comunicar diariamente ao PR a evolução das conversações e o comportamento dos partidos. Quando- como tudo indica- os partidos anunciarem a impossibilidade de chegar a um acordo, Cavaco terá já, entre mãos, informação suficiente para decidir  justificar o passo seguinte. Dirigir-se-á aos portugueses e apontará o culpado do falhanço, porque se portou mal nas negociações e por isso o PR vai castigá-lo?
Isto já era tudo demasiado mau para ser verdade, mas o CDS decidiu tornar a situação ainda mais deprimente. No final da reunião do Conselho Nacional que decidiu novo adiamento do Congresso, Telmo Correia veio dizer a Cavaco e aos portugueses, através da comunicação social:
- Os meninos maus são o PSD e o PS. Nós somos meninos bem comportados e nada vamos fazer para perturbar as negociações entre eles. Não vamos meter nenhum grão na engrenagem e ficamos quietinhos a ver.
Se é para assistir ao filme e gozar o espectáculo de ver PSD e PS a esgadanharem-se, que raio está o CDS a fazer nas reuniões?  Pau de cabeleira?

O FMi não divulga os seus estudos internamente?

E no entanto, quando o escurinho cá voltar, vai insistir nos cortes

segunda-feira, 15 de julho de 2013

O mundo (outra vez) a preto e branco

A crise económica e financeira global, ameaça fazer-nos recuar também em termos civilizacionais.
Depois desta decisão da justiça americana ter despoletado comentários com laivos de regresso ao ódio racial, os italianos não quiseram ficar atrás e um senador fez estas vergonhosas  declarações que, no mínimo, deveriam levar ao fim da sua vida política.

Singularidades de uma mulher loira


A sucessora de Vítor Gaspar foi recebida com enorme regozijo em Bruxelas, porque é uma mulher cheia de predicados, com fortes credenciais junto da banca.
Com efeito, depois de ter assinado uns contratos na REFER a que os especialistas chamaram exóticos  e de ter contratado a JP Morgan para assessorar a privatização dos CTT, no dia seguinte a ter renegociado contratos com essa mesma instituição, Maria Luís Albuquerque ainda conseguiu  a proeza de colocar dois organismos sob a sua alçada, a investigar contratos assinados por ela.
 Mas as singularidades desta loira do regime não se ficam por aqui. Apostada em surpreender, Maria Luís Albuquerque ainda conseguiu vender um banco ( o BPN) por 40 milhões de euros- o que na altura foi considerado uma pechincha - e, dois anos depois, pagar 100 milhões de euros ao banco que fez a compra de favor.
É brilhante a forma como esta loira  protege os nossos interesses.
É fascinante ver PPC  nomear e defender com unhas e dentes uma mulher deste gabarito.
É notável ver Cavaco dar posse a uma mulher com este curriculum de casos, no mínimo, singulares.